Percepção dos concluintes sobre a qualidade do curso noturno de Odontologia em instituição pública do nordeste brasileiro

Autores

  • Maria da Conceição do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco
  • Patricia Maria de Ribeiro Vieira Universidade Federal de Pernambuco
  • Fabiana Menezes Teixeira de Carvalho Universidade Federal de Pernambuco
  • Manoela Almeida Santos da Figueira Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira, Recife-PE.
  • Gustavo Pina Godoy Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1044

Palavras-chave:

Educação em Odontologia, Educação Superior., Avaliação Educacional.

Resumo

O presente estudo objetivou avaliar a percepção de concluintes sobre a qualidade do curso noturno de uma instituição de ensino superior (IES), sediada em uma capital do Nordeste do Brasil, por meio das respostas ao questionário do estudante do Enade 2016. Tratou-se de uma pesquisa documental, cujos dados foram obtidos da planilha de microdados do Enade 2016, empregando o código da IES obtido no sistema eletrônico do Ministério da Educação (eMEC). As variáveis sociodemográficas foram utilizadas para caracterizar o perfil dos concluintes. As respostas foram agrupadas em positiva, neutra ou negativa para três seções do questionário: organização didático-pedagógica, infraestrutura/instalações físicas do curso e ampliação da formação acadêmica-profissional. Os testes Qui-quadrado e Exato de Fisher, aplicados com 95% de confiança, foram utilizados para comparar as respostas dos cursos integral e noturno. O perfil sociodemográfico incluiu um grupo majoritariamente do sexo masculino, idade média de 28,9 anos, solteiros e brancos. Na avaliação da qualidade quanto à organização didático-pedagógica e infraestrutura/instalações físicas do curso, a percepção dos estudantes foi positiva para a maioria dos subcomponentes do questionário. A percepção dos egressos desse curso apresentou resultados positivos, caracterizando indicador de qualidade. Houve diferença estatisticamente significativa nas respostas dos estudantes do curso integral e noturno referentes às oportunidades de extensão, intercâmbios e/ou estágio internacional. O estudo indicou que este curso noturno não apresenta a mesma percepção de referencial de qualidade, pelos estudantes, quanto às atividades extracurriculares para formação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Conceição do Nascimento, Universidade Federal de Pernambuco

Graduada no Curso de Odontologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PE.

Patricia Maria de Ribeiro Vieira, Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PE.

Fabiana Menezes Teixeira de Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PE

Manoela Almeida Santos da Figueira, Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira, Recife-PE.

Preceptora/pesquisadora, Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira, Recife – PE

Gustavo Pina Godoy, Universidade Federal de Pernambuco

Professor Doutor Do Programa de Pós-graduação em Odontologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife-PE.

Referências

(1) Maranhão JD, Veras RM. O ensino noturno na Universidade Federal da Bahia: percepções dos estudantes. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2017; 25(96):553-84.

(2) Lamers JMS, Souza MG, Toassi, RFC. Democratização do acesso à educação superior pública a partir do REUNI: o curso noturno de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Criar Educação. 2015; 4(1):1-21.

(3) Brasil. Ministério da Educação. REUNI – Reestruturação e Expansão das Universidades Federais. Diretrizes Gerais. Plano de Desenvolvimento da Educação. Documento elaborado pelo Grupo Assessor nomeado pela Portaria nº 552 Sesu/MEC, de 25 de junho de 2007, em complemento ao art. 1º § 2º do Decreto Presidencial nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Agosto 2007. [Acesso em 12 jun. 2018]. Disponível em: http://www.ufcg. edu.br/prt_ufcg/reuni/diretrizes_gerais.pdf.

(4) Lamers JMS, Santos BS, Toassi RFC. Retenção e evasão no Ensino Superior público: estudo de caso em um curso noturno de Odontologia. Educ Rev. 2017; 33:e154730.

(5) BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (INEP). Sinaes. MEC/Inep. [Acesso em 12 jun. 2018]. Disponível em: http://inep.gov.br/sinaes.

(6) Gontijo FBS. Análise dos relatórios Enade em um curso de Pedagogia: Impressões sobre a prova e questionários socioeconômicos nos anos 2005, 2008 e 2011. [Acesso em 12 jun. 2018]. Disponível em: https://www. aforges.org/wp-content/uploads/2016/11/37-Simone-Gontijo_Ana_lise-dos-relato_rios-Enade.pdf.

(7) Souza JM. Trajetória do estudante no curso noturno de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: perfil do ingressante, situação acadêmica e motivos de retenção e evasão [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2014.

(8) Loffredo LCM, Pinelli C, Garcia PPNS, Scaf G, Camparis CM. Característica Socioeconômica, Cultural e Familiar de Estudantes de Odontologia. Rev Odontol UNESP. 2004; 33(4):175-82.

(9) Marcelino J, Pinto R. O acesso à educação superior no Brasil. Rev Educ Soc. 2004; 25 (88):727-56.

(10) Amorim D. Economia. Exame. 27 de fev. 2019. [Acesso em 12 jun. 2018]. Disponível em: https://exame.abril.com.br/economia/ ibge-renda-domiciliar-per-capita-no-brasil-foi-de-r-1-373-em-2018/.

(11) Junqueira JC, Colombo CED, Tavares, PG, Rocha RFD, Carvalho YR, Rodrigues JR. Quem é e o que pensa o graduando de odontologia. Rev Odontol UNESP. 2013; 31(2):269-84.

(12) Oliveira ASR, Silva IR. Políticas de inclusão social no ensino superior brasileiro: um estudo sobre o perfil socioeconômico de estudantes nos anos 2010 a 2012. Educ Rev. 2017; 33 (6): 2-28.

(13) Ristoff D. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação. 2014; 19(3):723-47.

(14) Filho AT, Quaglio P. Cenário urbano para o estudante do ensino superior noturno na cidade de São Paulo: triste realidade ou palco de heróis? Millenium. 2005; 31(10):74-87.

(15) Souza SA, Reinert JN. Avaliação de um curso de ensino superior através da satisfação/ insatisfação discente. Avaliação. 2010; 15(1): 159-76.

(16) Boff BC, Booth IAS, Martins JA, Villas-boas V. Núcleos de Apoio ao Ensino de Engenharia: Superando dificuldades para prevenir Evasão. In Anais: XLII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. Juiz de Fora: UFJF.2014; 4: 1-11.

(17) Filho AT. Ensino superior noturno no Brasil: as dificuldades do entorno educacional e a importância do relacionamento social no ambiente educacional. Rev Educ UFSM. 2004; 29(1):21-36.

(18) Bandeira AW, Cristiany GA. Avaliação da qualidade educacional da Faculdade de Educação (FACED) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2009; 17(62):153-68.

Publicado

02-08-2021

Como Citar

Nascimento, M. da C. do, Vieira, P. M. de R., Carvalho, F. M. T. de, Figueira, M. A. S. da, & Godoy, G. P. (2021). Percepção dos concluintes sobre a qualidade do curso noturno de Odontologia em instituição pública do nordeste brasileiro . Revista Da ABENO, 21(1), 1044. https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1044

Edição

Seção

Artigos