Explorando fatores que influenciam na prevenção da cárie dentária no atendimento odontológico do serviço público do Estado do Paraná, Brasil

João Paulo Guilherme de Lima, Tânia Harumi Uchida, Regina Maria Pavanello, Raquel Sano Suga Terada, Renata Corrêa Pascotto, Ricardo Pietrobon, Mitsue Fujimaki

Resumo


A cárie é a doença crônica mais comum na infância e leva a perdas dentárias ao longo da vida. Entretanto, a percepção dos cirurgiões-dentistas (CDs) quanto sua prevenção, ainda é pouco explorada. O objetivo do estudo foi explorar as percepções dos CDs que trabalham no Sistema Único de Saúde, no que diz respeito à prevenção da cárie dentária, contribuindo para políticas públicas efetivas, a partir da identificação dos fatores que levam os CDs a uma maior conscientização preventiva. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 18 CDs atuantes nos municípios do Paraná. As entrevistas foram realizadas face a face, conduzidas por um roteiro e gravadas. A transcrição foi realizada de forma manual e analisada segundo o método de análise de conteúdo. Os resultados apontaram treze fatores facilitadores à prevenção, sendo quatro deles fatores emergentes, não descritos anteriormente pela literatura. Dentre os principais fatores que influenciam a prevenção da cárie: consciência preventiva dos CDs, formação acadêmica do profissional e organização do serviço. Assim, a implementação da prevenção depende de vários fatores, como a formação recebida por estudantes de Odontologia, mudanças no atendimento público odontológico e nas condutas adotadas pelos CDs e políticas públicas efetivas que envolvam a comunidade.

Palavras-chave


Pesquisa Qualitativa. Odontologia Preventiva. Cárie Dentária. Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Ghasemi H, Murtomaa H, Torabzadeh H, Vehkalahti MM. Knowledge of and Attitudes towards Preventive Dental Care among Iranian Dentists. Eur J Dent. 2007; 1(4):222–9.

Topaloglu A, Eden E, Frencken JE. Managing dental caries in children in Turkey - a discussion paper. BMC Oral Health. 2009; 9(32):1-9.

Beiruti N. Views on oral health care strategies. East Mediterr Health J. 2005; 11(1-2):209-16.

Gussy MG, Waters E, Kilpatrick NM. A qualitative study exploring barriers to a model of shared care for pre-school children’s oral health. Br Dent J. 2006; 201(3):165-70.

Roncalli AG. Projeto SB Brasil 2010 – Pesquisa Nacional de Saúde Bucal revela importante redução da cárie dentária no país. Cad Saúde Pública. 2011; 27(1):4-5.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal - Resultados Principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Almeida GCM, Ferreira, MAF. Saúde bucal no contexto do Programa Saúde da Família: práticas de prevenção orientadas ao indivíduo e ao coletivo. Cad Saúde Pública. 2008; 24(9):2131-40.

Chaves SCL, Vieira-da-Silva LM. As práticas preventivas no controle da cárie dental: uma síntese de pesquisas. Cad Saúde Pública. 2002; 18(1):129-39.

Threlfall AG, Hunt CM, Milsom KM, Blinkhorn AS. Exploring factors that influence general dental practitioners when providing advice to help prevent caries in children. Br Dent J. 2007; 202(4):1-4.

Dyler TA, Robinson PG. General health promotion in general dental practice - The involvement of the dental team Part 2: A qualitative and quantitative investigation of the views of practice principals in South Yorkshire. Br Dent J. 2006; 201:45-51.

Suga USG, Terada RSS, Ubaldini ALM, Fujimaki M, Pascotto RC, Batilana AP, Pietrobon R, Vissoci JRN, Rodrigues CG. Factors that drive dentists towards or away from dental caries preventive measures: Systematic Review and Metasummary. PLoS ONE. 2014; 9(10). doi:

1371/journal.pone.0107831

Arpalahti I, Tolvanen M, Pienihakkinen K. Comparing Health Promotion Programs in Public Dental Service of Vantaa, Finland: A Clinical Trial in 6-36 Month-Old Childreen. 2013: 757938. doi: 10.1155/2013/757938.

Petersen PE, Bourgeois D, Ogawa H, Estupinan-Day S, Ndiaye C. The global burden of oral diseases and risks to oral health. Bull World Health Organ. 2005; 83: 661-9.

Biernacki P, Waldorf D. Snowball sampling: problems and techniques of chain referral sampling. In: Sociological Methods and Research. 1981; 10:141-63.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6):347-357.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 7a Edição. São Paulo; 2011.

Pucca Jr GA, Lucena EH, Cawahisa PT. Financing national policy on oral health in Brazil in the context of the unified health system. Braz Oral Res. 2010; 24(Suppl 1):26-32.

Pucca Jr GA, Gabriel M, de Araujo ME, de Almeida FCS. Ten Years of a National Oral Health Policy in Brazil: Innovation, Boldness, and Numerous Challenges. J Dent Res. 2015; 94(10):1333-7.

Albuquerque TIP, Sá RMPF, Araújo Jr JLAC. Perspectivas e desafios da “nova” Política Nacional de Promoção da Saúde: para qual arena política aponta a gestão? Ciênc Saúde Colet. 2016; 21(6):1695-1705.

Sbaraini A. What factors influence the provision of preventive care by general dental practitioners? Br Dent J. 2012; 212(11):1-8.

Humphreys RE, Richards W, Gill P. Perception of first year foundation dentists on oral health education and its role in general dental practice. Br Dent J. 2010; 209(12):601-6.

Holloaway PJ, Clarkson JE. Cost: Benefit of prevention in practice. Int Dent J. 1994; 44(4):317-22.

Nettleton S. Dentists and dental health education: a study of the perceptions of 28 community dentists. Community Dent Health. 1989; 6(1):47-60.

Chaves MM. Educação das profissões de saúde: perspectivas para o século XXI. Rev Bras Educ Med. 1996; 20(1):21-27.

Uchida TH, Terada RSS, Tenuta LMA, Fujimaki M. Práticas preventivas realizadas por Técnicos em Saúde Bucal: um estudo qualitativo. Rev Abeno. 2006; 16(1),110-24.

Mattos GCM, Gallagher JE, Paiva SM, Abreu MHNG. Perception of ‘Comprehensiveness of Care’: a qualitative study amongst dentists in the Brazilian Health System. Braz Oral Res. 2015; 29(1):1-7.

Souza IPMA, Jacobina RR. Educação em saúde e suas versões na história brasileira. Rev Baiana Saúde Pub. 2009; 33(4):618-27.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25a Edição. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Escorel S, Giovanella L, De Mendonça M, Magalhães H, Senna MCM. O programa de saúde da família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2007; 21(2):164-74.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Departamento de Atenção Básica - Portal da Saúde. [Accessed: 5 June, 2016]. Available at: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp _como_funciona.php?conteudo=esf.

World Health Organization (WHO). A conceptual framework for action on the social determinants of Health. 2007. [Accessed: 19 Oct. 2017]. Available at: http://www.who.int/social_determinants/resources/csdh_framework_acti

on_05_07.pdf.

Bedos C, Apelian N, Vergnes JN. Time to Developed Social Dentistry. J Dent Res. 2017; 3(1): 109-110.

Matos PES, Tomita NE. A inserção da saúde bucal no Programa Saúde da Família: da universidade aos pólos de capacitação. Cad Saúde Pública. 2004; 20(6):1538-44.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i2.583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274