Avaliação do conhecimento dos estudantes de Odontologia da UFSM sobre DTM e bruxismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1253

Palavras-chave:

Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular, Bruxismo, Inquéritos e Questionários, Estudantes de Odontologia, Avaliação Educacional.

Resumo

Casos de bruxismo e disfunção temporomandibular (DTM) têm se tornado cada vez mais frequentes na prática clínica. Reconhecer seus mecanismos é necessário para o sucesso do controle e tratamento. O objetivo deste estudo piloto foi investigar o conhecimento e a percepção sobre DTM e bruxismo dos estudantes de Odontologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Para isso um questionário com 15 questões foi aplicado a 20 estudantes dessa instituição, sendo 10 do 7º e 10 do 10º semestre. Todos os estudantes avaliados relataram ouvir sobre DTM durante a graduação, mas 70% consideraram que possuíam pouca ou nenhuma base de conhecimento sobre o assunto. Noventa por cento dos estudantes relatou não conhecer a ferramenta utilizada em pesquisas para diagnóstico das DTM. Não houve diferença estatística entre os grupos avaliados e a média geral de acertos foi de 54%.  Os dados evidenciam o pouco conhecimento sobre os assuntos abordados e a fragilidade do ensino destas alterações, especialmente pela não evolução do conhecimento sobre DTM e bruxismo ao longo do curso avaliado, pois o grupo de estudantes do 10º semestre apresentou resultados inferiores quando comparados ao do 7º semestre, que passaram recentemente pela Clínica de Oclusão, na qual os temas são abordados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Rahmeier

Graduada em Odontologia.

Gabriella Lenz Irineu

Graduada em Odontologia.

Lucas Machado Maracci, Universidade Federal de Santa Maria.

Mestrando em Ciências Odontológicas.

Rafaela Stocker Salbego

Graduada em Odontologia

Luiza Pereira do Nascimento, Universidade Federal de Santa Maria.

Doutoranda em Ciências Odontológicas,

Mariana Marquezan, Universidade Federal de Santa Maria.

Professora adjunta, Departamento de Estomatologia.

Gabriela Salatino Liedke, Universidade Federal de Santa Maria.

Professora adjunta, Departamento de Estomatologia.

Tatiana Bernardon Silva, Universidade Federal de Santa Maria.

Professora associada, Departamento de Odontologia Restauradora.

Referências

(1) Lobbezoo F, Ahlberg J, Raphael KG, Wetselaar P, Glaros AG, Kato T, et al. International consensus on the assessment of bruxism: Report of a work in progress. J Oral Rehabil. 2018;45(11):837-44.

(2) Wetselaar P, Vermaire EJH, Lobbezo F, Schuller AA. The prevalence of awake bruxism and sleep bruxism in the Dutch adult population. J Oral Rehabil. 2019;46(7):617-23.

(3) Klasser GD. Diagnóstico e tratamento das DTM. In: De Leew R. Dor orofacial: guia de avaliação, diagnóstico e tratamento. São Paulo: Quintessence; 2013. p: 127-86.

(4) Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 6th ed. Chicago: Quintessence; 2008.

(5) Gauer RL, Semidey MJ. Diagnosis and treatment of temporomandibular disorders. Am Fam Physician. 2015;91(6):378-86.

(6) Borromeo GL, Trinca J. Understanding of basic concepts of orofacial pain among dental students and a cohort of general dentist. Pain Med. 2012;13(5):631-9.

(7) Adibi SS, Kookal KK, Fishbeck NM, Thompson CR, Walji MF. Assessment of diagnosed temporomandibular disorders and orofacial pain conditions by predoctoral dental students: a pilot study. J Dent Educ. 2016;80(12):1450-1456.

(8) Simm W, Guimarães SA. The teaching of temporomandibular disorders and orofacial pain at undergraduate level in Brazilian dental schools. J Appl Oral Sci. 2013;21(6):518-24.

(9) Garcia AR, Souza V. Desordens temporomandibulares: causa de dor de cabeça e limitação da função mandibular. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1998;52(6):480-6.

(10) Costa YM, Koninck BPD, Elsaraj SM, Exposto FG, Babiloni AH, Kapos FP, et al. Orofacial pain education in dentistry: a path to improving patient care and reducing the population burden of chronic pain. J Dent Educ. 2021;85(3):349-58.

(11) Siqueira SRDT. Orofacial pain and the international year. Rev Dor. 2014;15(1):1.

(12) Tormes AKM, Lemos GA, Silva PLP, Forte FDS, Sousa FB, Araujo DN, et al. Temporomandibular disorders: knowledge, competency, and attitudes of predoctoral dental students. Cranio. 2020;31:1-9.

(13) Universidade Federal de Santa Maria. Curso de Odontologia. Estrutura curricular. [Acesso em 7 jul. 2020]. Disponível em: http://www.ufsm.br/cursos/graduacao/santa-maria/odontologia/informacoes-do-curriculo.

(14) Universidade Federal de Santa Maria. Curso de Odontologia. Disciplinas oferecidas. [Acesso em 7 jul. 2020]. Disponível em http://odontologia.ufsc.br/disciplinas-oferecidas.

(15) Universidade Federal de Santa Maria. Curso de Odontologia. Dados de identificação da disciplina. Programa de Ensino. [Acesso em 5 out. 2020]. Disponível em: http://deptoodt.paginas.ufsc.br/files/2012/11/Programa-ODT-7132-Oclus%C3%A3o-II.pdf.

(16) Blini CC, Morisso MF, Bolzan GP, Silva AMT. Relação entre bruxismo e o grau de sintomatologia de disfunção temporomandibular. Rev CEFAC. 2010;12(3):427-33.

(17) Manfredini D, Peretta R, Guarda-Nardini L, Ferronato G. Predictive value of combined clinically diagnosed bruxism and occlusal features for TMJ pain. Cranio. 2010:28(2):105-13.

(18) Mogil JS. Pain genetics: past, present and future. Trends Genet. 2012;28(6):258-66.

(19) Smith SB, Maixner DW, Greenspan JD, Dubner R, Fillingim RB, Ohrbach R, et al. Potential genetic risk factors for chronic TMD: genetic associations from the OPPERA case control study. J Pain. 2011;12(11 Suppl):T92-101.

(20) Sartoretto SC, Bello YD, Bonna AD. Evidências científicas para o diagnóstico e tratamento da DTM e a relação com a oclusão e a ortodontia. RFO UPF. 2012;17(3):352-9.

(21) Liu F, Steinkeler A. Dent Clin North Am. 2013;57(3):465-79.

(22) Dworkin SF, LeResche L. Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders: review, criteria, examinations and specifications, critique. J Craniomandib Disord. 1992;6(4):301-55.

(23) Peck CC, Goulet JP, Lobbezzo F, Schiffman EL, Alstergren P, Anderson GC, et al. Expanding the taxonomy of the Diagnostic Criteria of Temporomandibular Disorders (DC/TMD). J Oral Rehabil. 2014;41(1):2-23.

(24) Schiffman E, Ohrbach R, Truelove E, Look J, Anderson G, Goulet JP, et al. Diagnostic Criteria for Tempormandibular Disorders (DC/TMD) for Clinical and Research Applications: recommendations of the Internacional RDC/TMD, Consortium Network and Orofacial Pain Special Interest Group. J Oral Facial Pain Headache. 2014;28(1):6-27.

(25) Klasser GD, Greene CS. Predoctoral teaching of temporomandibular disorders: a survey of US and Canadian dental schools. J Am Dent Assoc. 2007;138(2):231-7.

(26) Manfredini D, Lombardo L, Siciliani G. Tempormandibular disorders and dental occlusion. A systematic review of association studies: end of an era? J Oral Rehabil. 2017;44(11):908-23.

(27) Koh H, Robinson PG. Occlusal adjustment for treating and preventing temporomandibular joint disorders. J Oral Rehabil. 2004;31(4):287-92.

(28) Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Statement of the 1st Consensus on Temporomandibular Disorders and Orofacial Pain. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20.

(29) Sassi CF, Silva AP, Santos RKS, Andrade CRF. Tratamento para disfunções tempormandibulares: uma revisão sistemática. Audiol Commun Res. 2018;23: :e1871.

(30) Patel J, Cardoso JA, Mehta S. A systematic review of botulinum toxin in the management of patients with temporomandibular disorders and bruxism. Br Dent J. 2019;226(9):667-72.

(31) Guarda-Nardini L, Stecco A, Stecco C, Masiero S, Manfredini D. Myofascial pain of the jaw muscles: comparison of short-term effectiveness of botulinum toxin injections and fascial manipulation technique. Cranio 2012;30(2):95-102.

(32) Osiewicz M, Kojat P, Gut M, Kazibudzka Z, Pytko-Polonczyk J. Self-perceived dentists’ knowledge of temporomandibular disorders in Krakow: a pilot study. Pain Res Manag. 2020(6):1-6.

(33) Patil S, Iyenger AR, Ramneek. Assessment of knowledge, attitude and practices of dental practitioners regarding temporomandibular joint disorders in India. JCRI. 2016;3(2):64-71.

(34) Morita MC, Haddad AE. Interfaces da área da Educação e da Saúde na perspectiva da formação e do trabalho das equipes de Saúde da Família. In: Moysés ST, Kriger L, Moysés SJ (Coord). Saúde bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas; 2008. p.268-76.

(35) Zilbovicius C, Araujo ME, Botazzo C, Frias AC, Junqueira SR, Junqueira CR. A paradigm shift in predoctoral dental curricular in brazil: evaluating the process of change. J Dent Educ. 2011;75(4):557-64.

(36) Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004;4(1):17-21.

Publicado

29-07-2021

Como Citar

Rahmeier, G., Irineu, G. L., Maracci, L. M., Salbego, R. S., Nascimento, L. P. do, Marquezan, M., Liedke, G. S., & Silva, T. B. (2021). Avaliação do conhecimento dos estudantes de Odontologia da UFSM sobre DTM e bruxismo. Revista Da ABENO, 21(1), 1253. https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1253

Edição

Seção

Artigos