Análise do perfil educacional, do desempenho acadêmico e da valorização à iniciação científica

Silvia Yamauchi, Patrícia Garcia de Moura, Sílvia Helena de Carvalho Sales Peres

Resumo


O objetivo deste estudo foi identificar o perfil educacional, o desempenho acadêmico nas diferentes disciplinas e a valorização à pesquisa. Trata-se de um estudo retrospectivo realizado por meio da coleta de dados secundários, pautado no posicionamento do aluno em seu ingresso na instituição e no desempenho durante o curso de odontologia, nas diferentes atividades básicas, clínicas e de extensão. A amostra foi constituída por egressos do curso de odontologia da Faculdade de Odontologia de Bauru – Universidade de São Paulo (FOB-USP), no período de 2001 a 2005 (n = 244), sendo 45,9 % do gênero masculino e 54,1% feminino. A maior parte dos alunos que entra no curso de Odontologia da FOB-USP é proveniente de ensino fundamental e médio de escolas particulares, predominantemente do período diurno, prepararamse em cursinho pré-vestibular e grau de escolaridade dos pais em nível superior. Os alunos que obtiveram melhor classificação no exame vestibular apresentaram melhor desempenho durante a graduação nas disciplinas básicas e clínicas (p = 0,001 e p = 0,026), não houve, porém, essa correlação com as disciplinas de extensão (p = 0,577). Mais da metade dos alunos se interessou e desenvolveu iniciação científica (52,8%). Conclui-se que o desempenho nas disciplinas de graduação esteve relacionado à classificação no vestibular, a maioria dos estudantes desenvolveu pesquisas em iniciação científica e a IES avaliada conseguiu oferecer o tripé necessário à formação dos profissionais, envolvendo ensino, pesquisa e extensão.

Palavras-chave


Estudantes de Odontologia. Educação em Odontologia. Diretrizes. Apoio à Pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


Bianchetti L. Angústia no vestibular: indicações para pais e professores. Passo Fundo: Ediupf, 1996.

Borges JLG, Carnielli BL. Educação e estratificação social no acesso à universidade pública. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas 2005; 35 (124): 113-130.

Botti MRV, Santos GMC. Perspectivas do exercício profissional. Parte I. Análise sobre as expectativas e dificuldades dos formandos. RGO. 1986; 34:155-9.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº3 de 19 de fevereiro de 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Pró-saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde / Ministério da Saúde, Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 86p.

Brustolin J, Brustolin J, Toassi RFC, Kuhnen M. Perfil do acadêmico de Odontologia da Universidade do Planalto Catarinense – Lages – SC, Brasil. Revista da ABENO 2006; 6(1):70-6.

Calazans PM, Guimarães Jr VO, Luz SAA. Procedência escolar em odontologia. Anais da 36ª. Reunião da ABENO, São Luis, 2001.

Carvalho DR, Carvalho ACP. Motivações e expectativas para o curso e para o exercício da Odontologia. Estudo com formandos da capital de São Paulo. São Paulo: NUPES; 1997.

Castro AA. Iniciação científica: recursos, conhecimentos e habilidades. In: Castro AA. Manual de iniciação científica. 4ed. Maceió: UNCISAL, 2006. [ acesso em 19 mar 2008]. Disponível em: URL: http://www.metodologia.org/ecmal/ic

Cordón JA. A saúde bucal e o mercado de trabalho. Saúde em Debate 1986; 18:52-64.

Costa B, Stegun RC, Todescan R. Realização profissional: uma avaliação entre os dentistas na Grande São Paulo. Rev Assoc Paul Cir Dent 1992, 46:821-4.

Demo P. Pesquisa: princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1996. 120 p.

Ferreira MC. Seleção social e o ensino superior das desigualdades: os determinantes da aprovação no vestibular da UFRJ– 1993. Rev bras Est pedag 1999; 80(194): 53-70.

Gushi LL, Wada RS, Sousa MdLR. Perfil Profissional dos CDs Formados pela FOP no Período de 1960-1997. Rev Assoc Paul Cir Dent 2004; 58(1):19-23.

Junqueira JC, Colombo CED, Tavares PG, Rocha RF, Carvalho YR, Rodrigues, JR. Quem é e o que pensa o graduando de odontologia. Rev Odontol UNESP 2002; 31(2):269-284.

Lucchiari DHPS. A questão do vestibular. In: Lucchiari, DHPS. Pensando e vivendo a orientação profissional. São Paulo: Summus, 1993. cap. 14.

Moimaz SAS, Saliba NA, Garbin CAS, Zina LG, Furtado JF, Amorim JA. Serviço Extramuro Odontológico: Impacto na Formação Profissional. Pesq Bras Odontoped Clin Integr 2004 4(1):53-57.

Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Revista da ABENO 2004; 4(1):17-21.

Nicodemo D, Naressi WG. O perfil do aluno de odontologia– do ingresso à sua graduação. Rev Odonto Ciência 2002;17(36):135-9.

Schiessi CS, Sarriera JC. Refletindo a questão do ingresso ao ensino superior: dificuldades e expectativas dos jovens de ensino médio. In: Sarriera JC, Rocha, KB, Pizzinato A. Desafios do mundo do trabalho: orientação, inserção e mudanças. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

Secco LG, Pereira MLT. A profissionalização docente e os desafios político-estruturais dos formadores em Odontologia. Ciência e Saúde Coletiva 2004; 9(1):113-120.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v8i2.1365

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274