Perfil dos estudantes de Odontologia brasileiros que participaram do Programa Ciência sem Fronteiras e suas percepções sobre a graduação

Marina Lua Vieira de Abreu Costa, Thaís Santos Martins, Alexandre Henrique de Melo Simplicio, Regina Ferraz Mendes, Fábio Solon Tajra, Lynn Austin, Marcoeli Silva de Moura

Resumo


O programa Ciência sem Fronteiras (CsF) foi criado em 2011 com o objetivo de internacionalizar a educação no Brasil e prover treinamento altamente qualificado no exterior. Entretanto, em 2015, encerrou a oferta de bolsas de estudo para alunos de graduação, que permitiam diversas oportunidades. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil de graduandos de Odontologia que participaram do programa CsF e suas percepções sobre essa experiência. Trata-se de uma pesquisa avaliativa desenvolvida com estudantes que participaram do CsF na modalidade sanduíche, em que o estudante continua matriculado em sua universidade de origem enquanto estuda por período em outra instituição no exterior. Um questionário semiestruturado foi desenvolvido utilizando a plataforma digital GoogleDocs®, abordando o perfil sociodemográfico e acadêmico dos participantes e aspectos relacionados à organização e ao funcionamento do programa. Dos 745 estudantes de Odontologia participantes do CsF, 109 (14,6%) responderam ao questionário. A maioria era do sexo feminino (65,1%), oriundos de instituições públicas (89%), localizadas no Nordeste (34,9%) e Sudeste (26,6%), com proficiência em inglês (82,6%) e intenção de se tornar pesquisador (51,4%). Os bolsistas indicaram que os objetivos do programa foram parcialmente cumpridos (59,63%). Consideraram-se mais qualificados, profissionalmente, devido à graduação sanduíche oferecida pelo CsF. No entanto, apontaram várias limitações: a falta de organização das instituições de fomento, de aproveitamento de disciplinas e de mecanismos de controle e inspeção. Foi possível traçar o perfil dos participantes do programa, bem como caracterizar o funcionamento do CsF para os estudantes de Odontologia, de acordo com suas percepções.


Palavras-chave


Educação em Odontologia. Intercâmbio Educacional Internacional. Educação Superior.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Knight J. An internationalization model: meaning, rationales, approaches, and strategies. In J. Knight, Higher Education in Turmoil: The Changing World of Internationalization. Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers. 2008: 19-38

Sehnem PR. Os programas Erasmus e Ciência sem Fronteiras como materialização da internacionalização universitária. Brazilian J Dev. 2019;5(1):533-55.

Brasil. Decreto nº 7642, December 13, 2011. Institui o Programa Ciência Sem Fronteiras. Diário Oficial, Brasília, DF: Dec 13 2011.

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira-INEP. Indicadores Financeiros Educacionais - INEP [Internet]. 2015 [cited 15 February, 2015]. Available from: http://portal.inep.gov.br/indicadores-financeiros-educacionais

Editorial Estadão. O fim do Ciência sem Fronteiras. O Estado de São Paulo. São Paulo, SP: September 25, 2015. [cited 25 June, 2017]. Available from: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,o-fim-do-ciencia-sem-fronteiras,10000000076

Menino F. O fim do Ciência sem Fronteiras - Geral - Estadão [Internet]. Estadão. 2015 [cited 25 June, 2017]. Available from: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,o-fim-do-ciencia-sem-fronteiras,10000000076

McManus C, Nobre CA. Brazilian scientific mobility program - Science without borders – Preliminary results and perspectives. An Acad Bras Cienc. 2017;89(1):773-86.

Morita MC, Haddad AE, Araújo ME. Perfil atual e tendências do cirurgião dentista brasileiro. Maringá: Dental Press, 2010. 96p.

McKay JC, Quiñonez CR. The Feminization of Dentistry: implications for the Profession. J Can Dent Assoc. 2012;78:c1.

Schmidt A, Martin S, Chisini LA, Martelli S, Morello LR. Distribuição dos cursos de Odontologia e de cirurgiões-dentistas no Brasil: uma visão do mercado de trabalho. Rev ABENO. 2018;18(1):63-73.

Idioma é o maior obstáculo para Ciência sem Fronteiras; inscrição vai até 24 de janeiro. UOL Educação. UOL. São Paulo, SP: January 08, 2013. [cited 25 June, 2017]. Available from: https://educacao.uol.com.br/ noticias/2013/01/04/idioma-e-o-maior-obstaculo-para-ciencia-sem-fronteiras-inscricao-vai-ate-14-de-janeiro.htm

Finardi KR, Rojo ARO. Globalization, internationalization and education: what is the connection? Int E-Journal Adv Educ. 2015; I(1):18-25.

Perna LW, Orosz K, Jumakulov Z et al. Understanding the programmatic and contextual forces that influence participation in a government-sponsored international student-mobility program. High Educ. 69: 173. 2015.

Pithan SA, Nunes MF, Pires LC. Science without Borders in professional training: perceptions of Dental students from UFSM. Rev ABENO. 2018;18(1):2-14.

Fulbright. Brazilian Education System. [cited 4 Sept, 2016]. Available from: http://www.fulbright.org.br/content/view/68/97/

Mendonça A, Santana H. Estágio no Departamento de Odontopediatria da Universidade da Flórida: um relato de experiência. Rev ABENO. 2018;18(1):93-102.

Grieco JA. Fostering cross-border learning and engagement through study abroad scholarships: Lessons from Brazil's Science Without Borders Program. 2015. 149. (Order No. 1604503). University of Toronto (Canada), Ann Arbor: 2015.

Martinez KL. Dilemas na implementação do programa Ciência sem Fronteiras: análise do perfil socioeconômico dos acadêmicos do campus da UFSC [dissertation]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

Capes. Manual de Candidatura Programa de Graduação Sanduíche. Diretoria de Relações Internacionais – DRI, Coordenação-Geral de Bolsas e Projetos – CGBP, Coordenação de Candidaturas a Bolsas e Auxílios no Exterior – CCE. Brasília, DF: April 2015.

Rivas RM, Mullet S. Countervailing institutional forces that shape internationalization of science: an analysis of Brazil’s Science without Borders program. RAI Rev Adm Inov. 2016;13(1):12-21.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i1.695

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274