Levantamento epidemiológico em saúde bucal como recurso didático-pedagógico na formação clínico-epidemiológica do cirurgião-dentista

Autores

  • Manoelito Ferreira Silva Junior Professor Colaborador do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa.
  • Veridiane Gemelli Christ
  • Gabriela Fernanda Schiochet Acadêmica de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil.
  • Vitória Monteiro Doutoranda em Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil.
  • Cristina Berger Fadel Professora Associada do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa-PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1133

Palavras-chave:

Inquéritos Epidemiológicos. Serviços de Integração Docente-Assistencial. Materiais de Ensino. Capacitação Profissional. Odontologia.

Resumo

O objetivo do estudo foi relatar o uso do levantamento epidemiológico em saúde bucal como recurso didático-pedagógico na formação clínico-epidemiológica do cirurgião-dentista. Dentro dos objetivos do estágio supervisionado extramuros do Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa, os acadêmicos têm desenvolvido conjuntamente com as Equipes de Saúde Bucal levantamentos epidemiológicos de doenças e/ou necessidades bucais, principalmente para cárie dental, câncer bucal e prótese dentária, segundo o ciclo de vida, em diversos espaços sociais, como os centros de educação infantil, escolas, grupos educativos das Unidades de Saúde, dentre outros. A realização de levantamentos epidemiológicos além de oportunizar os acadêmicos como membros executores e na associação do conteúdo teórico do eixo de Saúde Coletiva na vivência da Atenção Primária à Saúde, como forma de planejamento estratégico situacional a partir dos dados coletados, no monitoramento dos agravos bucais ao longo dos anos em grupos específicos, e na realização de devolutivas para os serviços e para a comunidade, por meio de relatórios, atividades educativas e encaminhamentos e organização da demanda, pode atingir outros objetivos. O foco do relato foi destacar o uso dos levantamentos para aprender sobre o diagnóstico clínico individual e comunitário, e possibilitar aspectos do eixo clínico do curso, como diferenciação das características anatômicas de dentes decíduos e permanentes, diagnóstico diferencial sobre lesões dentárias de mancha branca, alterações e/ou lesões dentárias ou de tecidos moles menos frequentes, dentre outros. Diante sua grande aplicabilidade para além do ensino em Saúde Coletiva, o levantamento epidemiológico em saúde bucal tem sido um recurso didático-pedagógico promissor na formação clínico-epidemiológica do cirurgião-dentista, e sua realização deve ser incentivada nos cursos de Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Veridiane Gemelli Christ

Acadêmica de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

Referências

(1) Roncalli AG, Silva NN, Nascimento AC, Freitas CHSM, Casotti E, Peres KG, et al. Aspectos metodológicos do Projeto SBBrasil 2010 de interesse para inquéritos nacionais de saúde. Cad Saúde Pública. 2012; 28Suppl. s40-s57.

(2) Kassebaum NJ, Smith AGC, Bernabé E, Fleming TD, Reynolds AE, Vos T, et al. GBD 2015 Oral Health Collaborators. Global, regional, and national prevalence, incidence, and disability-adjusted life years for oral conditions for 195 countries, 1990-2015: a systematic analysis for the global burden of diseases, Injuries, and Risk Factors. J Dent Res. 2017; 96(4):380-7.

(3) Roncalli AG, Côrtes MIS, Peres KG. Perfis epidemiológicos de saúde bucal no Brasil e os modelos de vigilância. Cad Saúde Pública. 2012; 28 Sup: s58-s68.

(4) Soares FF, Freire MCM, Reis SCGB. The 2010 Brazilian Oral Health Survey (SBBrasil 2010 Project): what do the coordinators propose for future surveys? Interface (Botucatu). 2018; 22(64):981-9.

(5) Antunes, JL; Peres MA. Epidemiologia da Saúde Bucal. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013; 738 p.

(6) Cerri A, Guarim JÁ, Genovese WJ. Planejamento e diagnóstico em Odontologia com os princípios bioéticos. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2015; 69(3): 216-25.

(7) Pereira, Antonio Carlos. Tratado de Saúde Coletiva em Odontologia. 1 ed. Rio de Janeiro: Napoleão, 2009.

(8) Pimentel FC, Martelli PJL, Araújo-Junior JLAC, Acioli RML, Macedo CLSV. Análise da atenção à saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família do Distrito Sanitário VI, Recife (PE). Ciênc Saúde Colet. 2010; 15(4): 2189-96.

(9) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2020. [internet]. [Acesso em: 30 nov 2017]. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/index.php/legislacoes/gabinete -do- -ministro/16247-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017.

(10) Faé JM, Silva-Junior MF, Carvalho RB, Esposti CDD, Pacheco KTS. A integração ensino-serviço em Odontologia no Brasil. Rev ABENO. 2016; 16 (3): 7-18.

(11) Lima DC, Pereira AP, Drumond ES. Percepção dos acadêmicos de odontologia da UNIFAL/MG quanto a Formação em Saúde da Família. Rev Odontol Bras Central. 2013; 21(60): 50-5.

(12) Fonsêca GS, Junqueira SR, de Araújo ME, Botazzo C. Modelo lógico-ideal para o estágio curricular supervisionado: a educação pelo trabalho na formação odontológica. Rev ABENO. 2015; 15(2):2-11.

(13) Silva-Junior MF, Pacheco KTS, Carvalho RB. Multiplicidade de atuações do acadêmico de Odontologia no estágio curricular: relato de experiência. Arq Odontol. 2015; 51(4): 194-204.

(14) Luz MC, Baldani MH, Silva-Junior MF. Integração ensino-serviço-comunidade no curso de odontologia: experiências exitosas entre o município e a universidade. Arch Health Invest. 2018; 7: 84.

(15) Oral Health Survey. Basic methods. 5th ed. Geneva, World Health Organization, 2013.

(16) Brisolara KF, Gasparini S, Davis AH, Sanne S, Andrieu SC, James J, et al. Supporting health system transformation through an interprofessional education experience focused on population Health. J Interprof Care. 2018; 33; 1-4

(17) Souza GC, Lopes MLDS, Roncalli AG, Medeiros-Junior A, Clara-Costa I. Referência e contra referência em saúde bucal: regulação do acesso aos centros de especialidades odontológicas. Rev Salud Pública. 2015; 1(3): 416-28.

(18) Brasil, Ministério da Saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica - n.º 17. 1ª ed. Brasília: DF; 2008. [Acesso em: 12 set 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publica coes/saude_bucal.pdf.

(19) Benito GAV, Tristão KM, Paula ACSF, Santos MA, Ataide LJ, Lima RCD. Desenvolvimento de competências gerais durante o estágio supervisionado. Rev Bras Enferm. 2012; 65(1):172-8.

(20) Noro RLA, Farias-Santos BCS, Souza PHS, Pinheiro IAG, Borges REA, Nunes LMF, et al. O professor (ainda) no centro do processo ensino-aprendizagem em Odontologia. Rev ABENO. 2015; 15(1): 2-11.

(21) Moraes SNS, Arsenian MB, Tuccil, R. Avaliação clínica e utilização do índice CPO-D/“ceo-d” em crianças da Escola Municipal José Carlos Porto-Paraty/RJ. J Health Sci Inst. 2014; 32(3): 235-40.

(22) Freitas CM, Freitas CASL, Parente JRF, Vasconcelos MISO, Lima GK, Mesquita KO, et al. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trab Educ Saúde. 2015; 13 (Suppl. 2): 117-30.

(23) Martins RJ; Garbin CAS; Garbin AJI; Moimaz SAS; Saliba O. Declínio da cárie em um município da região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil, no período de 1998 a 2004. Cad Saúde Pública. 2006.; 22(5):1035-41.

(24) Jälevik B, Szigyarto-Matei A, Robertson A. Difficulties in identifying developmental defects of the enamel: a BITA study. Eur Arch Paediatr Dent. 2019; 20(5); 481‐8.

(25) Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia oral e maxilofacial. 4ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 912p.

(26) Amorim CS; Camargo WR. Prevalência das lesões bucais em ações comunitárias odontológicas. BJSCR. 2014; 8(2):19-23.

(27) Oliveira AGRC, Unfer B, Costa ICC, Arcieri RM, Guimarães LOC, Saliba NM. Levantamentos epidemiológicos em saúde bucal: análise da metodologia proposta pela Organização Mundial da Saúde. Rev Bras Epidemiol. 1998; 1(2): 177-89.

(28) Kleba ME; Krauser IM; Vendruscolo C. O planejamento estratégico situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(1): 184-93.

(29) Santos KT, Ferreira L, Batista RJ, Bitencourt CTF, Araújo RP, Carvalho RB. Percepção discente sobre a influência de estágio extramuro na formação acadêmica odontológica. Rev Odontol. 2013; 42(6): 420-5.

(30) Gomes VG. O ensino da gestão no Estágio Curricular Supervisionado II da Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do sul. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019. Trabalho de Conclusão de Curso em Odontologia. [Acesso em: 20 maio 2020. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/206087/001112457.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Publicado

19-04-2021

Como Citar

Silva Junior, M. F., Christ, V. G., Schiochet, G. F., Monteiro, V., & Fadel, C. B. (2021). Levantamento epidemiológico em saúde bucal como recurso didático-pedagógico na formação clínico-epidemiológica do cirurgião-dentista. Revista Da ABENO, 21(1), 1133. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1133

Edição

Seção

Artigos