A interdisciplinaridade e seus reflexos na formação do cirurgião-dentista

Analice Mafi, Carla Moretto, Maurício Fernando Nunes Teixeira, Olinda Maria de Fátima Lechmann Saldanha, Andreas Rucks Varvaki Rados

Resumo


O objetivo do trabalho é relatar experiências da inserção de ações interdisciplinares no processo de ensino-aprendizagem do curso de Odontologia da UNIVATES, em Lajeado/RS. Estas atividades foram realizadas na Clínica Universitária Regional de Educação e Saúde nos anos de 2015 e 2016, tais como a Sala de Espera e ações de Apoio Matricial e Institucional.  A metodologia adotada com base em relato de experiência e pesquisa bibliográfica baseou-se em princípios da investigação narrativa. A partir do relato é possível concluir que as ações interdisciplinares propiciam experiências diferenciadas em um inovador cenário de ensino e de aprendizagem, o que possivelmente contribuirá para a formação de futuros cirurgiões-dentistas, tendo como referência o cuidado humanizado e a atenção integral à saúde. Esta vivência também possibilitou o fortalecimento da relação entre os profissionais e acadêmicos de diferentes cursos e a conexão com as ações de saúde.


Palavras-chave


Educação em Odontologia. Pesquisa Interdisciplinar. Formação de recursos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


Organização Mundial da Saúde. Admi-nistração da OMS. (Acesso em 03 mar. 2016). Disponível em: http://www. who.int./governance/en/index.html

Brasil. Lei nº. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 set.1990; 180-55.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Nacional; 1988.

Coelho MTAD, Almeida Filho N. Conceitos de saúde em discursos contemporâneos de referência científica. Hist Ciênc Saúde-Manguinhos. 2002;9(2):315-33.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. Distritos sanitários: concepção e organização o conceito de saúde e do processo saúde-doença. Brasília. Ministério da Saúde, 1986; p. 11-13.

Vianna LAC. Processo Saúde-Doença: Especialização em Saúde da Família. UNA-SUS/UNIFESP. Módulo Político Gestor. (Acesso em 05 fev. 2016). Disponível em: http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unidade_6.pdf

Saúde e Cidadania [homepage na internet]. Secretaria Estadual da Saúde. Distritos Sanitários: Concepção e Organização (Acesso em 07 fev. 2016). Disponível em: http://portalses.saude.sc.gov.br/arquivos/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_01/index.html

Badziak RPF, Moura VEV. Determinantes sociais da saúde: um conceito para efetivação do direito à saúde. Rev Saúde Públ Santa Cat. 2010;3(1),69-79.

Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis. 2007;17(1): 77-93.

Bueno RE, Moysés ST, Bueno PAR, Moysés SJ. Determinantes Sociais e Saúde bucal de Adultos nas capitais do Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(1):17-23.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 13a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1983.

Fleury-Teixeira P, Vaz FAC, Campos FCC, Álvares J, Aguiar RAT, Oliveira VA. Autonomia como categoria central no conceito de promoção de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2008; 13(Sup 2):2115-

Franco CM, Franco SJTB. Linhas do Cuidado Integral: uma proposta de organização da Rede de Saúde (Aceso em 24 abr. 2016). Disponível em: http://www.sau de.rs.gov.br/upload/1337000728_Linha%20cuidado%20integral%20conceito%20como%20fazer.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Clínica Aplicada, Equipe de Referência e Projeto Terapêutico Singular. Rio de Janeiro: DF; 2008. 53 p.

Pinto DM, Jorge MSB, Pinto AGA, Vasconcelos MGF, Cavalcante CM, Flores AZT et al. Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto & contexto enferm. 2011;20(3):493-502.

Tavares CMA, Matos E, Gonçalves L. Grupo multiprofissional de atendimento ao diabético: uma perspectiva de atenção interdisciplinar à saúde. Texto & contexto enferm. 2005;14(2):213-21.

Frigotto G. A interdisciplinariedade como necessidade e como problema nas ciências sociais. Rev Centro Educ Letras UNOESTE 2008; 10(1):41-62.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da Formação para uma área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. Physis 2004;14(1):41-65.

Zabala A. A prática educativa. Porto Alegre : Artmed; 1998.

Brêtas ACP, Gamba MA. Enfermagem e saúde do adulto. Barueri: Manole; 2006.

Verissimo DS, Valle ERM. A experiência vivida por pessoas com tumor cerebral e por seus familiares. Psicol Argum. 2006;24(45): 45-56.

Rodrigues AD, Dallanora CR, Rosa J, Germani RM. Sala de espera: um ambiente para efetivar a educação em saúde. Vivências. 2009;5(7):101-6.

Emerson EM. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte – Reescrevendo o Público; Ed. Xamã; São Paulo, 1998.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Rio de Janeiro, DF: O ministério; 2008.

Pereira Júnior N, Campos GWS. O apoio institucional no Sistema Único de Saúde (SUS): os dilemas da integração interfederativa e da cogestão. Interface (Botucatu). 2014;18(Supl. 1):895-908.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):399-407.

Brasil. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: equipe de referência e apoio matricial. Rio de Janeiro, DF: O ministério; 2004. p. 11-13.

Oliveira MM, Campos GWS. Matrix support and institutional support: analyzing their construction. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(1):229-38.

Abreu ES, Fernandes SMS, Gióia-Martins DF, Pechliye MM, Simony RF. Interdisciplinaridade, saúde e qualidade de vida no ambiente universitário: relato de experiência. Simbio-Logias. 2014;7(7):107-18.

Souza PA, Lopes MHC, Azevedo OR. Guia de orientação técnica – SUAS nº 1 proteção social básica de assistência social. Ministério do Desenvolvimento Social ao Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social. Brasília; 2005.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v17i1.300

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274