Saúde bucal e Pacientes com Necessidades Especiais: percepções de graduandos em Odontologia da FOB-USP

Juliana Carvalho Jacomine, Rafael Ferreira, Adriana Campos Passanezi Sant’Ana, Maria Lúcia Rubo de Rezende, Sebastião Luiz Aguiar Greghi, Carla Andreotti Damante, Mariana Schutzer Ragghianti Zangrando

Resumo


Pacientes com necessidades especiais (PNE) representam uma porcentagem significativa da população brasileira, correspondendo a 24% da parcela populacional. Entretanto, esses pacientes podem enfrentar diversas barreiras de acesso ao tratamento. O objetivo desse trabalho é conhecer as percepções e dificuldades encontradas por estudantes de Odontologia, referentes ao atendimento de PNE. Foi realizada a aplicação de um questionário aos graduandos do 2º ao 4º ano da Faculdade de Odontologia de Bauru (n=122), com questões referentes ao atendimento odontológico e suas percepções sobre os PNE. Observa-se que parcela significativa dos estudantes não se sentem preparados para esse atendimento, chegando a 95% no 4º ano. Sobre a percepção quanto ao preparo para atender PNE, os graduandos do 4º ano referem-se como regular, enquanto a maioria dos que cursam o 2º e 3º anos acredita não estar preparada para o atendimento. O tratamento odontológico é fundamental para o estabelecimento da saúde bucal dos pacientes, principalmente quando relacionado aos PNE, sendo essencial o conhecimento das limitações e dos recursos que levam ao acolhimento do paciente por parte dos graduandos. O contato com PNE durante a graduação é extremamente importante para o conhecimento e a ruptura de possíveis preconceitos que possam envolver o atendimento dessa população, a fim de promover saúde bucal e qualidade de vida aos PNE

Palavras-chave


Assistência Odontológica. Saúde Bucal. Síndrome de Down. Estudantes de Odontologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. - 4. ed., rev. e atual. – Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2011.

Mugayar L. Pacientes especiais. In: klatchoian DA. Psicologia Odontopediátrica. 2. ed. São Paulo: Santos; 2002. p. 197-241.

Censo 2010 – Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

Dall’magro AK, Dall’magro E, Kuhn GF. Perfil clínico dos pacientes especiais tratados sob anestesia geral no Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo entre os anos de 2005 e 2010. RFO UPF. 2010;15(3):253-6.

Fukuoka CY, Michel-Crossato E, Martins Filho IE, Biazevic MGH, Zaitter WM. Accessibility to dental care for patients with special needs. RSBO. 2011; 8(3):277-81.

Nettina SM. Manual de prática de enfermagem. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

Karst JS, Van Hecke AV. Parent and family impact of autism spectrum disorders: a review and proposed model for intervention evaluation. Clin Child Fam Psychol Rev. 2012;15(3): 247-77.

Fassina AP. Análise das disciplinas de pacientes portadores de necessidades especiais nas Faculdades no Brasil em 2005. São Paulo. Dissertação [Mestrado em Odontologia] - Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo; 2006.

Cruz S, Chi DL, Huebner CE. Oral health services within community-based organizations for young children with special health care needs. Spec Care Dentist. 2016; 36(5): 243-53.

Newacheck PW, McManus M, Fox HB, Hung YY, Halfon N. Access to health care for children with special health care needs. Pediatrics. 2000; 105(4):760-66.

Chi DL, Rossitch KC, Beeles EM. Developmental delays and dental caries in low-income preschoolers in the USA: a pilot cross- sectional study and preliminar explanatory model. BMC Oral Health. 2013;

(13):53.

Thikkurissy S, Lal S. Oral health burden in children with systemic diseases. Dent Clin North Am. 2009; 53(2): 351-7.

Chen AY, Newacheck PW. Insurance coverage and financial burden for families of children with special health care needs. Ambul Pediatr. 2006; 6(4):204-9.

Schultz ST, Shenkin JD, Horowitz AM. Parental perceptions of unmet dental need and cost barriers to care for developmentally disabled children. Pediatr Dent. 2001; 23(4):321-5.

Williams JJ, Spangler CC, Yusaf NK. Barriers to dental care access for patients with special needs in an affluent metropolitan community. Spec Care Dentist. 2015; 35(4):190-6.

Rapalo DM, Davis JL, Burtner P, Bouldin ED. Cost as a barrier to dental care among people with disabilities: a report from the Florida behavioral risk factor surveillance system. Spec Care Dentist. 2010;30(4):133-9.

Santos MTBR, Haddad AS. Quem são os pacientes com necessidades especiais? In: Cardoso RJA, Machado MEL. Odontologia: arte e conhecimento. São Paulo: Artes médicas; 2003. p. 263-8.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 fev 2010; Seção 1.

Brasil. Senado Federal - Projeto de Lei da Câmara nº34, de 2013. Torna obrigatória a prestação de assistência odontológica a pacientes em regime de internação hospitalar, aos portadores de doenças crônicas e, ainda, aos atendidos em regime domiciliar na modalidade home care. Senado Federal 2013. Em tramitação. [Acesso em 4 nov 2016]. Disponível em: http://www25.senado.leg.br/ web/atividade/materias/-/materia/112975.

Moraes ABA, Batista CG, Lombardo I, Horino LE, Rolim GS. Verbalizações de alunos de odontologia sobre a inclusão social de pessoas com deficiência. Psicol Estud. 2006; 11(3):607-15.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União 4 de mar 2002; Seção 1.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i2.434

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274