Conduta de graduandos em Odontologia em relação ao uso de pontas diamantadas nas práticas clínicas e seu estado de conservação

Luanna Abílio Diniz Melquiades de Medeiros, Maria do Desterro Andrêzza Souza Costa, Ana Karina Almeida Rolim, Ana Beatriz Máximo Figueirêdo, Gymenna Maria Tenório Guênes, Elizandra Silva Penha

Resumo


O objetivo do estudo foi conhecer a conduta dos graduandos de Odontologia em relação ao uso de pontas diamantadas e suas condições de conservação. Foram aplicados questionários aos 98 acadêmicos regularmente matriculados nas disciplinas clínicas do curso (7° ao 10° períodos), a fim de avaliar as características sobre uso, armazenamento, esterilização e condições das pontas diamantadas utilizadas na prática clínica. Pontas diamantadas foram recolhidas para análise em microscópio eletrônico de varredura (MEV), onde foram observados aspectos relativos ao seu estado de conservação. Foram realizados cálculos de frequência para análise estatística. Observou-se que 44,9% dos estudantes utilizavam empacotamento individual para proceder a esterilização; 27,6% usavam o instrumento por um período de 1 a 2 anos até o seu descarte e 87,8% usavam o mesmo instrumento de 1 a 2 vezes por semana; 66,3% afirmaram que não utilizavam nas clínicas os mesmos instrumentos empregados em atividades laboratoriais; 73,5% empregavam água, sabão e escova para lavagem e 45,9% utilizavam luva de procedimento, gorro, máscara e jaleco; 51% empregavam seringa de ar para secagem; 39,8% não faziam desinfecção; 100% utilizavam autoclave; 87,8% relataram boas condições de uso; 59,2% já trocaram seus instrumentos e 81,6% concordam em utilizar o próprio instrumento em sua cavidade bucal. Nas imagens do MEV pode-se observar perdas estruturais de diamantes, processo de oxidação do aglutinante e até perda severa de parte ativa dessas pontas diamantadas. Os graduandos apresentaram conduta adequada frente ao armazenamento, utilização e esterilização de suas pontas diamantadas. Entretanto, após análise em MEV as pontas não apresentavam bom estado de conservação.


Palavras-chave


Instrumentos Odontológicos. Ensino Odontológico. Esterilização. Microscopia Eletrônica de Varredura.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


(1) Ferreira SH, Suita RA, Rodrigues PH, Kramer PF. Percepção de estudantes de graduação em Odontologia frente ao atendimento de pessoas com deficiência. Rev ABENO. 2017; 17(1):87-96.

(2) Amaral AEV, Luca L, Rodrigues TC, Leite CA, Lopes FL, Silva MA. Serviços de psicologia em clínicas-escola: revisão de literatura. Bol Psicol. 2012; 62(136):37-52.

(3) Jesus JTA, Santos JA, Conceição MP, Silva TR, Gonçalves NO, Yarid SD. Primeiro contato do discente com a clínica: relato de experiência. Rev ABENO. 2016; 6(3):78-84.

(4) Holanda ICLC, França LC, Albuquerque SHC, Fernandes VG, Nuto SAS. Desenvolvimento de habilidades na formação de estudantes de Odontologia. Rev ABENO. 2019; 19(1):40-8.

(5) Vargas KF, Wuttke IC, Brew MCCCH, Busato ALS, Bavaresco CS, Moura FRR. Formação humanizada em Odontologia: um olhar diferenciado para a subjetividade. Rev ABENO. 2020; 20(1):33-43.

(6) Botelho AM, Tavano KTA, Azevedo DM, Gomes MC. Iatrogenias mais frequentes em dentística: por que não evitá-las? RGO. 2011; 59(1):19-24.

(7) Cunha LA, Ribeiro CF, Dutra-Corrêa M, Rocha PI, Miranda CB, Pagani C. Análise de fatores etiológicos relacionados à sensibilidade pós-operatória na odontologia estética adesiva. Rev Odonto Univ Cid São Paulo. 2007;19(1):68-76.

(8) Ciccone JC, Souza WCS, Torres CP, Chinelatti MA, Palma-Dibb RG. Avaliação da eficiência de desgaste de pontas diamantadas. RGO. 2004;52(3):211-4.

(9) Tolentino AB, Spini PHR, Gonzaga RCQ, Machado AC, Soares PV. Análise do desgaste de pontas diamantadas 1014 por meio de MEV. Clín Int J Braz Dent. 2014;10(1):58-66.

(10) Cavalcanti NA, Santos PRB, Oliveira JC, Ramos DL, Fontes CM. Conduta clínica profissional quanto ao uso e descarte de pontas diamantadas. Rev Bahiana Odontol. 2013;4(1):18-26.

(11) Silva SR, Gilliet K, Spada PP, Deliberador TM, Leonardi DP, Baratto-Filho F, et al. Implantação de um software para controle da central de esterilização do curso de Odontologia da Universidade Positivo. Rev ABENO. 2018;18(3):53-61.

(12) Zocratto KBF, Silveira AMV, Arantes DCB, Borges LV. Conduta dos estudantes na clínica odontológica integrada em relação às normas de controle de infecção e biossegurança. RFO-UPF. 2016;21(2):213-8.

(13) Paiva SN, Zaroni WCS, Leite MF, Bianchi PR, Pereira TC. R. Acidentes ocupacionais com material biológico em Odontologia: uma responsabilidade no ensino. Rev ABENO. 2017;17(3):76-88.

(14) Reis SCRM, Ramos IJM, Zocratto KBF, Branco KMGR. Influência do armazenamento do instrumental odontológico na manutenção da esterilidade. Arq Odontol. 2012;48(2):89-95.

(15) Oliveira AP, Uchoa-Junior FA, Freitas GC, Torres ÉM, Barata TJE. Pontas diamantadas: estudo das condutas clínicas adotadas por acadêmicos de odontologia. ROBRAC. 2015;24(68):15-9.

(16) Gonçalves IMC, Jucá TW, Figueiredo CHMDC, Penha ES, Fook MVL, Medeiros LADM. Avaliação por meio da microscopia eletrônica de varredura de alterações sofridas em pontas diamantadas–estudo piloto. Rev UNINGÁ. 2018;31(1): 19-23.

(17) Soares PBF, Mamede OS, Lemes EV, Castro CG, Fernandes Neto AJ, Soares CJ. Análise da qualidade de instrumentos rotatórios utilizados por acadêmicos de odontologia. Rev Odontol UNESP. 2006;35(3):149-56.

(18) Tolentino AB, Gonzaga RCQ, Spini PHR, Sousa SC, Soares PV. Análise da capacidade de desgaste de pontas diamantadas esféricas. Rev Dental Press Estét. 2015;12(4):68-75.

(19) Brasil MS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

(20) Araújo JF, Valois ÉM, Lago ADN, Silva BMAH, Costa JF, Firoozmand LM. Remoção parcial do tecido cariado em dentes permanentes: uma revisão integrativa da literatura. Rev Bras Odontol. 2017;74(1):31-5.

(21) Pimentel MJ, Filho MMVB, Santos JP, Rosa MRD. Biossegurança: comportamento dos alunos de Odontologia em relação ao controle de infecção cruzada. Cad Saúde Colet. 2012;20(4):525-32.

(22) Ribeiro PHV, Hayashida M, Moriya TM. Acidentes com material biológico entre estudantes de graduação em odontologia. Rev Odonto Univ Cid São Paulo. 2007;19(3):263-8.

(23) Nascimento ACD, Junior C, Silva CRG, Leão MVP, Santos SSFD. Estabilidade do ácido peracético no processo de desinfecção prévia à lavagem. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2015;69(4):367-82.

(24) Reiss-Araújo CJ, Araujo SS, Albuquerque DS, Rios MA, Portella ML. Limpeza em limas endodônticas pós-uso e pré-esterilização. RGO. 2008;56(1): 17-20.

(25) Barreto ACB, Vasconcelos CPP, Girão CMS, Rocha MMNP, Mota OML, Pereira SLS. Contaminação do ambiente odontológico por aerossóis durante atendimento clínico com uso de ultrassom. Braz J Periodontol. 2011;21(2):79-84.

(26) Nascimento LS, Assunção LRS, Júnior NGS, Pedreira EM, Silva RLC. Acidentes com pérfuro-cortantes na Faculdade de Odontologia da UFPA: visualização de um cenário. ROBRAC. 2012;21(57):463-467.

(27) Medeiros LADM, Penha ES, Guênes GMT, Fook MVL, Brasil AWL, Régis MA, Jucá TW. Avaliação de pontas diamantadas sob influência da esterilização em autoclave. Arch Health Invest. 2017;6(11):519-23.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i2.929

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274