A integração ensino-serviço em Odontologia no Brasil

Jeusa Maria Faé, Manoelito Ferreira Silva Junior, Raquel Baroni de Carvalho, Carolina Degli Dutra Esposti, Karina Tonini dos Santos Pacheco

Resumo


O objetivo deste artigo foi discutir o processo histórico da integração ensino/serviço em Odontologia no Brasil. Foi realizada uma revisão de literatura a partir de um levantamento bibliográfico nas bases SciELO e LILACS utilizando as palavras-chave Integração ensino/serviço; Estágio curricular; Odontologia; Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde; PET-Saúde; Atenção primária à saúde; e Práticas profissionais, limitada a artigos publicados entre os anos de 1970-2014, em português. Também foi realizada uma pesquisa documental, contemplando as legislações existentes. A análise evidenciou que a integração ensino-serviço no Brasil, por muitas décadas, se deu de forma lenta, embora atualmente haja uma política de incentivo para favorecer esta integração. Foram identificadas experiências exitosas a partir da integração ensino-serviço em Odontologia, embora se destaque que ainda exista dificuldades e fragilidades, principalmente porque o sistema de saúde vigente no Brasil está em construção. Considera-se que os incentivos para a consolidação da parceria entre universidade e serviços de saúde devem ser mantidos e ampliados, com o objetivo de favorecer a formação profissional em Odontologia no aspecto mais amplo de saúde e trazer benefícios reais para os serviços de saúde.


Palavras-chave


Saúde Pública. Serviços de Integração Docente-Assistencial. Odontologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque VS, Gomes AP, Rezende CHA, Sampaio MX, Dias OV, Lugarinho RM. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Rev Bras Educ Med 2008; 32(3):356-62.

Ellery AEL, Bosi MLM, Loiola FA. Integração ensino, pesquisa e serviços em saúde: antecedentes, estratégias e iniciativas. Saúde Soc 2013; 22(1):187-198.

Marsiglia RG. Relação ensino-serviços: dez anos de integração docente assistencial (IDA) no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1995. 135 p.

Feuerwerker LCM, Almeida MJ. Integração ensino/serviço: a experiência da Rede Unida. In: Negri B, Faria R, Viana ALDA (Org.). Recursos humanos em saúde: política, desenvolvimento e mercado de trabalho. Campinas: Unicamp/NEPP, 2002, p. 161-86.

Morita MC, Haddad AE, de Araújo ME. Perfil atual e tendências do cirurgião-dentista brasileiro. Maringá: Dental Press, 2010.

Brasil. Resolução CNE/CES nº. 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasília 2002.

Brasil. Portaria interministerial n. 2.101, de 3 de novembro de 2005. Institui o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação em Medicina, Enfermagem e Odontologia. Brasília 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 88p.

Pelissari LD, Basting RT, Flório FM. Vivência da realidade: o rumo da saúde para a odontologia. Rev ABENO 2004; 5(1):32-9.

Saliba NA, Saliba O, Moimaz SAS, Garbin CAS, Arcieri RM, Lolli LF. Integração ensino-serviço e impacto social em cinquenta anos de história da saúde pública na Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual paulista Júlio de Mesquita Filho. RGO 2009; 57(4):459-65.

Nickel DA, Lima FG, Silva BB. Modelos assistenciais de saúde bucal no Brasil. Cad Saúde Pública 2008; 24(2):241-6.

Organização Mundial de Saúde. Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre cuidados primários de saúde. Alma-Ata: WHO, 1978. Acesso em: 13 mar. 2014. Disponível em: http://www.opas.org.br/cole tiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf

Organização Mundial de Saúde. Carta de Ottawa. Primeira Conferência Internacional sobre promoção da saúde. Ottawa: WHO, 1986. Acesso em: 21 mar. 2014. Disponível em: http://www.opas.org.br/promocao/upload Arq/Ottawa.pdf

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília 1990.

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação. Brasília 1996.

Costa RKS, Miranda FAN. Sistema Único de Saúde e da Família na formação acadêmica do enfermeiro. Rev Bras Enferm 2009; 62 (2):300-4.

Carvalho ACP, Kriger L (Org.). Educação odontológica. São Paulo: Artes Médicas, 2006.

Senna MIB, Lima MLR. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino de graduação em odontologia: uma análise dos artigos publicados na revista da ABENO, 2002-2006. Arq Odontol 2009; 45(1): 30-6.

Moimaz SAS, Saliba NA, Garbin CAS, Zina LG, Furtado JF, Amorin JA. Serviço extra-muro odontológico: impacto na formação do profissional. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr 2004; 4(1):53-7.

Werneck MAF. Internato em saúde coletiva: a disciplina do estágio supervisionado em odontologia como espaço pedagógico: a possibilidade de uma nova práxis na graduação, na UFMG. In: Botazzo C, Oliveira MA (Org.). Atenção básica no Sistema Único de Saúde: abordagem interdisciplinar para os serviços de saúde bucal. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 2008, p. 181-93.

Pinheiro FMC, Nóbrega-Therrien SM, Almeida MEL, Almeida MI. A formação do cirurgião-dentista no Brasil: contribuições de estudos para a prática da profissão. RGO 2009; 57(1):99-106.

Brehmer LCF, Ramos FRS. Experiências de integração ensino-serviço no processo de formação profissional em saúde: revisão integrativa. Rev Eletrônica Enferm 2014; 16(1):228-37.

Melo TAF, Kunert GG, Limongi O, Matos AP, Gardelin VA. Centro de Especialidades Odontológicas (CEO): uma avaliação qualitativa na perspectiva dos alunos participantes. Stomatos 2009;15(29):32-7.

Oliveira MC. Os modelos de cuidados como eixo de estruturação de atividades interdis-ciplinares e multiprofissionais em saúde. Rev Bras Educ Med 2008; 32(3):347-55.

Mendes FMS, Fonseca KA, Brasil JA, Dalbello-Araújo M. VER-SUS: Relato de Vivências na Formação de Psicologia. Psicol Ciênc Prof 2012; 32(1):174-87.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 44p.

Brasil. Portaria interministerial nº 3.019 de 26 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde – para os cursos de graduação da área da saúde. Brasília 2007.

Brasil. Portaria Interministerial nº 1.802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET - Saúde. Brasília 2008.

Brasil. Portaria Interministerial nº 422, de 3 de março de 2010. Estabelece orientações e diretrizes técnico-administrativas para a execução do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET Saúde, instituído no âmbito do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação. Brasília 2010.

Brasil. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília 2010.

Batista MJ, Gibilini C, Kobayashi HM, Ferreira LL, Gonçalo CS, Sousa MLR. Relato de experiência da interação entre univer-sidade, comunidade e unidade de Saúde da Família em Piracicaba, SP, Brasil. Arq Odontol 2010; 46(3):144-51.

Stanga AC, Ferrão AC, Kleba ME. O VIM como experiência de interdisciplinaridade no processo de formação em saúde. 2013. In: Anais do Simpósio internacional sobre interdisciplinaridade no ensino, na pesquisa e na extensão – região sul (SIIEPE – SUL), 2013, Florianópolis. Florianópolis: EGC/ UFSC, 2013. Acesso em: 12 jul. 2014. Disponível em: http://www.siiepe.ufsc.br/wp-content/uploads/2013/10/E-Stanga.pdf

Oliveira-Sobrinho TA, Medeiros CPP, Maia MR, Reis TC, Miranda LP, Costa PF. Integração acadêmica e multiprofissional no PET-Saúde: Experiências e desafios. Rev ABENO 2011; 11(1):39-42.

Rodrigues AAAO, Juliano IA, Melo MLC, Beck CLC, Prestes FC. Processo de Interação Ensino, Serviço e Comunidade: a Experiência de um PET-Saúde. Rev Bras Educ Med 2012; 36(1):184-92.

Gonçalves CM, Santos KT, Carvalho RB. O PET-Saúde como instrumento de reorientação do ensino em Odontologia: a experiência da Universidade Federal do Espírito Santo. Rev ABENO 2011; 11(2):27-33.

Moimaz SAS, Saliba NA, Garbin CAS, Zina LG. Atividades extramuros na ótica de egressos do curso de graduação em odontologia. Rev ABENO 2008; 8(1):23-9.

Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO 2004; 4(1):17-21.

Werneck MAF, Senna MIB, Drumond MM, Lucas SD. Nem tudo é estágio: contribuições para o debate. Ciênc Saúde Coletiva 2010; 15(1):221-31.

Werneck MAF, Lucas SD. Estágio supervisionado em odontologia: uma experiência da integração ensino/serviço de saúde bucal. Arq Centro Estudos Fac Odontol Univ Fed Minas Gerais 1996; 32(2):95-108.

Moysés SJ. Políticas de saúde e formação de recursos humanos em odontologia. Rev ABENO 2003; 4(1):30-7.

Silveira JLGC. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em odontologia: historicidade, legalidade e legitimidade. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr 2004; 4(2):151-6.

Fernandes-Neto AJ, Carvalho ACP, Kriger L, Morita MC, Toledo OA. A trajetória dos cursos de odontologia no Brasil. In: Haddad AE (Org.). A trajetória dos cursos de graduação na Saúde: 1991-2004. Brasília: INEP/MEC, 2006, p. 381-409.

Carvalho RB, Costa TBC, Gomes MJ, Santos KT, Guerra SMG. Formação docente em odontologia no Brasil: sugestões de mudanças após as diretrizes curriculares nacionais. Rev Bras Pesqui Saúde 2010;12(4):39-44.

Baltazar MMM; Moyses SJ, Bastos CCBC. Profissão, docente de odontologia: o desafio da pós-graduação na formação de professores. Trab Educ Saúde 2010; 8(2):285-303.

Campos FE, Brenelli SL, Lobo LC, Haddad AE. O SUS como escola: a responsabilidade social com a atenção à saúde da população e com a aprendizagem dos futuros profissionais de saúde. Rev Bras Educ Med 2009; 33(4):513-4.

Henriques RLM. Interlocução entre ensino e serviço: possibilidades de ressignificação do trabalho em equipe na perspectiva da construção social da demanda. In: Pinheiro R, Mattos RA (Org.). Construção social da demanda. Rio de Janeiro: CEPESC/ ABRASCO; 2005.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i3.286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274