A produção científica da Odontologia e a Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde

Doris Gomes, Igor Greik Agnoletto, Marina Leite de Souza, Vinícius Spiger, João Rodolfo Gomes Jakymiu, Elisa da Cunha Fugii, Ana Lúcia Schaefer Ferreira de Mello

Resumo


O estudo analisou a produção atual do conhecimento científico em saúde bucal nos cursos de pós-graduação em Odontologia (stricto-sensu) sul-brasileiros, relacionando-a às diretrizes traçadas pela Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde (ANPPS). Trata-se de uma pesquisa de abordagem quanti-qualitativa, de natureza exploratório-descritiva a partir de análise documental. Os dados, coletados de sítios eletrônicos oficiais no primeiro semestre de 2015, consistem em teses e dissertações produzidas entre 2011 e 2015, pelos programas de pós-graduação stricto-sensu em “Odontologia” ou “Ciências Odontológicas”, de Universidades Federais do Sul do país. Após leitura dos títulos e resumos, procedeu-se a classificação quanto à aderência das produções aos eixos da ANPPS, com posterior organização, tabulação, análise quantitativo-descritiva e análise qualitativa, discutindo-se possíveis lapsos entre políticas públicas e práticas, na implementação da ANPPS. A maior parte da produção de teses e dissertações analisadas não apresentou aderência aos tópicos da ANPPS (56,13%) relacionados à saúde bucal, sendo que as áreas de Odontopediatria e Saúde Coletiva detiveram as maiores médias de produção vinculadas (40,8%). Embora existam movimentos de assimilação e incorporação à ANPPS na pesquisa em saúde bucal, disciplinas clínicas tradicionais ainda não referenciam à Agenda e sua prioridade em estudos voltados às necessidades populacionais e interesses do Sistema de Saúde. A incorporação da ANPPS à pesquisa odontológica pode transformar a Odontologia brasileira em nova referência de construção de conhecimento para além do contexto nacional.


Palavras-chave


Saúde Bucal. Odontologia. Educação de Pós-graduação em Odontologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Cury JA. The dilemma of researchers, the insensibility of policy-makers and the dis-tress of Brazilian dentistry journals. Braz Oral Res. 2012;26 (2):92.

Garrafa V, Moysés SJ. Odontologia brasileira: tecnicamente elogiável, cientificamente discutível, socialmente caótica. Divulg Saúde Debate. 1996;(13):6-17.

Sigolo BOO, Casarin HCS. Destaque da Produção Científica Brasileira em Odontologia no cenário mundial e a influência no comportamento informacional do profissional cirurgião-dentista. Rev EDICIC. 2011;1(4):389-407.

Gracio MCC, Oliveira EFT, Gurgel JA, Es-calona MI, Guerrero AP. Dentistry scien-tometric analysis: a comparative study be-tween Brazil and other most productive countries in the area. Scientometrics. 2013; 95(2): 753-69.

Scimago Journal Rank Indicator. [Acesso em 20 jun. 2016]. Disponível em: http://www. scimagojr.com/index.php.

Normando D. A ciência odontológica brasileira. Dent Press J Orthod. 2014;19(2) :14.

Souza JGS, Popoff DAV, Oliveira RCN, Almeida ER, Martelli Junior H, Lima AMEB. Profile and scientific production of Brazilian researchers in dentistry. Arq Odontol. 2016 :52(1):13-22.

Dias AA, Narvai PC, Rego DM. Tendências da produção científica em odontologia no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2008; 24(1):54-60.

Brasil. Ministério da Saúde. SB Brasil Pesquisa Nacional de Saúde Bucal 2010: Resultados Principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [Acesso em 10 jan. 2017.] Disponível em: http://189.28.128.100/dab/ docs/portaldab/publicacoes/pesquisa_saude bucal.pdf.

Moysés SJ. O contexto atual para a pesquisa em Saúde Bucal Coletiva. Cad Saúde Pública. 2008; 24(4):718-9.

Novaes HMD. Tecnologias e saúde: a construção social da prática odontológica. In: Botazzo C, Freitas SFT. (Orgs.). Ciências sociais e saúde bucal. São Paulo: UNESP/EDUSC, 1998. p.141-58.

Frazão P. Tecnologias em saúde bucal coletiva. In: Botazzo C, Freitas SFT. (Orgs.). Ciências sociais e saúde bucal. São Paulo: UNESP/EDUSC; 1998.p.159-74.

Brasil. Ministério da Saúde. Brasil Sorridente. Portal do Departamenteo de Atenção Básica (atenção hospitalar). [Acesso em 10 jan. 2017.] Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes /geral/diretrizes_da_politica_nacional_de_saude_bucal.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [Acesso em 10 jan. 2017.] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicaoes/agenda_nacional_prioridades_2ed_3imp.pdf.

Blackmore J, Hugh L. Pesquisa de Políticas. In: Somekh B, Lewin C. (Orgs.). Teoria e Métodos de Pesquisa Social. Rio de Janeiro: Vozes; 2015. p.253-61.

Cejudo GM, Michel CL. Coherencia y polí-ticas públicas: metas, instrumentos y pobla-ciones objetivo. Gestión y Política Pública 2016; 25:3-31.

Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais. [Acesso em 8 jul. 2015]. Disponível em: http://portal.mec. gov.br/index.php?option=com_content&id=12991:diretrizes-curriculares-cursos-de-gra duacao.

Emmerich A, Castiel LD. A ciência odontológica, Sísifo e o “efeito camaleão”. Interface Comun Saúde Educ. 2009; 13(29):339-51.

Freitas AF, Freitas AF, Ferreira MAM. Gestão social como projeto político e prática discursiva. Cad. EBAPE.BR 2016; 14(2):Art. 3.

Gaztanaja J. La política del valor y la políti-ca del significado: tendiendo puentes. Antipod Rev Antropol Arqueol. 2016; 24:111-30.

Trzesniak P. As dimensões da qualidade dos periódicos científicos e sua presença em um instrumento da área da educação. Rev Bras Educ. 2006; 11 (32): 346-377.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v17i2.378

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274