Aplicação de dinâmicas educativas sobre saúde durante a Semana de Saúde Escolar: relato de experiência

Autores

  • Luíza Trindade Vilela Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-6306-8868
  • Patrícia de Andrade Risso
  • Thays Alves Barbosa
  • Maria Elisa Barbosa Ramos
  • Luciana Pomarico Ribeiro
  • Lucianne Cople Maia

DOI:

https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1042

Palavras-chave:

Relações Comunidade-Instituição. Ensino. Saúde.

Resumo

A extensão universitária permite que a universidade se aproxime da sociedade e que a troca de saberes possa permear a construção do conhecimento técnico-científico. O objetivo deste artigo é descrever a experiência do desenvolvimento de ações de promoção de saúde geral e bucal, desenvolvidas em um projeto de extensão da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desta forma, atividades lúdicas foram selecionadas como meios didáticos e aplicados em escolares (08 a 13 anos) da Escola Municipal Henfil, CIEP HENFIL - RJ. Os temas em saúde foram selecionados de acordo com a realidade dos escolares e envolveram os órgãos dos sentidos criando a Dinâmica dos sentidos e a Dinâmica do Autocuidado. A equipe executora foi formada por docentes, técnicos administrativos e discentes de graduação. Participaram ativamente das ações 150 crianças que demonstraram interesse e curiosidade. Ademais, os escolares criaram vínculos com os discentes de graduação, relações de cumplicidade, se sentindo seguros para compartilhar seus anseios e inseguranças quanto aos assuntos abordados. O presente trabalho destaca o processo de construção da ideia, delineamento das atividades, aquisição do material, capacitação para execução e aborda a aplicação das dinâmicas, as experiências e principais resultados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luíza Trindade Vilela, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Odontopediatria e Ortodontia - UFRJ

Referências

(1) Brasil. Plano nacional de extensão universitária. Brasília-DF, 2001. [Acesso em 01 nov. 2015]. Disponível em: http://porteiras.r.unipampa.edu.br/portais/files/2010/07/02_Politica_Nacional_Extensão.pdf.

(2) Fórum de pró-reitores de extensão das instituições públicas de educação superior brasileiras (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Gráfica da UFRGS. Porto Alegre, RS, 2010 (Coleção Extensão Universitária; v. 7). [Acesso em 02 nov. 2019]. Disponível em: https:// www.ufrgs.br/prorext/wpcontent/uploads/2015/ 10/PNE_07.11.2012.pdf.

(3) Nogueira MDP. Extensão Universitária: diretrizes conceituais e políticas: Documentos Públicas Brasileiras. Básicos do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Belo Horizonte: PROEX/UFMG; Fórum 2000. [Acesso em 02.nov. 2019]. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/renex/images/avalia%C3%A7%C3%A3o_da_extens%C3%A3o-_livro_8.pdf.

(4) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Câmara da Educação Superior. Resolução CNE-CES n. 3. Instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasília, 2002. [Acesso em 21 fev. 2020] Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf4.

(5) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Câmara da Educação Superior. Resolução CNE-CES n. 5. Instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fonoaudiologia. Brasília, 2002. [Acesso em 21 fev. 2020] Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES052002.pdf.

(6) Ministério da Educação – Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação superior. Resolução nº 7, 18 de dezembro de 2018. [Acesso em 12 nov. 2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104251-rces007-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192.

(7) Resolução CEG número 02/2013 [Acesso em 11 fev. 2020]. Disponível em: https://xn--extenso-2wa.ufrj.br/images/Creditacao/CEG 2013_02.pdf.

(8) Resolução CEG número 03/2014 [Acesso em 11 fev. 2020]. Disponível em: https://xn--extenso-2wa.ufrj.br/images/Creditacao/ CEG2014_03_disciplinas_mistas.pdf.

(9) Lima SC, Magalhães MA, Santos FO. Território escolar, práticas e ações: promoção da saúde na escola. Revista Eletrônica de Geografia, 2012; 4(12): 144-156. [Acesso em 20 fev. 2020]. Disponível em: http://www.observatorium.ig.ufu.br/ pdfs/4edicao/n12/08.pdf.

(10) Miranda J, Lemos M, Torres M, Sovieiro V, Cruz R. Promoção de saúde bucal em odontologia: uma questão de conhecimento e motivação. Rev CROMG. 2000; 6(3):154-57.

(11) Gonçalves FD, Catrib AM, Vieira NF, Vieira LJ. A promoção da saúde na educação infantil. Interface – Comunic Saúde Educ. 2008;12(24):181-92.

(12) Cavallieri F, Lopes GP. Índice de desenvolvimento social- IDS: comparando as realidades microurbanas da cidade do Rio de Janeiro. Coleção estudos cariocas. Abril 2008. [Acesso em 27 mar. 2020] Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/estudos cariocas/download/2394_%C3%8Dndice%20de%20Desenvolvimento%20Social_IDS.pdf.

(13) Silva TAC, Gonçalves KGF. Manual de Lazer e Recreação: o mundo lúdico ao alcance de todos. São Paulo, SP: Phorte Editora, 2010.

(14) Couto AS, Souza PH. Metodologias ativas como estratégia pedagógica para promoção do ensino-aprendizagem em Odontologia: relato de experiência. Rev ABENO. 2019; 19(2):91-100.

(15) Franco LL, Martorell LB, Reis LB, Tavares GG. Estação sensorial temática: recurso pedagógico para formação do cirurgião-dentista na produção do cuidado em saúde. Rev ABENO. 2017;17(4):193-202.

(16) Spricigo CB. Estudo de caso como abordagem de ensino. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Paraná-PR 2014. [Acesso em 08 nov. 2019]. Disponível em: https://www.pucpr.br/wp-content/upl oads/2017/10/estudo-de-caso-como-aborda gem-de-ensino.pdf.

(17) Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Diretrizes de educação em saúde visando à promoção da saúde: documento base - Documento I. Brasília, DF: Funasa, 2007. [Acesso em 02 nov. 2019]. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/ files_mf/dir_ed_sau.pdf.

(18) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. O Humaniza SUS na atenção básica. Brasília, DF, 2009. [Acesso em 01 nov. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/publicacoes/humaniza_sus_atencao_basica.pdf.

(19) Aquilante AG, Almeida BS, Martins de Castro RF, Xavier CR, Sales Peres SH, Bastos JR. The importance of dental health education for preschool children. Rev Odontol UNESP. 2003;32(1):39-45.

(20) Mitre RM, Gomes RA. Promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2004;9(1)147-54.

(21) Frota MA, Gurgel AA, Pinheiro MC, Martins MC, Tavares TA. O lúdico como instrumento facilitador na humanização do cuidado de crianças hospitalizadas. Cogitare Enferm. 2007;12(1): 69-75.

(22) Oliveira RR, Oliveira IC. Os doutores da alegria na unidade de internação pediátrica: experiências da equipe de enfermagem. Anna Nery Rev Enferm. 2008;12(2):230-6.

(23) Bernardi MC, Massaroli A, Ribeiro KR, Gomes DC, Silveira SK, do Prado ML. Um diálogo sobre avaliação da aprendizagem: relato de experiência. Rev Iberoam Educ Invest Enferm. 2015;5(2):40-6.

(24) Cardoso AT, Correia EP, Fernandes DE, Limírio JO, Rezende MC. Experiência de educação em saúde bucal em escola de educação infantil na República de Cabo Verde, África. Arch Health Invest. 2019; 8(5):267-70.

(25) Cota AL, Costa BJ. Atividades lúdicas como estratégia para a promoção da saúde bucal infantil. Rev Saúde Pesq. 217; 10(2):365-71.

(26) Santos CP, Costa CM, Bezerra IS, Assunção LR, Westphalen FH, Fernandes A. Estratégias criativas no processo ensino-aprendizagem da Radiologia Odontológica. Rev ABENO. 2016; 16(4):40-50.

Publicado

23-03-2021

Como Citar

Vilela, L. T., Risso, P. de A., Barbosa, T. A., Ramos, M. E. B., Ribeiro, L. P., & Maia, L. C. (2021). Aplicação de dinâmicas educativas sobre saúde durante a Semana de Saúde Escolar: relato de experiência. Revista Da ABENO, 21(1), 1042. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1042

Edição

Seção

Artigos