Distribuição dos cursos de Odontologia e de cirurgiões-dentistas no Brasil: uma visão do mercado de trabalho

Alissa Schmidt San Martin, Luiz Alexandre Chisini, Stephani Martelli, Letícia Regina Morello Sartori, Ezequiel Caruccio Ramos, Flávio Fernando Demarco

Resumo


Tendo em vista a expansão dos cursos de Odontologia (CO) e o aumento do número de cirurgiões-dentistas (CD) no Brasil, o objetivo do presente estudo foi descrever a distribuição dos CO e dos CD nas diferentes regiões do Brasil. Além disso, foi comparada a proporção do número de habitantes/dentista (NH/CD) com os indicadores da Organização Mundial da Saúde (OMS). Dados relativos à quantidade de CO e CD foram obtidos do Conselho Federal de Odontologia (CFO). O número de habitantes estimado para cada local foi investigado pelos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foram calculadas as concentrações NH/CD para comparação com o índice recomendado pela OMS. Todos os dados foram coletados entre maio e junho de 2016. Para analisar se o número de CO está correlacionado ao número de CD e NH/CD, foi realizado o teste de Correlação de Pearson. Foram identificados 220 cursos, sendo majoritariamente privados (75%) e localizados no Sudeste (43,6%). A região Norte foi a que menos apresentou CO (10%) e o menor número de CD. Foram identificados 274 mil CD registrados, concentrados principalmente na região Sudeste (55,7%), seguida pela região Sul (16,8%). Todas as regiões brasileiras apresentam menor razão de NH/CD que o recomendado pela OMS, indicando que há mais dentistas que o necessário na maior parte do país. Uma correlação positiva (0,98) foi observada entre o número de CO e o número de CD, enquanto uma correlação de 0,44 foi observada entre o NH/CD. Assim, o mercado de trabalho odontológico brasileiro mostra-se saturado e altamente competitivo, com um número muito maior de profissionais por habitante que o recomendado pela OMS. Ainda, existe concentração de profissionais nas regiões mais desenvolvidas e ricas do país.


Palavras-chave


Mercado de Trabalho. Necessidades e Demandas de Serviços de Saúde. Escolas de Odontologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Farias C, Cardoso B, Neto E, De Carvalho R, Curtis D. Feedback no processo de aprendizagem: percepção dos estudantes de Odontologia em uma universidade brasileira. Rev ABENO. 2015;15(3):35-42.

Marcenes W, Kassebaum NJ, Bernabe E, Flaxman A, Naghavi M, Lopez A, et al. Global burden of oral conditions in 1990-2010: a systematic analysis. J Dent Res. 2013;92(7):592-7.

Saliba N, Saliba O, Miomaz S, Garbin C, Arcieri R, Lolli L. Integração ensino-serviço e impacto social em cinquenta anos de história da saúde pública na Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho. RGO. 2009;57(4):459-65.

Brasil. Condições de saúde bucal da população brasileira: resultados principais. Brasília: Coordenação Nacional de Saúde Bucal, Departamento de Atenção básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. 2010. [Acesso em 26 fev. 2017]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/ CNSB/sbbrasil/arquivos/projeto_sb2010_relatorio_final.pdf

Meneghim M, Kozlowski F, Pereira A, Ambrosano G, Meneghim Z. Classificação socioeconômica e sua discussão em relação à prevalência de cárie e fluorose dentária. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):523-29.

dos Santos Espíndola P, Lemos C, Reis L. Perfil do Profissional de nível superior na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(4):367-75.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação superior. Resolução CNE/CES Nº 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasil: CNE/CES. 2002. [Acesso em 26 fev. 2017]. Disponível em: http://portal.mec. gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf

Pucca GA, Jr., Gabriel M, de Araujo ME, de Almeida FC. Ten years of a National Oral Health Policy in Brazil: innovation, boldness, and numerous challenges. J Dent Res. 2015;94(10):1333-7.

Paranhos L, Ricci I, Scanavini M, Bérzin F, Ramos A. Análise do mercado de trabalho odontológico na região Sul do Brasil. RFO UPF. 2009;14(1):7-13.

Lucietto D. Revisão e discussão sobre indicadores para a previsão de demanda por cirurgiões-dentistas no Brasil. Rev Fac Odontol Porto Alegre. 2008;49:28-35.

Paranhos L, Ricci I, Siqueira D, Scanavini M, Júnior E. Análise do mercado de trabalho odontológico da região Nordeste do Brasil. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. 2009;21(2):104-18.

Pinto V. Saúde Bucal no Brasil. Rev Saúde Públ. 1983;17:317-27.

Lazzarin H, Nakama L, Júnior L. O papel do professor na percepção dos alunos de Odontologia. Saúde Soc. 2007;16(1):90-101.

Chisini LA, Conde MC, Correa MB, Dantas RV, Silva AF, Pappen FG, et al. Vital pulp therapies in clinical practice: findings from a survey with Dentist in Southern Brazil. Braz Dent J. 2015;26(6):566-71.

Isiekwe GI, Sofola OO, Onigbogi OO, Utomi IL, Sanu OO, da Costa OO. Dental esthetics and oral health-related quality of life in young adults. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2016;150(4):627-36.

Ghosh I, Dayal P, Das S. Overtreatment in caries management? A literature review perspective and recommendations for clinicians. Dent Update. 2016;43(5):419-21, 23-6, 29.

Jobim Jardim J, Henz S, Barbachan ESB. Restorative treatment decisions in posterior teeth: a systematic review. Oral Health Prev Dent. 2017;15(2):107-15.

Traebert J, Wesolowski CI, de Lacerda JT, Marcenes W. Thresholds of restorative decision in dental caries treatment among dentists from small Brazilian cities. Oral Health Prev Dent. 2007;5(2):131-5.

Pires A, Gruendemann J, Figueiredo G, Conde M, Corrêa M, Chisini L. Atenção secundária em saúde bucal no Rio Grande do Sul: análise descritiva da produção especializada em municípios com Centros de Especialidades Odontológicas com base no Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde. RFO UPF. 2016;20(3):325-33.

Figueiredo N, Goes P. Construção da atenção secundária em saúde bucal: um estudo sobre Centros de Especialidades Odontológicas em Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(2):259-67.

Palmier A, Andrade D, Campos A, Abreu M, Ferreira E. Indicadores socioeconômicos e serviços odontológicos em uma região brasileira desfavorecida. Rev Panam Salud Publica. 2012;32(1):22-9.

Formicola AJ. Ten-year student trends in U.S. Dental Schools, 2004-05 to 2014-15. J Dent Educ. 2017;81(8):eS22-eS7.

American Dental Association ADA. Number of practicing Dentists per capita in the United States Will Grow Steadily. Health Policy Institute. [Acesso em 26 fev. 2017]. Disponível em: http://www.ada.org/~/ media/ADA/Science%20and%20Research/HPI/Files/HPIBrief_0616_1.pdf.

Morita M, Haddad A, Araújo M. Perfil atual e tendências do Cirurgião-Dentista Brasileiro. Dental Pess. [Acesso em 26 fev. 2017]. Disponível em: http://abeno.org.br/ arquivos/downloads/download_20111202125600.pdf.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i1.399

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274