Disciplina interprofissional em saúde: avaliação de discentes de Odontologia

Amanda Meira Saraiva, Isabela Regina Grilo Silva, Luiz Fernando Lolli, Mitsue Fujimaki, Rozilda das Neves Alves, Edson Roberto Arpini Miguel, Nadeje da Rocha Mialchi, Najara Barbosa da Rocha

Resumo


A educação interprofissional é uma estratégia pedagógica na qual duas ou mais profissões trabalham e aprendem juntas, priorizando a integração, com a finalidade de mudar o perfil profissional na área da saúde e melhorar a qualidade do cuidado e resolutividade na atenção primária. A disciplina Atenção em Saúde é uma proposta interprofissional, desenvolvida em sete cursos da área da saúde na Universidade Estadual de Maringá, oportunizando ao aluno vivência no Sistema Único de Saúde (SUS), utilizando a problematização de situações em equipe. Objetivou-se apresentar a avaliação dos estudantes de Odontologia sobre a disciplina Atenção em Saúde, por meio da análise das narrativas de seus portfólios avaliativos. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com análise documental como técnica de investigação, com amostragem até saturação dos dados. A análise dos documentos permitiu mostrar que os acadêmicos ressaltam a importância do trabalho interprofissional, beneficiando trabalhadores e pacientes e a relevância do cirurgião-dentista na equipe de saúde. Constatou-se o conhecimento experienciado do aluno sobre o SUS, capaz de destacar falhas e qualidades, bem como o reconhecimento sobre a eficácia do modelo ativo de aprendizagem, para capacitá-los a enfrentar positivamente as adversidades. Conclui-se que os acadêmicos apontaram as práticas colaborativas interprofissionais e a utilização de metodologias ativas de ensino- aprendizagem como estratégias positivas para formação qualificada, estando em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais de Odontologia quanto à formação profissional para o trabalho em equipe e compreensão das reais necessidades de saúde da população.

Palavras-chave


Odontologia. Educação Superior. Saúde. Aprendizagem Baseada em Problemas. Avaliação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Conterno SFR, Lopes RE. Inovações do século passado: origens dos referenciais pedagógicos na formação profissional em saúde. Rev Trab Educ Saúde. 2013;11(3):503-23.

Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):455-64.

Peduzzi M, Carvalho BG, Mandú ENT, Souza GC, Silva JAM. Trabalho em equipe na perspectiva da gerência de serviços de saúde: instrumentos para a construção da prática interprofissional. Physis. 2011;21(2):629-46.

Aguilar-da-Silva RH, Scapin LT, Batista NA. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação (Campinas). 2011;16(1):165-84.

Carvalho WM, Cawahisa PT, Scheibel PC, Botelho JN, Terada RSS, Rocha NB, et al. Aceitação da utilização de metodologias ativas nos estágios no SUS por discentes da graduação e pós-graduação em Odontologia. Rev ABENO. 2016;16(1):88-98.

Goelen G, de Clercq G, Huyghens L, Kerckhofs E. Measuring the effect of interprofessional problem-based learning on the attitudes of undergraduate health care students. Med Educ J. 2006;40(6):555-61.

Hind M, Norman I, Cooper S, Gill E, Hilton R, Judd P, Jones S. Interprofessional perceptions of health care students. J Interprof Care. 2003;17(1):21-34.

Organização Mundial de Saúde. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: OMS. 2010. [Acesso em: 08 fev. 2017]. Disponível em: http://www.sbfa.org.br/fnepas/oms_traduzido_2010.pdf.

McNair R, Stone N, Sims J, Curtis C. Australian evidence for interprofessional education contributing to effective team work preparation and interest in rural practice. J Interprof Care. 2005;19(6):579-94.

Chesani FH, Maestrelli SRP, Cutolo LRA, Nunes R. Aprendizagem baseada em problemas e a formação do fisioterapeuta: estudo de caso. Rev Trab Educ Saúde. 2017;15(3):931-50.

Terada RSS, Nakama L. A implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais de Odontologia: a experiência de Maringá. São Paulo: Hucitec. 2004.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Odontologia, Brasília, DF, 19 fev. 2002. [Acesso em: 09 fev. 2017]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf.

Terada RSS, Hayacibara MF, Rigolon CJ, Silva MC, Lolli LF, Hidalgo MM. Implementação do Pró-Saúde no Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Maringá. Rev ABENO. 2010;10(2):64-71.

Yamakami SA, Albiero ALM, Baesso ML, Fujimaki M, Terada RSS, Pascotto RC. Desenvolvendo o paradigma da integralidade no cuidado à saúde no PET-Saúde/UEM: relato de experiência: atuação de maneira articulada no cuidado integral à saúde da comunidade. Rev ABENO. 2014;14(1):47-56.

Rocha NB, Silva MC, Silva IRG, Lolli LF, Fujimaki M, Alves RN. Percepções de aprendizagem sobre disciplina interprofissional em Odontologia. Rev ABENO. 2017;17(3):41-54.

Batista NA. Educação Interprofissional em Saúde: concepções e práticas. Cad FNEPAS.2012;2(1):25-28.

Toassi RFC, Lewgoy AMB. Práticas Integradas em Saúde I: uma experiência inovadora de integração intercurricular e interdisciplinar. Interface (Botucatu).2016;20(57):449-61.

Prado MLD, Velho MB, Espíndola DS, Sobrinho SH, Backes VMS. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc Anna Nery. 2012;16(1):172-7.

Vieira VMO. Portfólio: uma proposta de avaliação como reconstrução do processo de aprendizagem. Psicol Esc Educ. 2002; 6(2):149-53.

Rangel JNM. O portfólio e a avaliação no ensino superior. Est Aval Educ. 2003; (28):145-60.

Frota MMA, Menezes LMBD, Alencar CH, Jorge LDS, Almeida MELD. O portfólio como estratégia facilitadora do processo de ensino-aprendizagem para a formação em odontologia: Adequação de metodologias de ensino utilizando o ambiente virtual de aprendizagem. Rev ABENO. 2011;11(1):23-8.

Bardin L. Análise de conteúdo. 3. ed. São Paulo: Ed. 70, 2004.

Cooper H, Spencer-Dawer E, McLean E. Beginning the process of

teamwork: design, implementation and evaluation of an inter-professional education intervention for first year undergraduate students. J Interprof Care. 2005;19(5):492-508.

Barr H, Freeth D, Hammick M, Koppel I, Reeves S. Evaluations of interprofessional education: a United Kingdom review of health and social care. London: CAIPE/BERA. 2000.

Kruger LM. Método Tradicional e Método Construtivista de ensino no processo de aprendizagem: uma investigação com os acadêmicos da disciplina Contabilidade III do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. ROC. 2013:219-70

Cotta RMM, Silva LS, Lopes LL, Gomes KO, Cotta FM, Lugarinho R, Mitre SM. Construção de portfólios coletivos em currículos tradicionais: uma proposta inovadora de ensino-aprendizagem. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(3):787-96.

Rocha NHN, Bevilacqua PD, Barletto M. Metodologias participativas e educação permanente na formação de agentes comunitários/as de saúde. Rev Trab Educ Saúde. 2015;13(3):597-615.

Rocha JS, Dias GF, Campanha NH, Baldani MH. O uso da aprendizagem baseada em problemas na Odontologia: uma revisão crítica da literatura. Rev ABENO. 2016;16(1):25-38.

Marin MJS, Lima EFG, Paviotti AB, Matsuyama DT, Silva LKDD, Gonzalez C, et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Rev Bras Educ Méd. 2010;34(1):13-20.

Santos NR. Desenvolvimento do SUS, rumos estratégicos e estratégias para visualização dos rumos. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):429-35.

Cardoso JP, Vilela ABA, Souza NR, Vasconcelos CCO, Caricchio GMN. Formação interdisciplinar: efetivando propostas de promoção da saúde no SUS. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;20(4):252-8.

Soares LT. As atuais políticas de saúde: os riscos do desmonte neoliberal. Rev Bras Enf. 2000;53:17-24.

Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):335-42.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i4.598

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274