Bioética do cuidado na clínica de ensino: aprendendo com pacientes

Autores

  • Luisa Lapenta Cunha ufrgs
  • Fabiana Schneider Pires Professora Adjunta do Departamento de Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia/ UFRGS
  • Mirelle Finkler ufsc
  • Cristine Maria Warmling ufrgs

DOI:

https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1229

Palavras-chave:

Bioética. Análise Ética. Acolhimento. Educação em Odontologia.

Resumo

O estudo buscou compreender práticas de acolhimento de pacientes em uma clínica de ensino odontológico. Trata-se de um estudo de caso único e holístico, com abordagem qualitativa. Foram realizadas entrevistas abertas com 20 pacientes, guiadas por um roteiro com temas problematizadores que procuram ligar princípios bioéticos a dispositivos subjetivos do cuidado: conceito ampliado de saúde e doença, intersubjetividade, corresponsabilidade e qualidade de vida. As práticas discursivas analisadas mostraram que o vínculo entre estudantes e pacientes da clínica de ensino se estabelece em uma construção mediada pelo longo tempo da formação. A corresponsabilidade está relacionada às construções intersubjetivas no cuidado e tem como atores do processo os estudantes e os pacientes. Ao afirmarem sentirem-se livres para opinar sobre seus tratamento também expressam uma postura de reduzida autonomia, pois consideram que não seja necessário fazê-lo. Como reflexo da fragmentação do cuidado nas clínicas de ensino, muitos silenciamentos emergem destas relações de poder e cuidado. Acredita-se que é clara a importância de práticas que se desvinculem de funções estritamente técnicas e invistam nos processos de fala e escuta, incansavelmente buscando empatia e vínculo como as tecnologias de saúde mais potentes para o tratamento, pois reafirmam a autonomia das pessoas na construção de seus itinerários de cuidado e a dignidade humana como valor central da prática de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirelle Finkler, ufsc

Professora Associada do Departamento de Odontologia/ UFSC.

Cristine Maria Warmling, ufrgs

Professora Associada do Departamento de Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia/ UFRGS

Referências

(1) Diniz D, Guilhem D. O que é bioética? São Paulo: Brasiliense; 2002.

(2) Cotta RMM, Reis RS, Campos AADO, Gomes AP, Antonio VE, Siqueira-Batista R. Debates atuais em humanização e saúde: quem somos nós? Ciênc Saúde Coletiva, 2013; 18:171-9.

(3) Junges JR. Direito à saúde, biopoder e bioética. Interface Comum Saúde Educ. 2009; 13(29):285-95.

(4) Finkler M, Negreiros DP. Formação x Educação, Deontologia x Ética: repensando conceitos, reposicionando docentes. Rev ABENO 2018; 18(2): 37-44.

(5) Warmling CM, Baldisserotto J, Rocha ET. Acolhimento & acesso de necessidades de saúde bucal e o agir profissional na Atenção Primária à Saúde. Interface. 2019; 23:1-15.

(6) Garuzi M, Achitti MCDO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica. 2014; 35:144-9.

(7) Nora CRD, Junges JR. Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Públ 2013; 47(6):1186-200.

(8) Yin, RK. Estudo de Caso: planejamentos e métodos. Porto Alegre: Bookman; 2015.

(9) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Projeto Político Pedagógico. Porto Alegre; 2005. [Acesso em 16 jun. 2020]. Disponível em: http// www.ufrgs.br/odonto/projeto_político. pdf.

(10) Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE-CES n.º 3. 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, 4 mar. 2002. Seção 1, p. 10. [Acesso em: 02 jun 2020]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf.

(11) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Resumo do pró-saúde faculdade de odontologia da Ufrgs 2009. [Acesso em: 02 jun 2020]. Disponível em: http://www.prosaude.org/odo/resumo /UFRGS_ODO.pdf.

(12) Minayo MCS. Sampling and saturation in qualitative research: consensuses and controversies. Rev Pesqui Qualitat. 2017; 5(7): 01-12.

(13) Fischer RMB. Foucault e a análise do discurso em educação. Cad Pesqui. 2001; 114:197-223.

(14) Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm. 2006;14(4): 679-84.

(15) Backes DS, Lunardi VL, Lunardi WDA. humanização hospitalar como expressão da ética. Rev Latinoam Enferm. 2006; 14(1):132-5.

(16) Martins AA, Franco TB, Merhy EE, Feuerwerker LCM. A produção do cuidado no Programa de Atenção Domiciliar de uma Cooperativa Médica. Physis. 2009; 19(2): 457-74.

(17) Nogueira RP. Determinação Social da Saúde e Reforma Sanitária. Coleção Pensar em Saúde.Rio de Janeiro: CEBES; 2010.

(18) Warmling CM, Schneider Pires F, Baldisserotto J, Levesque M. Ensino da bioética: avaliação de um objeto virtual de aprendizagem. Rev Bioét. 2016; 24(3): 503-17.

(19) Botazzo C. O conhecimento pelas mãos. Rev ABENO 2017; 17(4): 2-19.

(20) Marques VRS. O acolhimento como vertente de humanização na atenção à saúde do homem. Rev Científ Inst Ideia 2019; 1(8): 191-9.

(21) Lancetti A. Notas sobre humanização e biopoder. Interface Comun Saúde Educ. 2009; 13 (Suppl.1):797-9.

(22) Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2001; 6(1): 63-72.

(23) Castiel LD. Dédalo e os Dédalos: identidade cultural, subjetividade e os riscos à saúde. In: Czeresnia D, Freitas CM. Editores. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009. p. 83-99.

(24) Lopes GVDO, Menezes TMDO, Miranda AC, Araújo KLD, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1): 104-10.

(25) Vasconcelos FN, Vasconcelos EM, Duarte SJH. O acolhimento na perspectiva das Equipes de Saúde Bucal inseridas na Estratégia Saúde da Família: uma revisão bibliográfica da literatura brasileira. Tempus 2011; 5 (3): 115-22.

(26) Czeresnia D. O Conceito de Saúde e a Diferença entre Prevenção e Promoção. In: Czeresnia D, Freitas CM. Editores. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009. p. 43-57.

(27) Conselho Federal de Odontologia. Código de ética odontológica: Resolução nº118 de 11 de maio de 2012. Rio de Janeiro, 2012. [Acesso em: 02 jun 2020]. Disponível em: http://www.cropr.org.br/uploads/arquivo/724571448d7a83c915ebc18e218042a3.pdf.

(28) Orlandi EP. As formas de silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: editora da UNICAMP; 1992.

(29) Freire P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes; 1980.

(30) Moreira LAC. Ética e aspectos psicossociais em crianças e adolescentes candidatos a cirurgia bariátrica. Bioética. 2017; 25(1): 101-10.

Publicado

07-04-2021

Como Citar

Cunha, L. L., Pires, F. S., Finkler, M., & Warmling, C. M. (2021). Bioética do cuidado na clínica de ensino: aprendendo com pacientes. Revista Da ABENO, 21(1), 1229. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v21i1.1229

Edição

Seção

Artigos