Espaços promotores de saúde na Atenção Básica: a experiência dos graduandos de Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba

Lilian Nadja Silva Brito, Renally Cristine Cardoso Lucas, Fernanda Ferreira Andrade, Ygor Alexandre Beserra Sousa, Rilva Suely de Castro Cardoso Lucas, Renata Rocha Cardoso Madruga, Gabriella Barreto Soares

Resumo


O estudo tem por objetivo relatar a experiência de um grupo de acadêmicos de Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba, ocorrida no segundo semestre de 2018, durante o processo de formação de um espaço promotor de saúde que proporcionou o encontro da cultura e arte com o Sistema Único de Saúde na Unidade de Saúde da Família (USF) Argemiro de Figueiredo, situada no município de Campina Grande.   A construção deste espaço ocorreu durante o Estágio na Estratégia Saúde da Família I, componente curricular ofertado no quarto semestre do curso. Tal ambiente foi criado a partir da realização da vivência intitulada de “Grafite que traz vida”, como também por meio do processo de construção da Horta Comunitária na USF em questão. As atividades citadas foram marcadas pela forte interação entre acadêmicos, comunidade, equipe de saúde e equipamentos sociais presentes na área adstrita à USF, permitindo, assim, o fortalecimento do vínculo entre equipe de saúde e população. Neste processo de vivência em comunidade, observou-se a importância da presença de acadêmicos de Odontologia no cenário da Atenção Básica (AB). Tal  presença possibilitou que os mesmos reconhecessem a relevância do cuidado integral, entendendo, assim, que o papel do cirurgião-dentista na AB vai muito além da garantia de assistência em saúde bucal para a população. Além disso, a construção de um espaço promotor de saúde permitiu o fortalecimento dos laços  entre os usuários  e trabalhadores fazendo com que a comunidade compreendesse o espaço da UBS para além da doença.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família. Apoio ao Desenvolvimento de Recursos Humanos. Odontologia. Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


(1) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica - Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

(2) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Primária/ Rastreamento. 1 ed., 1 reimpr. V 2. Brasília, 2013.

(3) Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem. 2013;66:158-64.

(4) Agostinho MR, Oliveira MC, Pinto MEB, Balardin GU, Harzhein E. Autopercepção da saúde entre usuários da Atenção Primária em Porto Alegre, RS. R Bras Med Fam Comum. 2010;5(17):9-15.

(5) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. [Acesso em: 28 jul. 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

(6) Santos RCA, Miranda FAN. Importância do vínculo entre profissional-usuário na Estratégia Saúde da Família. Cienc Cuid Saude. 2014;13(3):556-62.

(7) Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. [Acesso em: 03 ago. 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

(8) Hora DL, Erthal RMC, Souza CTV, Hora EL. Propostas inovadoras na formação do profissional para o Sistema Único de Saúde. Trab Educ Saúde. 2013, 11(3):471-86.

(9) Brasil. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Pró-saúde: Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Brasília, 2007.

(10) Brasil. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Aderência dos cursos de graduação em Enfermagem, Medicina e Odontologia às Diretrizes Curriculares Nacionais. Brasília, 2006.

(11) IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados: Campina Grande - PB. [Acesso em: 31 jul. 2020]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br /cidades-e-estados/pb/campina-grande.html.

(12) DATASUS - Departamento de Informática do SUS. Índice de Gini e da renda domiciliar per capita - Paraíba. [Acesso em: 31 jul. 2020]. Disponível em: http://tabnet.data sus.gov.br/cgi/ibge/censo/cnv/ginipb.def.

(13) DATASUS - Departamento de Informática do SUS. Equipes de Saúde - Paraíba. [Acesso em: 31 ago. 2020]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?cnes/cnv/equipepb.def.

(14) Bulgarelli AF, Souza KR, Baumgarten A, Souza JM, Rosing CK, Toassi RFC. Formação em saúde com vivência no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de estudantes do curso de odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Interface (Botucatu). 2014; 18(49):351-62.

(15) Brasil. Resolução CNE/CES nº. 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasília, 2002. [Acesso em: 02 ago. 2020]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf.

(16) Pereira RVS, Dantas LS, Bernardino IM, Silva VC, Madruga RCR, Lucas RSCC. Preceptoria nos serviços públicos especializados como cenário de aprendizagem na formação em Odontologia. Rev ABENO. 2018; 18(4):176-85.

(17) Forte FDS, Pessoa TRRF, Freitas CHSM, Pereira CAL, Carvalho Junior PM. Reorientação na formação de cirurgiões-dentistas: o olhar dos preceptores sobre estágios supervisionados no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface: Comunic Saúde Educ. 2015;19 (1):831-43.

(18) Arouca R, Rego STA, Machado M. Das políticas de formação às salas de aula: reflexões sobre a questão curricular em odontologia. Rev Bras Odontol. 2007; 64(3-4):274-8.

(19) Santos RCA, Miranda FAN. A importância do vínculo entre profissional-usuário na Estratégia Saúde da Família. Rev Enferm UFSM. 2016;6(3):350-9.

(20) Ilha S, Dias MV, Backes DS, Backes MTS. Vínculo profissional-usuário em uma Equipe da Estratégia Saúde da Família. Cienc Cuid Saude. 2014;13(3):556-62.

(21) Braga GMAM, Mafra SCT, Silva EP, Gomes AP, Melo MSS. Percepção do trabalho do Agente Comunitário de Saúde pelos usuários atendidos nas Unidades Básicas de Saúde da Família de Viçosa, MG: Tarefas realizadas e normas prescritas. Oikos: Rev Bras Econ Domést. 2016;27(1):79-95.

(22) Backes DS, Pereira AD, Marchiori MT, Rupolo I, Backes MTS, Büscher A. Vínculo profissional-usuário: competência para a atuação da Estratégia Saúde da Família. Av Enferm. 2015;33(2):222-9.

(23) Carvalho ALB, Braga LRA, Silva DF, Araujo JBF, Amorim MC, Magalhaes MJO. Vivências de acolhimento na unidade de saúde da família: a experiência do cantinho do chá na UBS do Grotão, João Pessoa - PB. Saúde em Redes. 2020; 6(1):205-17.

(24) Almeida JRS, Lima MCF, Castro C, Praxedes CES, Amaral MES, Sousa RMRB. Espaço de promoção da saúde na graduação em Odontologia: (re)significando saberes e práticas na produção do cuidado. Rev. ABENO. 2019;19(2): 127-34.

(25) Forte FDS; Pontes AA, Morais HGF, Barbosa AS, Nétto OBS. Olhar discente e a formação em Odontologia: interseções possíveis com a Estratégia Saúde da Família. Interface: Comunic Saúde Educ. 2019;23: e170407.

(26) Santos KT, Ferreira L, Batista RJ, Bitencourt CTF, Araújo RP, Carvalho RB. Percepção discente sobre a influência de estágio extramuro na formação acadêmica odontológica. Rev Odontol UNESP. 2013; 42(6): 420-5.

(27) Silva MAM, Pinheiro AKB, Souza AMA. Promoção da saúde em ambientes hospitalares. Rev Bras Enferm. 2011;64(3):596-9.

(28) Mori AY, Ogata MN. Cuidado Intersetorial: Promovendo a articulação entre a Equipe de Saúde da Família e uma Creche. Rev APS. 2010;13(4):518-22.

(29) Lemos MP, Cavalcante Júnior FS. Psicologia de orientação positiva: uma proposta de intervenção no trabalho com grupos em saúde mental. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(1):233-42.

(30) Barbosa AM. Arte/educação no Brasil. Coleção Debates. 7. ed. São Paulo: Perspectiva; 2012.

(31) Coscrato G, Bueno SMV. A luz da arte nos centros de atenção psicossocial: interface com o cuidado. Cad Bras Saude Mental. 2009;(2):142-9

(32) León-Cedeño AA, Ortolan MLM, Sei MB. A convivência como promotora de saúde mental: aproximações entre a Associação Ciranda da Cultura e os serviços de Centros de Convivência. Saúde Transform Soc. 2017; 8(1):129-137.

(33) Santos EAD. Grupo de Horta e Plantas Medicinais: Espaço de Produção de Saúde na Atenção Primária em Unidade Básica de Saúde Pertencente à Rede de Serviços da SMS/São Paulo, CRS Oeste. In: Congresso de Secretários de Saúde do Estado de São Paulo, São Paulo, p. 665-66, 2016.

(34) Monteiro D, Mendonça MM. Quintais na Cidade: a experiência de moradores da periferia da cidade do Rio de Janeiro. Agriculturas. 2004;1(0):29-31.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1096

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274