Representação social sobre o aprendizado de estudantes de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão inseridos em Estágio Curricular na Atenção Primária à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1050

Palavras-chave:

Educação em Saúde. Currículo. Associação Livre.

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar a representação social sobre o aprendizado de estudantes do curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão, ao final de um estágio curricular no contexto da Atenção Primária à Saúde, e comparar os resultados com as Diretrizes Curriculares Nacionais vigentes. Foi realizado um estudo de natureza qualitativa, por meio de um questionário, instrumento utilizado para avaliar o estágio, do qual somente a primeira questão era de interesse para este estudo. Nessa questão era solicitado ao aluno que evocasse, em ordem crescente de importância, cinco palavras que demonstrassem seu aprendizado ao fim do estágio. O questionário foi preenchido pelos egressos do 5º período entre 2016 e 2019, totalizando 100 avaliações. Foi considerada uma abordagem estrutural e Análise Prototípica, na qual se considera a frequência e a ordem das palavras, compondo um núcleo central e periferias. O software utilizado, o OpenEVOC®, identificou 500 termos evocados e 10 que formaram a representação social. O núcleo central foi composto pelos termos: planejamento, conhecimento e gestão; a primeira periferia: organização; na zona de contraste: territorialização e humanização; e segunda periferia: comprometimento, realidade, paciência e metas. As evocações sugerem que o estágio foi composto por atividades que dotassem os profissionais de competências e habilidades necessárias do novo perfil de profissional. A representação social dos estudantes do curso de Odontologia, inseridos em um estágio ambientado na Atenção Primária à Saúde, é marcada por termos característicos da implementação de conhecimentos do sistema público de saúde brasileiro e reflete conteúdos conexos com as diretrizes curriculares do curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) Mcleod PJ, Steinert Y. Twelve tips for curriculum renewal. Med Teach. 2014; 37(3):232-8.

(2) Fadel CB, Baldani MH. Percepções de formandos do curso de

odontologia sobre as diretrizes curriculares nacionais. Trab Educ e Saúde. 2013;11(2):339-54.

(3) Silveira JLGC da, Garcia VL. Mudança curricular em odontologia: significados a partir dos sujeitos da aprendizagem. Interface Comunic Saúde Educ. 2015;19(52):145-58.

(4) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES, de 19 de fevereiro e 2002 [Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia]. Diário Oficial da União. 2002, 04 de mar; Seção 1:10.

(5) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES 803/2018. [Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia]. Diário Oficial da União. 2019, 04 de abr; Seção 1:20.

(6) Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9394, 20 de dezembro de 1996. In: Diário Oficial da União 1996.

(7) Sponchiado Júnior EC, Conde NC de O, Martins IEB, Carneiro FC, Vieira JMR, Rebelo MAB. Os caminhos da reformulação do Projeto Pedagógico da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Amazonas. Rev ABENO. 2019;19(2):13-21.

(8) Toassi RFC, Stobäus CD, Mosquera JJM, Moysés SJ. Curriculo integrado no Ensino de Odontologia: novos sentidos para a formação na área da saúde. Interface Comunic Saúde Educ. 2012;16(41):529–

(9) Universidade Federal do Maranhão. Projeto pedagógico do curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão. Vol. 1. 2011. 108 p.

(10) Lemos CLS, Fonseca SG de. Knowledge and curricular practices: an analysis on a university-level healthcare course. Interface Comunic Saúde Educ. 2009;13(28):57-69.

(11) Tenório F, Barbosa L, Teixeira SR, Nunes MDF. Implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais nos cursos de Odontologia: opinião de formandos de uma universidade pública. Rev da ABENO. 2016;16(4):61-71.

(12) Moscovici S. Notes towards a description of Social Representations. Eur J Soc Psychol. 1988;18(3):211-50.

(13) Pereira C. Análise de dados qualitativos aplicados às

representações sociais: um modelo para estudar as representações sociais. Psicologia. 2001;15(1):177-204.

(14) Gomes AMT, Oliveira DC de, Sá CP de. As representações sociais do sistema único de saúde no município do Rio de Janeiro, Brasil, segundo a abordagem estrutural. Rev Lat Am Enfermagem. 2008;16(1):122-9.

(15) Moura LM de, Shimizu HE. Representações sociais de conselheiros de saúde acerca do direito à saúde e da cidadania. Rev Gaúcha Enferm. 2017;37(esp):1-9.

(16) Ferreira MCG, Tura LFR, Silva RC da, Ferreira M de A. Representações sociais de idosos sobre qualidade de vida. Rev Bras Enferm. 2017;70(4):806-13.

(17) Moura SG de, Filha M de OF, Moreira MASP, Simpson CA, Tura LFR, Silva AO. Representações sociais sobre terapia comunitária integrativa construídas por idosos. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(2):1-6.

(18) Wachelke J, Wolter R. Critérios de construção e relato da Análise Prototípica para Representações Sociais. Psicol Teor e Pesqui. 2011;27(4):521-6.

(19) Minayo MC de S. Análise qualitativa: Teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(3):621-6.

(20) Mororó LP, Couto MES, Assis RAM de, Bertoni LM, Galinkin AL. Teoria e métodos em Representações Sociais. In: EDITUS, editor. Notas teórico-metodológicas de pesquisas em educação: concepções e trajetórias. Ilhéus, BA; 2017. p. 101-22.

(21) Pinho JRO, Tonello AS, Thomaz EBAF, Queiroz RC de S, Aguiar BD de, Mendes RJS. Programa Saúde na Escola como campo de práticas para a formação do dentista. In: SUS e Saúde Bucal no Brasil: por um futuro com motivos para sorrir. 1a. São Paulo; 2019. p. 96-101.

(22) Teixeira CF. Planejamento em Saúde: conceitos, métodos e experiências. EDUFBA, editor. Salvador; 2010. 161 p.

(23) Ferreira VN, Pereira IDF. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. J Manag Prim Health Care. 2014;5(2):258-61.

(24) Bruder MV, Lolli LF, Palácios AR, Rocha NB, Veltrini VC, Gasparetto A, et al. Estágio supervisionado na odontologia: vivência da promoção da saúde e integração multiprofissional. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(2):294-300.

(25) Toassi RFC, Ely LI. Integração entre currículos na educação de profissionais da saúde: a potência para educação interprofissional na graduação. Interface Comunic Saúde Educ. 2018;22(supl. 2):1563–1575.

(26) Brasil. A Saúde Bucal no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2018. 354 p.

(27) Alves DF de C, Silva SPC e. Gestão e Humanização do Serviço de Odontologia na Unidade de Saúde. Id Line Multidiscip Psycology J. 2017;11(36):1-12.

(28) Tompsen NN, Meireles E, Peduzzi M, Toassi RFC. Educação interprofissional na graduação em Odontologia: experiências curriculares e disponibilidade de estudantes. Rev Odontol da UNESP. 2018;47(5):309-20.

(29) Toassi RFC, Souza JM de, Baumgarten A, Rösing CK. Avaliação curricular na educação superior em odontologia: discutindo as mudanças curriculares na formação em saúde no Brasil. Rev ABENO. 2018;12(2):170-7.

(30) Shimizu HE, Silva JR e, Moura LM de, Bermúdez XPD, Odeh MM. A estrutura das representações sociais sobre saúde e doença entre membros de movimentos sociais. Ciênc Saude Colet. 2015;20(9):2899-910.

(31) Pereira C. Análise de dados qualitativos aplicados às representações sociais. Psicologia. 2014;15(1):177-204.

(32) Azevedo KR, Cerqueira TCS. Jovens com deficiência intelectual nas representações sociais de professores de ensino médio. Psicol Saber Soc. 2015;4(1):34-51.

(33) Justo LG, Severo AK de S, Félix-Silva AV, Soares LS, e Silva-Júnior FL, Pedrosa JI dos S. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Interface Comunic Saúde Educ. 2017;21(c):1345-54.

(34) Araújo GB, Filho FWPA, Santos R da S, Lira RCM. Territorialização em saúde como instrumento de formação para estudantes de Medicina: relato de experiência. SANARE - Rev Políticas Públicas. 2017;16(1):124-9.

(35) Carneiro Neto JN, Cordeiro TMSC, Falcão MML. Humanização em saúde e a odontologia. Brazilian J Heal Res. 2015;16(2):130-8.

(36) Brasil. Portaria no 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília; 2017 p. 35.

(37) Mattos GCM, Ferreira EF, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na Estratégia Saúde da família: entraves, avanços e desafios. Ciênc Saude Colet. 2014;19(2):373-82.

(38) Finkler M. Formação Ética na Graduação em Odontologia: realidade e desafios. Universidade Federal de Santa Catarina; 2009.

(39) Finkler M, Caetano JC, Ramos FRS. Integração “ensino-serviço” na formação profissional em Odontologia. Interface Comunic Saúde Educ. 2011;15(39):1053-67.

(40) Brasil. Lei no 11.788, de 25 de setembro de 2008. Diário Oficial da União 1996. 2008. 5 p.

(41) Colares KTP, Oliveira W De. Metodologias Ativas na formação profissional em saúde: uma revisão. Rev Sustinere. 2018;6(2):300-20.

(42) Macedo KD, Acosta BS, Silva EB da, Souza NS de, Beck CLC, Silva KKD da. Metodologias ativas de aprendizagem: caminhos possíveis para inovação no ensino em saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2018;22(3):1-9.

Publicado

23-03-2021

Como Citar

Sousa, F. S. de, Tonello, A. S., & Pinho, J. R. O. (2021). Representação social sobre o aprendizado de estudantes de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão inseridos em Estágio Curricular na Atenção Primária à Saúde. Revista Da ABENO, 21(1), 1050. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1050

Edição

Seção

Artigos