Construção de competências colaborativas para o trabalho em saúde nos estágios curriculares de Odontologia no SUS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.908

Palavras-chave:

Odontologia Comunitária. Educação em Odontologia. Serviços de Saúde. Educação Baseada em Competências.

Resumo

Com a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS), foram necessárias mudanças curriculares que preparassem os profissionais para atuar em equipe na rede de saúde. No início do século XXI passaram a ser implementadas as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) que trouxeram várias mudanças, dentre as quais destaca-se a inserção do estudante de graduação no SUS. O objetivo desse estudo é analisar as percepções dos egressos do curso de graduação em Odontologia diurno de uma universidade pública do Rio Grande do Sul, acerca da construção de competências colaborativas, durante a formação nos Estágios Curriculares Supervisionados (ECS) no SUS. Trata-se de um estudo de natureza descritiva com análise de dados qualitativos e quantitativos. Inicialmente, 133 egressos, que vivenciaram os ECS entre 2012/1 a 2016/1, responderam a um questionário online com questões abertas e fechadas. Com uma amostra intencional de 14 egressos, que responderam ao questionário, foram realizadas entrevistas semiestruturadas em profundidade. O material quantitativo foi submetido à análise descritiva e o material qualitativo à análise de conteúdo temática. Considerando que os dados quantitativos e qualitativos são complementares, eles foram submetidos a triangulação e os resultados são apresentados em duas unidades de análise: Caracterização, inserção e escolhas profissionais dos egressos e Construção de competências colaborativas. A maioria dos egressos participantes (67,7%) são do sexo feminino e estão atuando em Porto Alegre ou região metropolitana (78,6%), 29,1% deles estão vinculados a serviços públicos de saúde. A satisfação com os ECS é destacada pelos egressos, que os descrevem como indispensáveis para sua formação. Dentre as competências colaborativas construídas por meio dos estágios, o aprendizado de trabalhar em equipe interprofissional é destacado pela maioria dos egressos (85,3%), sendo lembrada como fundamental para a atenção integral do usuário. Conclui-se que o curso de Odontologia tem obtido sucesso na formação de profissionais voltados para atuação no SUS, tendo um percentual considerável de egressos vinculados aos serviços públicos de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloá Rossoni, UFRGS

Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia da UFRGS - Saúde Coletiva

Coordenadora do Estágio Curricular Supervisionado I da Odontologia UFRGS

 

José Ricardo Busatto, UFRGS

Graduado em Odontologia na Faculdade de Odontologia/UFRGS

Raíssa Carrion Trein, UFRGS

Graduada em Odontologia na Faculdade de Odontologia/UFRGS

Referências

(1) Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov .br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

(2) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/ bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

(3) Morita MC; Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004; 4(1):17-21.

(4) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n.3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov. br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf.

(5) Peduzzi M; Agreli HF. Trabalho em equipe e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Interface. 2018; 22(2):1525-34.

(6) Rossoni E. Residência na atenção básica à saúde em tempos líquidos. Physis. 2015; 25(3):1011-31.

(7) Organização Mundial da Saúde. Marco para ação em educação interprofissional e prática colaborativa. Genebra, 2010. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://new. paho.org/bra/images/stories/documentos/marco_para_acao.pdf.

(8) Reeves S. Porque precisamos da educação interprofissional para um cuidado efetivo e seguro. Interface. 2016; 20(56):185-96.

(9) Tsuji H; Aguilar-da-Silva RH. Aprender e ensinar na escola vestida de branco: do modelo biomédico ao humanístico. São Paulo: Phorte, 2010.

(10) Canadian Interprofessional Health Collaborative. A National Interprofessional Competence Framework. Consortium pancanadien pour l'interprofessionnalisme en santé. Vancouver, 2010, p. 8.

(11) Silva JAM, Peduzzi M, Orchard C, Leonello S. Educação interprofissional e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(2):16-24.

(12) Anderson E, Thorpe L, Heney D, Petersen S. Medical students benefit from learning about patient safety in an interprofessional team. Med Educ. 2009; 43(6):542-552.

(13) Matos MS, Tenório R. Percepção de alunos, professores e usuários acerca da dimensão ética na formação de graduandos de odontologia. Cienc Saúde Coletiva. 2010; 15(2):3255-64.

(14) Porto Alegre. Projeto Político-pedagógico. Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005, 43p. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/odonto/projeto_pedagogico_odontologia_curso_diurno.

(15) Warmling CM, Rossoni E, Hugo FN, Toassi RFC, Lemos VA, Slavutzki SMB, Bercht S, Nunes AA, Rosa AR. Estágios curriculares no SUS: experiências da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Rev ABENO. 2011; 11(2):63-70.

(16) Rossoni E, Stocker JR, Cardoso W, Sasso ELM. Percurso formativo de egressos de odontologia nos estágios curriculares no Sistema Único de Saúde. In: Anais da 52ª Reunião Anual da Associação Brasileira de Ensino Odontológico. Rev ABENO. 2017; 17(1):180.

(17) Bardin l. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

(18) Gray DE. Pesquisa no Mundo Real. 2a ed. Porto Alegre: Penso, 2012, 488p.

(19) Morita, MC, Haddad AE. Interfaces da área de educação e da saúde na perspectiva da formação e do trabalho das equipes de saúde da família. In: Moysés ST, Kriger L, Moysés SJ. (Orgs). Saúde bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas, 2008; p. 268-76.

(20) Rezende FP. Perfil, motivações e expectativas dos graduandos e graduados em odontologia. Rev Odontol UNICID. 2007; 19(2):165-72.

(21) Machado FC, Souto DMA, Freitas CHSM, Forte FDS. Odontologia como escolha: perfil de graduandos e perspectiva para o futuro profissional. Rev ABENO. 2010; 10(2):27-34.

(22) Moraes DA, Maluf F, Tauil PL, Portillo JAC. Precarização do

trabalho odontológico na saúde suplementar: uma análise bioética. Cienc Saúde Coletiva. 2019; 24(3):705-14.

(23) Conselho Federal de Odontologia. Número de CDs no SUS cresce 49%. Brasília, 2010. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://cfo.org.br/todas-as-noticias/noticias/ numero-de-cds-no-sus-cresce-49/.

(24) Junges R, Stello RS, Portella FF, Rösing CK, Samuel SMW. Impact of the implantation of a new curriculum in the process of learning in a Faculty of Dentistry in Brazil. Braz Oral Res]. 2011; 25(6):478-84.

(25) Machado CV; Baptista TWF; Nogueira CO. Políticas de saúde no Brasil nos anos 2000: a agenda federal de prioridades. Cad Saúde Pública. 2011; 27(3):521-32.

(26) Rossoni E. Integralidade, educação permanente e trabalho em equipe: multiplicando sentidos na formação em saúde. Bole Saúde. 2016; 25(1):35-49.

(27) Machado MH, Ximenes Neto FRG. Gestão da Educação e do Trabalho em Saúde no SUS: trinta anos de avanços e desafios. Cienc Saúde Coletiva. 2018; 23(5):1971-80.

(28) Tompsen NN, Meireles E, Peduzzi M, Toassi RFC. Educação interprofissional na graduação em Odontologia: experiências curriculares e disponibilidade de estudantes. Rev Odontol UNESP. 2018; 47(5): 309-20.

(29) Porto Alegre. Prefeitura Municipal. Saúde bucal amplia serviços de atendimento à população. Porto Alegre, 2015. [Acesso em: 01/01/2019]. Disponível em: http://www2. portoalegre.rs.gov.br/sms/default.php?p_noticia=178187&SAUDE+BUCAL+AMPLIA+SERVICOS+DE+ATENDIMENTO+A+POPULACAO.

(30) Scavuzzi AIF, Gouveia CVD, Carcereri DL, Veeck EB, Ranali J, Costa LJ, Morita MC, Araujo, ME. Revisão das Diretrizes da ABENO para a definição do estágio Supervisionado Curricular nos cursos de Odontologia. Rev ABENO. 2015; 15(3):109-13.

(31) Toassi RFC, Davoglio RS, Lemos VMA. Integração ensino-serviço-comunidade: o estágio na Atenção Básica da graduação em Odontologia. Educ Rev. 2012; 28(4):223-42.

(32) Demo P. Habilidades e competências no Século XXI. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012. 104 p.

(33) Lima AWS, Alves FAP, Linhares FMP, Costa MV, Marinus-Coriolano MWL, Lima LS. Percepção e manifestação de competências colaborativas em discentes da graduação em saúde. Rev Latino Am Enf. 2020; 28: e3240.

(34) Lilley KC, Stewart DE. The Australian preventive health agenda: what will this mean for workforce development? Australia & New Zealand Health Policy. Collingwood, 2009; 1(6):14.

(35) Battel-Kirk B, Barry MM, Taub A, Lysoby L. A review of the international literature on health promotion competencies: identifying frameworks and core competencies. Global Health Promotion, 2009; 16(2):12-20.

Publicado

30-03-2021

Como Citar

Rossoni, E., Busatto, J. R., & Trein, R. C. (2021). Construção de competências colaborativas para o trabalho em saúde nos estágios curriculares de Odontologia no SUS. Revista Da ABENO, 21(1), 908. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.908

Edição

Seção

Artigos