Desigualdades regionais nas relações de trabalho e qualificação profissional de cirurgiões-dentistas atuantes na Atenção Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1130

Palavras-chave:

Saúde bucal. Recursos Humanos em Saúde. Qualificação Profissional.

Resumo

O estudo transversal objetivou comparar as relações de trabalho e qualificação profissional de
cirurgiões-dentistas atuantes na Atenção Básica nas regiões geográficas brasileiras. Utilizou-se dados
do Módulo VI da avaliação externa do 2º ciclo do Programa Nacional do Acesso e da Qualidade da
Atenção Básica (PMAQ-AB). A comparação entre regiões foi realizada pelo teste qui-quadrado
(p<0,05) e análises descritivas. Das 17.117 Equipes de Saúde Bucal avaliadas, a maioria dos
cirurgiões dentistas era Servidor Público Estatutário (44,1%), sendo, este número, maior na região
Sul (63,6%) e menor no Sudeste (37,8%), com ingresso por concurso público (49,6%), sendo maior
no Sul (79,5%) e menor no Nordeste (40,9%). Em relação à qualificação profissional, (73,1%)
possuíam formação complementar e dentre estes, a maioria tem especialização em outras áreas que
não Saúde Coletiva (53,2%), sendo maior no Norte (59,3%) e menor no Nordeste (50,4%). Os
especialistas em Saúde da Família ou Saúde Pública/Saúde Coletiva (26,7% e 18,7%)
respectivamente foram mais frequentes no Sudeste (38,7% e 21,4%) e menor no Norte (11,4% e
14,9%) respectivamente, para todas o valor de “p” foi (p≤0.001). Portanto, houve desigualdades
regionais nas relações de trabalho e qualificação profissional no Brasil, e por isso, políticas indutoras
para fixação dos profissionais e sua qualificação precisam ser reforçadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) Spezzia S, Cavalheiro EM, Trindade LL. Uma análise das políticas públicas voltadas para os serviços de saúde bucal no Brasil. Rev Bras Odontol. 2015;72(1/2):109-13.

(2) Brasil. Lei nº 8.080 de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, à organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 1990; 19 set.

(3) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial da União 2000; 28 dez.

(4) Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília; 2004. [Acesso em 25 maio 2019]. Disponível em: https://aps.saude. gov.br/politicas/pnsb.

(5) Ferreira NP, Ferreira AP, Freire MCM. Job market in dentistry: historical context and perspectives. Rev Odontol UNESP. 2013; 42(4):304-9.

(6) Alissa SSM, Luiz AC, Stephani M, Letícia RMS, Ezequiel CR, Flávio FD. Distribuição dos cursos de Odontologia e de cirurgiões-dentistas no Brasil: uma visão do mercado de trabalho. Rev ABENO. 2018;18(1):63-73.

(7) Carvalho M, Santos NR, Campos GWS. A construção do SUS e o planejamento da força de trabalho em saúde no Brasil: breve trajetória histórica. Saúde Debate. 2013;37 (98):372-87.

(8) Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde Soc. 2011; 20(4):884-99.

(9) Ceccim RB, Ferla AA. Educação Permanente em Saúde. 2009. [Acesso em 25 maio 2019]. Disponível em: http://www.sites.epsjv.fio cruz.br/dicionario/verbetes/edupersau.html#topo/.

(10) Seidl H, Vieira SP, Fausto MCR, Lima RCD, Gagno J. Gestão do trabalho na Atenção Básica em Saúde: uma análise a partir da perspectiva das equipes participantes do PMAQ-AB. Saúde Debate. 2014;38:94-108.

(11) Yamamoto TS, Machado MTC, Silva Junior AG. Educação permanente em saúde como prática avaliativa amistosa à integralidade em Teresópolis. Trab Educ Saúde. 2015;13(3):617-37.

(12) Moreira KS, Lima CA, Vieira MA, Costa SM. Educação permanente e qualificação profissional para Atenção Básica. Saúde Pesq. 2017;10(1):101-9.

(13) Cavalli LO, Rizzotto MLF, Guimarães ATB. O médico no processo de avaliação externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, ciclos I e II. Saúde Debate. 2016; 40(111):87-100.

(14) Simas PRP, Pinto ICM. Trabalho em saúde: retrato dos agentes comunitários de saúde da região Nordeste do Brasil. Cien Saude Colet. 2017; 22(6):1865-76.

(15) Eberhardt LD, Carvalho M, Murofuse NT. Vínculos de trabalho no setor saúde: o cenário da precarização na macrorregião Oeste do Paraná. Saúde Debate. 2015;39 (104):18-29.

(16) Bezerra MM, Medeiros KR. Limites do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB): em foco, a gestão do trabalho e a educação na saúde. Saúde Debate. 2018;42(2):188-202.

(17) Mendonça MHM, Carsalade M, Giovanella L, Escorel S. Desafios para gestão do trabalho a partir de experiências exitosas de expansão da Estratégia de Saúde da Família. Cien Saude Colet. 2010; 15(5):2355-65.

(18) Nogueira RP, Piola SF, Vianna SM. Problemas de gestão e regulação do trabalho no SUS. Serv Soc Soc. 2006; 87:147-62.

(19) Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet. 2011; 377(9779):1778-97.

(20) Pierantoni CR, Varella TC, Santos MR, França T, Garcia AC. Gestão do trabalho e da educação em saúde: recursos humanos em duas décadas do SUS. Rev Saude Col. 2008; 18(4):685-704.

(21) Magnago C, Pierantoni CR, França T, Vieira SP, Miranda RG, Nascimento DN. Política de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde: a experiência do ProgeSUS. Cien Saude Colet. 2017; 22(5):1521-30.

(22) Vieira SP, Pierantoni CR, Magnano C, França T, Miranda RG. Planos de carreira, cargos e salários no âmbito do Sistema Único de Saúde: além dos limites e testando possibilidades. Saúde Debate. 2017; 41(112):110-121.

(23) Mendes TMC, Oliveira RFS, Mendonça JMN, Medeiros Junior A, Castro JL. Planos de Cargos, Carreiras e Salários: perspectivas de profissionais de saúde do Centro-Oeste do Brasil. Saúde Debate. 2018; 42(119):849-61.

(24) Costa ICC, Araújo MNT. Definição do perfil de competências em saúde coletiva a partir da experiência de cirurgiões-dentistas atuantes no serviço público. Cienc Saude Colet. 2011; 16(1):1181-9.

(25) Turci MA, Lima-Costa MF, Macinko J. Influência de fatores estruturais e organizacionais no desempenho da atenção primária à saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, na avaliação de gestores e enfermeiros. Cad Saúde Pública. 2015; 31(9): 1941-52.

(26) Rizzotto MLF, Gil CRR, Carvalho M, Fonseca ALN, Santos MF. Força de trabalho e gestão do trabalho em saúde: revelações da Avaliação Externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica no Paraná. Saúde Debate. 2014; 38:237-51.

(27) Baldani MH, Borges PKO, Ribeiro AE, Zermiani TC, Ditterich RG. A força de trabalho em saúde bucal na Atenção Primária à Saúde no estado do Paraná: um olhar sobre os resultados do PMAQ-AB. In: Ditterich RG, Graziani GF, Moysés SJ, organizadores Caminhos e trajetórias da saúde bucal no estado do Paraná. Londrina: INESCO; 2019. p. 127-149.

(28) Sanseverino LM, Fonsêca GS, Silva TA, Junqueira SR, Zilbovicius C. Integração ensino-serviço na formação em Odontologia: percepções de servidores do Sistema Único de Saúde acerca da prática pedagógica no território. Rev ABENO. 2017; 17(3): 89-99.

(29) Junqueira TS, Cotta RMM, Gomes RC, Silveira SFR, Batista RS, Pinheiro TMM, Sampaio RF. As relações laborais no âmbito da municipalização da gestão em saúde e os dilemas da relação expansão/precarização do trabalho no contexto do SUS. Cad Saúde Pública. 2010; 26(5):918-28.

Publicado

05-08-2021

Como Citar

Rosa, L., Ribeiro, A. E., Silva Junior, M. F., & Pinto, M. H. B. (2021). Desigualdades regionais nas relações de trabalho e qualificação profissional de cirurgiões-dentistas atuantes na Atenção Básica. Revista Da ABENO, 21(1), 1130. https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1130

Edição

Seção

Artigos