Perfil dos atendimentos no serviço de Periodontia da Faculdade de Odontologia da UFRJ

Claudia Callegaro de Menezes, Raphaelle Emmanuelle Almeida Oliveira, German Villoria, Maria Cynésia Medeiros de Barros

Resumo


O estudo teve como objetivo conhecer o perfil do serviço de atendimento prestado pela disciplina de Periodontia II da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, por meio de levantamento de dados dos atendimentos realizados em um período de 10 anos (2007 a 2016). Foram analisados o protocolo de atendimento, número total de procedimentos realizados por semestre e por estudante de graduação, número de exames periodontais, profilaxias, instruções de higiene oral, procedimentos de raspagem supragengivais, procedimentos de raspagem subgengival e alisamento radicular realizados por semestre. As informações relacionadas ao perfil dos usuários foram coletadas a partir do prontuário e incluíram dados sociodemográficos, diagnóstico das condições periodontais e condições sistêmicas associadas. No período estudado foram realizados 13.810 procedimentos clínicos, em média 690,5 por semestre. Em amostragem de 715 usuários a idade variou entre 12 e 85 anos, sendo a faixa etária predominante entre 45 e 64 anos, equivalente a 55,38% da amostra. Na amostra, 14,55% foram diagnosticados com gengivite e 85,45% com periodontite, sendo 93,94% dos casos periodontite crônica e 6,06% periodontite agressiva. Foram identificadas condições sistêmicas de saúde associadas aos quadros de doença periodontal. As condições mais relevantes informadas pelos pacientes foram hipertensão arterial (25,87%), doenças respiratórias como sinusite e rinite alérgica (13,29%), diabetes mellitus (10,35%) e tabagismo (7,70%). Foi possível conhecer em detalhes o funcionamento da clínica da disciplina de Periodontia II da FO/UFRJ e os resultados foram utilizados como base para melhorias no serviço. O perfil de saúde apresentado pelos usuários do serviço apontou para a necessidade de abordagem interprofissional.


Palavras-chave


Administração de Serviços de Saúde. Periodontia. Ensino Odontológico. Cuidados Interprofissionais.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lemieux-Charles L, McGuire WL. What do we know about health care team effectiveness? A review of the literature. Med Care Res Rev. 2006; 63:263-300.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Kusma SZ, Moysés ST, Moysés SJ. Promoção da Saúde: perspectivas avaliativas para a saúde bucal na atenção primária em saúde. Cad Saúde Pública. 2012; 28:s9-s19.

Donabedian A. The seven pillars of quality. Arch. Pathol Lab Med 1990; 114:1115-18.

Righi AW. Avaliação da qualidade em serviços públicos de saúde - o caso da Estratégia Saúde da Família. [dissertação]. Santa Maria: UFSM; 2009.

Arouca R. Breve histórico ilustrado da Faculdade de Odontologia da UFRJ. Rio de Janeiro: Editora Santos; 2009.

Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior (Brasil). Resolução nº 3 de 19 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 10.

Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde do Rio de Janeiro 2014-2017.

Cugini MA, Haffajee AD, Smith C, Kent Jr RL, Socransky SS. The effect of scaling and root planing on the clinical and microbiological parameters of periodontal diseases: 12-month results. J Clin Periodontol. 2000; 27: 30-6.

Gomes-da-Silva D, Tosto MC, Evangelista MT, Silva JNO, Abreu T, Monteiro CLS, et al. Protocolo de atendimento da Clínica de Periodontia Unigranrio: pacientes com diabetes mellitus. Rede de Cuidados em Saúde 2017; 10:1-12.

Secretaria de Estado de Saúde – Sub-secretaria de Atenção Integral à Saúde (Distrito Federal). Portaria n°342 de 28 de junho de 2017. Institui protocolo de atenção à saúde- Periodontia. Diário Oficial do DF 2017; 30 de jun.

Armitage GC. Development of a classification system for periodontal disease and conditions. Ann Periodontol. 1999; 4(1):1-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Brasília, 2004.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R. Agir em saúde um desafio para o público. São Paulo: HUCITEC, 1997. p. 71-112.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; 2002.

Campos GWS. Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: HUCITEC; 2000.

Campos GWS. Saúde Paidéia. São Paulo: HUCITEC; 2003.

Gaunt F, Devine M, Pennington M, Vernazza C, Gwynnett E, Steen N, Heasman P. The cost effectiveness of supportive periodontal care for patients with chronic periodontitis. J Clin Periodontol. 2008; 35: 67-82.

Tonetti MS, Eickholz P, Loos BG, Papapanou P. Principles in prevention of periodontal diseases–Consensus report of group 1 of the 11th European workshop on periodontology on effective prevention of periodontal and peri-implant diseases. J Clin Periodontol. 2015; 42 (16): S5-S11.

Pretzl B, El Sayed S, Weber D, Eickholz P, Bäumer A. Tooth loss in periodontally compromised patients: results 20 years after active periodontal therapy. J Clin Periodontol. 2018 45:1356-64.

Sabharwal A, Gomes-Filho IS, Stellrecht E, Scannapieco FA. Role of periodontal therapy in management of common complex systemic diseases and conditions: an update. Periodontol 2000. 2018;78(1):212-

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito AS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciên Saude Colet 2002; 7(4):687-707.

Pandolfi M, Barcellos LAE, Miotto MHMB. Perfil dos usuários e motivo da procura pelos serviços odontológicos das unidades de saúde de Vitória – ES. UFES Rev Odontol. 2006; 8(2):37-44.

Reeves S, Xyrichis A, Zwarenstein M. Teamwork, collaboration, coordination, and networking: why we need to distinguish between different types of interprofessional practice. J Interprof Care. 2018; 32(1):1-3.

Vettore MV, Marques RADA, Peres MA. 2013. Desigualdades sociais e doença periodontal no estudo SB Brasil 2010: abordagem multinível. Rev Saúde Públ 2010; 47: 29-39.

Schiffrin EL, Lipman ML, Mann JFE. Chronic Kidney Disease: Effects on the cardiovascular system. Circulation. 2007;3:85-97.

Scannapieco FAE, Panesar M. Periodontitis and chronic kidney disease. J Periodontol. 2008; 79:1617-9.

Artese HPC, Sousa CO, Luiz RR, Sansone C, Torres MCMB. Effect of non-surgical periodontal treatment on chronic kidney disease patients. Braz Oral Res. 2010; 24(4):449-54.

Ponzer S, Hylin U, Kusoffsky A, Lauffs M, Lonka K, Mattiasson A-C, Nordström G. Interprofessional training in the context of clinical practice: goals and student’s perception on clinical education wards. Med Educ. 2004; 38:727-36.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i3.861

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274