Educação Permanente em Saúde: uma estratégia para refletir sobre o processo de trabalho

Janaína Rocha de Sousa Almeida, Davi Oliveira Bizerril, Katia Gois de Holanda Saldanha, Maria Eneide Leitão de Almeida

Resumo


A Educação Permanente em Saúde (EPS) é aprendizagem no trabalho, onde aprender e ensinar incorporam-se às organizações e processos de trabalho. Assim, iniciou-se uma proposta de EPS no município de Fortaleza/CE, objetivando induzir mudanças nas diversas maneiras de agir dos profissionais da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Foi realizado um curso de atualização em Saúde Bucal para trezentos cirurgiões dentistas (CD). Trata-se de um relato de experiência, onde são descritos planejamento, execução e avaliação do curso, que foi dividido em dois módulos: Atenção Primária e Secundária em Saúde. Concluíram o curso 207 CD, 69% dos matriculados. Como resultados, obteve-se a construção do Manual de Promoção em Saúde Bucal e do Manual de Encaminhamentos para a Atenção Secundária em Odontologia. As ações de EPS são importantes para os profissionais de saúde, motivando-os diante dos desafios do cotidiano.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família. Saúde Bucal. Educação Continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


Cardoso IM. “Rodas de Educação permanente” na Atenção Básica de saúde: analisando contribuições. Saúde São Paulo. 2012; 21:18-28.

Mendonça FF, Nunes EFPA. Necessidades e dificuldades de tutores e facilitadores para implementar a política de educação permanente em saúde em um município de grande porte no estado do Paraná, Brasil. Interface (Botucatu). 2011; 15(38):871-82.

Noro LRA, Santos BCSF, Souza PHS, Pinheiro IAG, Borges REA, Nunes LMF, Cruz RCS, Silva SM. O professor (ainda) no centro do processo de ensino-aprendizagem em odontologia. Rev ABENO. 2015; 15(1):2-11.

Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Brasília-DF: Senado Federal; 1988.

Portaria Nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Dispõe sobre a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União, 13 de fev de 2004.

Garcia RM; Baptista R. Educação a distância para a qualificação dos profissionais do SUS: perspectivas e desafios. Rev Baiana de Saúde Pública. 2007; 31(Supl.1):70-78.

Carvalho BG, Turini B, Nunes EFPA, Bandeira IF, Barbosa PFA, Takao TS. Percepção dos médicos sobre o curso Facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Rev Brasil de Educação Médica. 2011; 35(1): 132-41.

Brasil. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Cienc Saude Colet. 2014; 19(3):847-52.

Montanha M, Peduzzi M. Educação Permanente em Enfermagem: levanta-mento de necessidades e resultados esperados segundo a concepção dos trabalhadores. Rev. Esc Enferm USP. 2010; 44(3):597-604.

Ceccim RB, Capazzolo AA. Educação dos profissionais de saúde e afirmação da vida: a prática clínica como resistência. In: Marins JJN et al Educação Médica em Transformação. São Paulo: Abem -HUCITEC; 2004.

Cyrino EG, Pereira MLT. Trabalhando com estratégias de ensino aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad Saúde Pública. 2004; 20(3): 780-88.

Sobral FR, Campos CJG. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(1):208-18.

Marin MJS. Pós-graduação multi-profissional em saúde: relato de experiências utilizando metodologias ativas. Interface (Botucatu). 2010; 14(33):331-41.

Brasil. Política Saúde na Escola. Ministério da Saúde, Brasil. Departamento da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Acessado em 14 de dezembro de 2014. Disponível em: http://dab.saude. gov.br/portaldab/pse.php

Brasil. Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde. Secretaria da Gestão Estratégica e Participativa. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Acessado em 31 de dezembro de 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br

Peduzzi M, Del Guerra DA, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM. Atividades educativas de trabalhadores da atenção primária: concepções de educação permanente e educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface (Botucatu). 2009; 13(30):121-34

Demers AL, Mamary E, Ebin VJ. Creating opportunities for training California’s public health workforce. J Contin Educ Health Prof. 2011; 31(1):64-9

Barbosa VBA, Ferreira MLSM, Barbosa PMK. Educação permanente em saúde: uma estratégia para a formação dos agentes comunitários de saúde. Rev Gaucha Enferm. 2012; 33(1):56-65.

Lemos SG, Morita MC, Carloto EMT. Recursos utilizados por graduandos em odontologia e cirurgiões dentistas do SUS para estudar e resolver dúvidas surgidas durante o trabalho. Revista ABENO. 2014; 14(1):3-16.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis Rev. Saúde Coletiva. 2005; 14(1):41-65.

Ceccim RB, Bravin FP, Santos AA. Educação na saúde, saúde coletiva e ciências políticas: uma análise da formação e desenvolvimento para o Sistema Único de Saúde como política pública. Revista Lugar Comum. 2011; 28:159-80.

Barbosa GC, Meneguim S, Lima SAM, Moreno V. Política Nacional de Humanização e formação dos profissionais de saúde: revisão integrativa. Rev. Brasil de Enferm. 2013; 66(1):123-27.

Minas Gerais. Atenção em Saúde Bucal. Saúde em casa. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Belo Horizonte; 2006.

Paraná. Rede de Saúde Bucal. Secretaria da Saúde do Paraná. Curitiba; 2014.

Brasil. Decreto nº 6.286 de 05 de dezembro de 2007 instituiu o Programa Saúde na Escola (PSE) e suas finalidades. Brasília, Ministério da Saúde; 2007.

Santiago LM, Rodrigues MTP, Júnior ADO, Moreira TMM. Implantação do programa saúde na escola em Fortaleza-CE: atuação de equipe da estratégia de saúde da família. Rev Brasil Enferm. 2012; 65(6):1026-29.

Linhares PHA, Lira GV, Albuquerque IMN. Avaliação do programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica no estado do Ceará. Saúde Debate. 2014; 38(n. esp.):195-208.

Rodriguez LA, Vieira JDM, Leite ICG. Avaliação do fluxo de referência para um centro de especialidades odontológicas implantado em cidade de médio porte na região Sudeste. Cad Saude Colet. 2013; 21(1):40-5.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i2.248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274