Perfil dos endodontistas de uma metrópole brasileira quanto ao atendimento odontológico a pacientes com necessidades especiais

Gabriela Mancia Gutierrez, Ana Lurdes Conte Acunha Gonçalves, Carlos Felipe Bonacina, Michele Baffi Diniz, Maria Teresa Botti Rodrigues Santos, Ângela Toshie Araki Yamamoto, Adriana de Oliveira Lira

Resumo


O objetivo do estudo foi caracterizar o perfil dos endodontistas do estado de São Paulo, Brasil em relação ao tratamento odontológico de pacientes com necessidades especiais (PNE). Um questionário online sobre capacitação do profissional e dados sobre o atendimento odontológico de PNE foi enviado para 3.500 endodontistas registrados no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo. Dentre os 138 profissionais que retornaram, 57,2% eram do sexo feminino; 34,8% estavam na faixa etária entre 31 e 40 anos; 42,8% tinham entre 11 e 20 anos de formados; e 38,4% possuíam 11 a 20 anos de especialidade. Apenas 22,5% eram capacitados para o atendimento de PNE, sendo que desses, 58,1% tiveram apenas aula teórica. Dos que não receberam capacitação na pós-graduação, 80,4% gostariam de ter recebido. Com relação ao interesse em cursos de atendimento a PNE após a especialização, observou-se que apenas 15,9% realizaram algum tipo de curso, a maioria apenas teórico. Em relação às dificuldades durante o atendimento de PNE a "falta de colaboração do paciente durante o atendimento" foi citada por 74,6%, a "insegurança devido à falta de preparo profissional" por 55,0%. A análise da associação das variáveis pelo teste Qui-quadrado apontou que quanto maior o tempo de formação, menor essa dificuldade (p=0,0415). Os especialistas encontram mais dificuldades comparados aos que tem formação associada (mestrado e doutorado) (p=0,0369). Não houve associação significativa entre as dificuldades e o tipo de instituição de formação (pública ou privada) (p>0,05). O panorama atual da formação do endodontista não contempla o atendimento as pessoas com necessidades especiais.


Palavras-chave


Educação de Pós-Graduação em Odontologia. Assistência Odontológica para Pessoas com Deficiências. Acesso aos Serviços de Saúde. Endodontia

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


(1) World Health Organization. World report on disability. 2012. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://www.pessoacom deficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/RELATORIO_MUNDIAL_COMPLETO.pdf.

(2) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pessoas com deficiência no estado de São Paulo censo demográfico - 2010. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://www.pessoacomdefi ciencia.sp.gov.br/Content/uploads/20131213114958_2013analise_censo_EstSP.pdf.

(3) Ministério da Saúde. Saúde Bucal. Caderno de Atenção Básica, n° 17. 2008. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_bucal.pdf.

(4) Conselho Federal de Odontologia. Resolução CFO-25/2002, 16 de maio de 2002. Estabelece as áreas de competência para atuação dos especialistas em Disfunção Têmporo-Mandibular e Dor Orofacial; Odontogeriatria; Odontologia do Trabalho; Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais e em Ortopedia Funcional dos Maxilares e dá outras providências. Diário Oficial da União 2002; maio 28.

(5) Krause M, Vainio L, Zwetchkenbaum S, Inglehart MR. Dental Education About Patients with Special Needs: A Survey of U.S. and Canadian Dental Schools. J Dent Educ. 2010;74(11):1179-89.

(6) Ahmad MS, Razak IA, Borromeo GL. Special Needs Dentistry: perception, attitudes and educational experience of Malaysian dental students. Eur J Dental Educ. 2015;19:44-52.

(7) Dougall A, Pani SC, Thompson S, Faulks D, Romer M, Nunn J. Developing an undergraduate curriculum in Special Care Dentistry – by consensus. Eur J Dent Educ. 2017;7:46-56.

(8) Bonato LL, Lopes AMS, Silva CM, Itner RG, Silva ACH. Situação atual da formação para assistência de pessoas com necessidades especiais nas faculdades de odontologia no Brasil. ClipeOdonto. 2013;5(1):10-5.

(9) Thikkurissy S, Lal S. Oral Health Burden in Children with Systemic Diseases. Dent Clin North Am. 2009;53(2):351-7.

(10) Sinha N, Singh B, Chhabra KG, Patil S. Comparison of oral health status between children with cerebral palsy and normal children in India: A case–control study. J Indian Soc Periodontol. 2015;19(1):78-82.

(11) Al-Batayneh OB, Owais AI, Al-Saydali MO, Waldman HB. Traumatic dental injuries in children with special health care needs. Dental Traumatol. 2017;33(4):269–75.

(12) Conselho Federal de Odontologia. Quantidade geral de profissionais e entidades ativas. 2019. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://cfo.org.br/website /estatisticas/quantidade-geral-de-entidades-e-profissionais-ativos/.

(13) Conselho Regional de Odontologia de São Paulo. Especialidades. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://www.crosp.org.br/intranet/estatisticas/estEspecialistas.php.

(14) Yap E, Parashos P, Borromeo GL. Root canal treatment and special needs patients. Int Endod J. 2014;48(4):351–61.

(15) Leal Rocha LL, Saintrain MVL, Vieira-Meyer APGF. Access to dental public services by disabled Persons. BMC Oral Health. 2015;15:35.

(16) Williams JJ, Spangler CC, Yusaf NK. Barriers to dental care access for patients with special needs in an affluent metropolitan community. Spec Care Dentist. 2015;35(4):190-96.

(17) Ministério de Educação e Cultura (MEC). Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior Cadastro e-MEC. 2019. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/.

(18) Folha de São Paulo. RUF ranking universitário folha. 2018. [Acesso em: 02/06/2019]. Disponível em: https://ruf.folha.uol.com.br/2018/ranking-de-cursos/odontologia/.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274