Em busca de uma educação política para estudantes de Odontologia: percepções acerca do fenômeno político e suas aproximações

Márcia Rosana Farias de Oliveira Alencar Vidal, Leonardo Carnut, Luiz Gutenberg Toledo de Miranda Coelho Júnior, Celso Zilbovicius

Resumo


Considerando a educação humanística como uma condição necessária para formação política em odontologia, objetivou-se identificar a percepção de estudantes acerca da política nos conteúdos de saúde bucal coletiva e se é possível, assim, realizar uma educação política desses estudantes. Uma intervenção pedagógica do tipo investigação-ação foi realizada cujo cenário foi a disciplina ‘Saúde coletiva II’ no Curso de Odontologia do Campus Arcoverde da Universidade de Pernambuco. Dezessete estudantes do 2º período participaram elaborando resenhas sobre suas percepções sobre política a partir do conteúdo estudado. Usou-se o método de Análise de Conteúdo de Bardin a partir das resenhas para definir se, o que foi identificado como ‘política’, se aproximava de um letramento político. Totalizou-se 185 ideias sobre política que foram agrupadas em oito categorias: ‘Trânsito da Odontologia entre a perspectiva integral e a perspectiva técnica’, ‘Informação como requisito essencial’, ‘As políticas públicas de saúde (operacionalização via Estado)’, ‘Participação dos envolvidos nas decisões’, ‘Planejamento das ações de saúde’, ‘A formação do cirurgião-dentista’, ‘O saber da Saúde Bucal Coletiva’ e ‘Portarias ministeriais’. 70,3% dessas ideias parecem servir para um letramento político. Conclui-se que parece haver um caminho pedagógico que pode ser percorrido para se obter um letramento político dos estudantes de odontologia investigados.


Palavras-chave


Educação em Odontologia. Política. SUS. Saúde Bucal. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

Almeida-Filho N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad Saude Publica. 2010; 26(12): 2234-49.

Botazzo C. A cárie dentária como fetiche – primeiras notas. In: Botazzo C, Oliveira MA. (orgs). Atenção básica no Sistema Único de Saúde: abordagem interdisciplinar para os serviços de saúde bucal. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 2008, p. 219-238.

Behrens MA. Paradigmas inovadores – a produção do conhecimento. In: ___. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes 2009, p. 53-91.

Mondin B. O problema pedagógico. In: ___. Introdução à filosofia: problemas, sistemas, autores, obras. São Paulo: Paulus, 1980, p. 122-132.

Vygotsky LS. Pensamiento y Lenguaje. La Habana: Editora Revolucionaria, 1982.

Brym RJ et al. Sociologia – Sua bússola para um novo mundo. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 585 p.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 47ª. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra. 2013. 144 p.

Noro LRA. Construir conhecimentos, integrar vidas. Rev ABENO. 2007; 7(2): 135-140.

World Health Organization. The Ottawa charter for health promotion. Geneve: WHO; 1986.

Mota LQ, Farias DBLM, Santos TA. Humanização no atendimento odontológico: acolhimento da subjetividade dos pacientes atendidos por alunos de graduação em Odontologia. Rev Bras Ciencias da Saude. 2012; 16(4):537-44.

Martiniano C. A luta pela vinculação de recursos para Saúde Pública no Brasil a partir do paradigma da universalização. In: Davi J, Martiniano C, Patriota LM (orgs.). Seguridade social e saúde: tendências e desafios. 2ª. Edição. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2011, p. 85-116.

Carvalho SR. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de Promoção à Saúde. Cad Saude Publica. 2004; 20(4): 1088-95.

Amorim KPC et al. A construção do saber em Odontologia: a produção científica de três periódicos brasileiros de 1990 a 2004. Interface (Botucatu). 2007; 11,(21): 9-23.

Benevides MVM. Educação para democracia. Lua Nova. 1996; 38: 223-37.

Lipset SM. O Homem político. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1967.

Aciole GG. Das dimensões pedagógicas para a construção da cidadania no exercício do controle social. Interface (Botucatu). 2007; 11(23): 409-26.

Cosson R. Letramento político: por uma pedagogia da democracia. Cadernos Adenauer: Educação política: reflexões e práticas democráticas. 2010; 3:25-36.

Bogdin R, Biklen S. O texto escrito pelos sujeitos. In: ___. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora. 1994, p. 176-182.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009. 281 p.

Pimenta SG, Anastasiou LGC. O docente do ensino superior. In: ___. Docência no ensino superior. 5ª. ed. São Paulo: Cortez. 2011, p. 177-199.

Turner JH. Capítulo 4. Estrutura social. In: ___ . Sociologia – Conceitos e Aplicações. São Paulo: Makron Books, 2000. pp. 47-60.

Bourdieu P. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. 231 p.

Vieira C, Costa NR. Estratégia profissional e mimetismo empresarial: os planos de saúde odontológicos no Brasil. Cien Saude Colet. 2008; 13(5): 1579-88.

Barata RB. Capítulo 1. O que queremos dizer com desigualdades sociais em saúde. In: ____. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.

Narvai PC, Frazão P. Epidemiologia, política e saúde bucal coletiva. In: Antunes JLF, Peres MA. Fundamentos de odontologia – Epidemiologia da saúde bucal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006, p. 346-362.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i1.212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274