Perfil empreendedor dos estudantes de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina

Gustavo Baur, Murillo Barreto Cardoso, Vinícius Spiger, Cláudio José Amante

Resumo


Este estudo objetivou verificar o perfil empreendedor entre os estudantes do Curso de Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina, através de uma pesquisa descritiva do tipo transversal, realizada em abril de 2015, com alunos regularmente matriculados que já haviam concluído a disciplina Clínica I. A coleta de dados foi realizada em sala de aula, por meio do Questionário Sociodemográfico, do Questionário de Classificação Econômica do Brasil e do Teste do Perfil Empreendedor, instrumento que avalia, através de um sistema de quatro pontos, o perfil empreendedor, classificando-o em alto, médio ou baixo. Os dados foram então tabulados e submetidos à análise estatística descritiva. Entre os 94 participantes da pesquisa, o sexo feminino foi predominante (73,34%). As classes econômicas mais frequentes foram a Classe A (50,00%) e a Classe B2 (22,34%), sem nenhum participante da Classe D ou E. Observou-se predominância do perfil empreendedor médio (58,51%), em relação ao alto (41,49%). Nenhum estudante apresentou perfil baixo. Entre os estudantes de perfil empreendedor alto, 76,92% eram do sexo feminino.  A classe econômica C2, apenas composta por dois indivíduos, apresentou maior frequência como perfil empreendedor alto (50%), seguida das classes A1 (46,81%) e C1 (46,15%). Assim, essa pesquisa possibilitou identificar o perfil empreendedor entre os estudantes de odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina, onde embora não exista um perfil empreendedor baixo, existe a necessidade de estimular o perfil empreendedor alto. Há também um destaque para a tendência empreendedora no sexo feminino.

Palavras-chave


Estudantes de Odontologia; Inovação; Empreendedorismo; Organização e Administração.

Texto completo:

PDF

Referências


Conselho Federal de Odontologia. Brasil: Conselho Federal de Odontologia; 2016. [Acesso em: 02/03/2016]. Disponível em: http://cfo.org.br/servicos-e-consultas/fa culdades

Muylder CF, Lafalce JL, Pires AM. Influência do perfil empreendedor na gestão de uma instituição de ensino. AOS. 2013; 2(2):7-18.

Pereira GDF, Cordeiro AT, Pires da Silva MA, Batista MM. Empreendedorismo regional: um olhar sobre a identidade cultural em narrativas locais. Rev Neg. 2013; 18(2):3-26.

Galeano R, Meurer V, Previdelli JJ. Empreendendo com Saúde: estudo exploratório do perfil do empresário da área da saúde. RA Unimep. 2005; 3(1):3-26.

a. Tatto FR, lagemann M, Canever MD. O interesse em tornar-se empreendedor muda com o passar da experiência universitária? XVII Congresso de Iniciação Científica e X Encontro de Pós-Graduação. 2008; Pelotas. [Acesso em: 02/03/2016]. Disponível em: ufpel.edu.br/ cic/2008/cd/pages/pdf/SA/SA_00874.pdf

Ribas MA, Siqueira ES, Binotto Erlaine. O desafio da gestão para profissionais da Odontologia. Encontro Nacional de Engenharia de Produção; 2010(1-13); São Carlos.

Santos SC, Caetano A, Curral L. Atitude dos estudantes universitários face ao empreendedorismo: Como identificar o potencial empreendedor? Rev Pt Br Gestão. 2010; 9(4):2-14.

Rocha ELC, Freitas AAF. Avaliação do ensino de empreendedorismo entre estudantes universitários por meio do Perfil Empreendedor. Rev Adm Contemp. 2014; 18(4):465-86.

Brasil. Resolução CNE/CES 3/2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 10.

Ceccon MF. A odontologia em prova. Rev APCD. 2000; 54(5):353.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica do Brasil; 2014; São Paulo. [Acesso em: 02/03/2016]. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil

Santos M. Teste do Perfil empreendedor. 2014; São Paulo. [Acesso em: 02/03/ 2016]. Disponível em: mcon.com.br

Gomes AF, Lima JB, Cappelle MCA. Do empreendedorismo à noção de ações empreendedoras: Reflexões Teóricas. Alcance. 2013; 20(2):203-20.

Costa SM, Durães SJA, Abreu MHNG. Feminização do Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros. Ciênc Saud Coletiva. 2010; 15(sup1) :1865-73.

Amorim RO, Batista LE. Empre-endedorismo feminino: razão do empreendimento. Pitágoras. 2012; 3(3): 1-13.

Rezende FP, Nakanishi FC, Machado ACP, Quirino MRS, Anbinder AL. Perfil, motivações e expectativas dos graduandos e graduados em Odontologia. Rev Odonto UNICID. 2007; 19 (20):165-72.

Global Enterpreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil. 2012; Curitiba; Gem: 165. [Acesso em: 02/03/2016]. Disponível em: observatorio.sebraego.com.br/midias/downloads/22072013153931.pdf.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i2.268

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274