Tecnologias digitais de informação e comunicação como suporte ao Estágio em Odontologia

Myrna Maria Arcanjo Frota Barros, Hermínio Borges Neto, Maria do Socorro de Sousa, Paulo Goberlanio de Barros Silva, Cinthia Nara Gadelha Teixeira, Maria Eneide Leitão de Almeida

Resumo


O estudo visou aplicar as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) como suporte ao ensino no campo estágio em Odontologia através de um ambiente virtual de ensino (AVE) aberto, que atendesse às necessidades do estágio. Foi elaborado um sistema de avaliação que analisou os diversos aspectos da aprendizagem em campo. Foi implementado um portfólio de atividades como estratégia educativa no AVE e elaboradas categorias e critérios para sua análise. As ferramentas mais usadas no AVE foram o portfólio, o fórum de discussão e o diário de bordo, segundo a opinião dos estudantes. Aproximadamente 80% dos estudantes e 100% dos preceptores afirmaram que a inserção do AVE favoreceu o processo de ensino-aprendizagem. As ferramentas digitais criadas foram consideradas facilitadoras da aprendizagem pelos estudantes e preceptores avaliados. As TDIC contribuíam para a melhoria dos cursos de graduação, envolvendo de forma mais intensa alunos e professores, integrando-os às estratégias de comunicação, muitas vezes já tão utilizadas em contextos diversos fora da universidade.  Foi possível caracterizar os estudantes analisados como sendo a maioria do sexo feminino, solteiros e sem filhos. Além disso, a maioria dos discentes somente estuda. Os estudantes avaliaram como positivo o desempenho dos preceptores.  Não foram relatadas dificuldades vivenciadas pelos estudantes e preceptores com a utilização do AVE. O uso dessas tecnologias focou nos componentes curriculares do curso envolvidos, priorizando o acesso síncrono e assíncrono aos conteúdos, a autonomia dos discentes e a disseminação de uma cultura digital. A adequação das metodologias de ensino, permitiu melhorias no desempenho acadêmico dos alunos, professores e preceptores e estimulou o processo de educação permanente, facilitando o ensino-aprendizagem no Estágio em Odontologia.


Palavras-chave


Educação em Saúde. Avaliação Educacional. Educação a distância.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Werneck MAF, Senna MIB, Drumond MM, Lucas SD. Nem tudo é estágio: contribuições para o debate. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15 (1): 221-31.

Santos KT, Batista RJ, Bitencourt CTF, Araújo RP, Carvalho RB. Percepção discente sobre a influência de estágio extramuro na formação acadêmica odontológica. Rev Odontol UNESP 2013; 42(6): 420-25.

Toassi RFC, Davoglio RS, Lemos VMA. Integração ensino-serviço-comunidade: o estágio na atenção básica da graduação em odontologia. Educ Rev 2012; 28(4):232-42.

Frota MMA, Menezes LMB, Alencar CH, Jorge LS, Almeida MEL. O portfólio como estratégia facilitadora do processo de ensino-aprendizagem para a formação em odontologia. Adequação de metodologias de ensino utilizando o ambiente virtual de aprendizagem. Rev ABENO 2011; 11(1): 23-28.

Rocha VH. O ambiente TelEduc para Educação à Distância baseada na Web: Princípios, Funcionalidades e Perspectivas de desenvolvimento. In: Moraes MC, organizadores. Educação à Distância: Fundamentos e Práticas. Campinas: Unicamp/Nied; 2002. p. 197-212.

Perrenoud P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas; 1999.

Romani LAS. Intermap: Ferramenta para Visualização da Interação em Ambientes de Educação a Distância na Web [dissertação]. Unicamp; 2000.

Otsuka JL, Ferreira TB, Lachi RL Rocha HV. Um modelo de suporte à avaliação formativa no ambiente TelEduc. RBIE 2003; 11(2):1-12.

Carvalho ACP. O “milagre” da multiplicação dos cursos. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1997; 51(4): 310-18.

Galassi MS. Expectativas do cirurgião-dentista em relação ao mercado de trabalho. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2004; 58(1): 67-70.

Bertolin JCG, Marchi ACB. Instrumentos para avaliar disciplinas da modalidade semipresencial: uma proposta baseada em sistemas de indicadores. Avaliação (Campinas) 2010; 15(3): 131-146.

Brasil. Ministério da Educação. Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância. Secretaria de Educação a Distância. Brasília, 2007; ago.

ABRAEAD. Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância. 4ª Edição. São Paulo: Instituto Monitor 2008.

INEP/MEC. Na Medida – Boletim de Estudos Educacionais do Inep. Ano 1, número 3 2009; set.

Vieira VMO. Portfólio: uma proposta de avaliação como reconstrução do processo de aprendizagem. Psic Esc Educ. 2002; 6(2):149-53.

Bassani OS, Bearh PA. Análise das interações em ambientes virtuais de aprendizagem: uma possibilidade para avaliação da aprendizagem em EaD. RENOTE 2006; 4(1): 1-10.

Schlemmer E, Saccol AZ, Garrido S. Um modelo sistêmico de avaliação de softwares para educação a distância como apoio à gestão de EaD. REGE USP 2007;14(1):77-91.

Barbosa, MFSO; Rezende, F. A prática dos tutores em um programa de formação pedagógica à distância: avanços e desafios. Interface (Botucatu) 2006; 10(20):473-86.

Ariana A, et al. Integration of Traditional and E-Learning Methods to Improve Learning Outcomes for Dental Students in Histopathology. J Dent Educ. 2016; 80(9):1140-8.

Olmsted JL. Direct assessment as a measure of institutional effectiveness in a dental hygiene distance education program. J Dent Educ 2014; 78(10):1460-7.

dos Santos CM, Bulgarelli PT, Frichembruder K, Colvara BC, Hugo FN.. Avaliação da qualidade de aprendizagem no ambiente virtual (Moodle) em saúde bucal, na perspectiva dos discentes. Rev ABENO 2018; 18(1): 116-23.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i2.670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274