Conhecimento de docentes e discentes de um curso de Odontologia sobre os aspectos legais que envolvem a utilização de dentes humanos extraídos

Maria Cristina dos Santos Medeiros, Iris do Céu Clara Costa, Edna Maria da Silva, Leonardo César Amaro da Silva, Daniel Augusto dos Santos, Daniel Felipe Fernandes Paiva

Resumo


O estudo verificou o nível de conhecimento do corpo docente e discente de um curso de Odontologia acerca dos aspectos éticos e legais envolvidos na obtenção e manipulação de elementos dentários humanos extraídos. Foi aplicado um questionário semiestruturado aos docentes e discentes a partir do 2º período, por se constituírem os usuários de dentes humanos nas atividades de ensino pré-clínico e de pesquisa. Os dados foram analisados utilizando-se a estatística descritiva para as perguntas fechadas, além do Discurso do Sujeito Coletivo para as perguntas abertas. Participaram 51 docentes de um total de 55 e 201 discentes do total de 288, dos quais 72,55% e 72,60%, respectivamente, reconheceram o elemento dentário como um órgão. Quanto à forma de obtenção, 39,49% dos discentes relataram obter os dentes em consultórios odontológicos e 33,76% em unidades de saúde, sendo que 91,04% destes e 80,39% dos docentes desconhecem qualquer tipo de comercialização. Em relação à biossegurança, tanto os discentes (78,61%) quanto os docentes (90,20%) reconhecem o risco biológico na manipulação desses elementos e realizam algum tipo de desinfecção. Considerando-se os aspectos legais, 68,63% dos docentes e 20,10% dos discentes afirmaram ter conhecimento da existência de uma regulamentação, o que não se refletiu de forma explícita nas respostas obtidas. Do material textual gerado pelas perguntas abertas emergiram três categorias (forma de obtenção dos dentes utilizados, comercialização de dentes e risco biológico), interpretadas à luz de discursos agregados dos segmentos (docentes e discentes) entrevistados. Pode-se concluir que tanto docentes quanto discentes apresentaram conhecimento incipiente sobre os aspectos legais que envolvem a obtenção e manipulação de elementos dentários humanos extraídos.


Palavras-chave


Bioética. Legislação. Dente. Agentes Biológicos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Freitas ABDA, Pinto SL, Tavares EP, Barros LM, Castro CDL, Magalhães CS. Uso de Dentes Humanos Extraídos e os Bancos de Dentes. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012; 12(1): 59-64.

Louzada LN, Jorge RC, Silva KS, Pacífico RSL, Dantas FFP, Novaes SEA, et al. Banco de Dentes Humanos: ética a serviço do ensino e da pesquisa - a experiência da Faculdade de Odontologia da UERJ. Interagir: pensando a extensão. 2015; 20: 67-79.

Moggioni AR, Scelza MFZ, Silva LE, Salgado VE, Borges DO, Maciel ACC. Dentistry students’ knowledge about the human tooth bank of Universidade Federal Fluminense. Rev Flum Odontol. 2010; 16(33): 27-30.

Nassif ACS, Tieri F, Ana PA, Botta SB, Imparato JCP. Estruturação de um banco de dentes humanos. Pesq Odont Bras 2003; 17(Suppl. 1): 70-4.

Zucco D, Kobe D, Fabre C, Madeira L, Baratto Filho F. Avaliação do nível de conhecimento dos acadêmicos do curso de odontologia da UNIVILLE sobre a utilização de dentes extraídos na graduação e banco de dentes. RSBO. 2006; 3(1): 54-8.

Pereira DQ. Banco de dentes humanos no Brasil: revisão de literatura. Rev ABENO. 2012; 12(2):178-84.

Gomes GM, Gomes GM, Pupo YM, Gomes OMM, Schmidt LM, Kozlowski Junior VA. Utilização de dentes humanos: aspectos éticos e legais. Rev Gaúcha Odontol. 2013; 61: 477-83.

Pinto SL, Silva SP, Barrosi LM, Tavares EP, Silva JBOR, Freitas ABDA. Conhecimento popular, acadêmico e profissional sobre o Banco de Dentes Humanos. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2009; 9(1):101-6.

Junqueira LC, Carneiro J. Histologia Básica. 7. ed. São Paulo: Guanabara; 1990.

Costa SM, Mameluque S, Brandão EL, Melo AEMA, Pires CPAB, Rezende EJC. Dentes humanos no ensino odontológico: procedência, utilização, descontaminação, e armazenamento pelos acadêmicos da Unimontes. Rev ABENO, 2007; 7(1): 6-12.

Lefevre F; Lefevre AMC. Discurso do Sujeito Coletivo. 1. Ed. Caxias do Sul: EDUCS, 2003. 256p.

Lefevre F; Lefevre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface 2006; 10(20): 517-24.

Lefevre AMC, Crestana MF, Cornetta VK. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativas dos cursos de especialização “capacitação e desenvolvimento de recursos humanos em saúde - CADRHU”, São Paulo – 2002. Saúde Soc. 2003; 12(2):68-75.

Leite DP, Galdino CAN, Bezerra IPB, Oliveira RR, Gurgel JMTM, Duarte RM, et al. Avaliação do nível de conhecimento de docentes, discentes e leigos sobre utilização de dentes extraídos e Banco de Dentes Humanos. Rev Bras Ciênc Saúde. 2017; 21(2): 145-150.

Miranda GE, Bueno FC. Banco de dentes humanos: uma análise bioética. Rev Bioét, 2012; 20(2): 255-6.

Felipe EF, Costa GBM, Júnior NJJ, Costa AA. Aspectos éticos da obtenção de dentes por estudantes de uma graduação em Odontologia. Rev Bioét 2014; 22 (1): 171-5

Conselho Federal de Odontologia. Código de ética odontológica: aprovado pela Resolução CFO n0 118/2012. [Acesso em 19 set. 2017]. Disponível em: http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2009/09/codigo_etica.pdf.

Pimentel E, Bittencourt LP, Alves MU. Esterilização dos elementos estocados no banco de dentes. Rev Odontol Univ Ribeirão Preto. 2002; 5(1):3-9.

Pantera EA, Schuster GS. Sterilization of extracted human teeth. Dent Mater. 1990; 11: 321-3.

Moreira L, Genari B, Stello R, Collares FMC, Samuel SMW. Banco de Dentes Humanos para o ensino e pesquisa em Odontologia. Rev Fac Odontol Porto Alegre. 2009; 50(1): 34-7.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i1.859

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274