Qualidade de vida de mestrandos em Odontologia

Maria Imaculada de Queiroz Rodrigues, Raul Anderson Domingues Alves da Silva, Myrna Maria Arcanjo Frota Barros, Paulo Goberlanio de Barros Silva, Cinthia Nara Gadelha Teixeira, Maria Eneide Leitão de Almeida

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar a Qualidade de Vida (QV) dos mestrandos em Odontologia da Universidade Federal do Ceará. O estudo foi transversal, do tipo quantitativo e a coleta de dados ocorreu no período de agosto de 2015 a maio de 2016. Foram investigadas variáveis sociodemográficas e a QV foi mensurada utilizando o instrumento Whoqol-bref. Foi realizada análise bivariada e regressão logística multinominal. Participaram do estudo 50 discentes, sendo 29 do sexo feminino (58%); 37 eram solteiros (74%) e 47 não possuíam filhos (94%). Os resultados mostraram que na análise de QV 60% da amostra apresentou satisfação. Já quanto aos domínios, 82% obteve insatisfação/indiferença no domínio Físico, enquanto 76% mostraram-se satisfeitos quanto ao domínio Relações Sociais. Significância estatística foi encontrada quando associada a participação em grupo de atividades sociais ao domínio Meio Ambiente (p=0,016). A maior parte da amostra mostrou-se satisfeita quanto à qualidade de vida, enquanto o domínio Físico apresentou maior percentual de insatisfação/indiferença e o de Relações Sociais o maior percentual de satisfação.


Palavras-chave


Educação de Pós-Graduação. Odontologia. Religião. Qualidade de Vida.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


(1) World Health Organization. Division of Mental Health and Prevention of Substance Abuse. WHOQOL: measuring quality of life. Geneva. World Health Organization. 1997

(2) Zanella AV. Atividade criadora, produção de conhecimentos e formação de pesquisadores: algumas reflexões. Psicol Soc. 2004; 16(1): 135-45.

(3) Santos AF, Júnior AA. Estresse e estratégias de enfrentamento em mestrandos de ciências da saúde. Psicol Reflex Crit. 2007; 20(1): 104-13.

(4) Faro A. Um modelo explicativo para o bem-estar subjetivo:

estudo com mestrandos e doutorandos no Brasil. Psicol Reflex Crit. 2013; 26(4):654-62

(5) Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-Bref”. Rev Saúde Pública. 2000; 34(2):178-83.

(6) Whoqol. The Whoqol Group. Sintaxe SPSS - WHOQOL - bref Questionnaire. [acesso em 17 Dez 2015]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/psiq/whoqol86.html.

(7) Brito DP, Oliveira LMR, Braga SR, Nuto SAS, Viana FAC. Avaliação da qualidade de vida de acadêmicos de Odontologia do estado do Ceará. Coleção Pesquisa em Educação Física. 2012; 11(3):41-50.

(8) Gomes JRAA, Hamann EM, Gutierrez MMU. Aplicação do WHOQOL-BREF em segmento da comunidade como subsídio para ações de promoção da saúde. Rev. bras. epidemiol. 2014; 17(2):495-516.

(9) Hyun JK, Quinn BC, Madon T, Lustig S. Graduate student mental health: needs assessment and utilization of counseling services. J Coll Student Dev. 2006; 47(3):247-66.

(10) Galdino MJQ, Martins JT, Ribeiro RP, Scholze AR, Tsukamoto SAS, Haddad MCFL. Quality of life of masters and doctoral nursing students. Rev. Eletr. Enf. 2018 ;20:v20a41.

(11) Nehls N, Barber G, Rice E. Pathways to the PhD in Nursing: An Analysis of Similarities and Differences. J Prof Nurs. 2016; 32(3):163-72.

(12) Halse C, Bansel P. The learning alliance: ethics in doctoral supervision. Oxford Rev Educ. 2012;38(4):377-92.

(13) Faro A. Estresse e estressores na pós-graduação: estudo com mestrandos e doutorandos no Brasil. Psic Teor Pesq. 2013;29(1):51-60.

(14) Mendes VR, Iora JA. A opinião dos estudantes sobre as exigências da produção na pós-graduação. Rev Bras Ciênc Esporte. 2014 ;36(1):171-87.

(15) Amadeu, JR, Justi, MM. Qualidade de vida de estudantes de graduação e pós-graduação em Odontologia. Arch Health Invest. 2017; 6(11):540-44.

(16) Miranda SL, Lanna MAL, Felippe WC. Espiritualidade, depressão e qualidade de vida no enfrentamento do câncer: estudo exploratório. Psicol Cienc Prof. 2015; 35(3):870-85.

(17) Murakami R, Campos CJG. Religião e saúde mental: desafio de integrar a religiosidade ao cuidado com o paciente. Rev Bras Enferm. 2012; 65(2):361-67.

(18) Fleck MPA, Borges ZN, Bolognesi G, Rocha NS. Desenvolvimento do WHOQOL, módulo espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais. Rev Saúde Pública. 2003; 37(4):446-55.

(19) Bahr HM, Harvey CD. Widowhood and perceptions of change in quality of life: evidence from the Sunshine Mine Widows. Journal of Comparative Family Studies. 1979; 10(3):411-28.

(20) Vakili Z, Mohamad AR, Vakili MA. A quantitative study of quality of life (QOL) on postgraduate students in Universiti Sains Malaysia. Caspian J Appl Sci Res. 2012; 1(7), 28-32.

(21) Bullappa A, Kengnal P. Assessment of quality of life of postgraduate students in a private medical college of Karnataka using World Health Organization quality of life-BREF questionnaire. Int J Med Sci Public Health. 2017; 6(5):834-7.

(22) Ghazanfar H, Iqbal S, Naseem S. Quality of life of post-graduate medical students working in private and public hospitals in Punjab as measured by WHOQOL-BREF questionnaire. J Pak Med Assoc. 2018; 68(6), 908-13.

(23) Mendes-Rodrigues C, Ranal MA, Carvalho DVP. Postgraduate Students: an alert about Quality of Life. World J Educ. 2019; (9)1:136-44.

(24) Galdino MJQ, Martins JT, Haddad MCFL, Ribeiro RP. Mestrado em enfermagem: sentimentos vivenciados por estudantes. Rev Enferm. 2016;10(2):501-7.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i1.900

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274