Estudantes de Odontologia cotistas e o instrumental odontológico

Angela Barbosa Martins, Ida Helena Carvalho Francescantonio Menezes, Maria Goretti Queiroz

Resumo


A Política de Cotas para o ensino superior no Brasil propõe a reserva de vagas para estudantes oriundos de escolas públicas, pretos, pardos, indígenas e de baixo poder aquisitivo. A aquisição do instrumental exigido no curso de Odontologia representa uma dificuldade para a permanência da maioria desses estudantes. O objetivo deste estudo foi conhecer a experiência de cotistas em relação à aquisição e uso dos instrumentais e materiais para as aulas práticas de um curso de graduação em Odontologia. Foi realizada pesquisa de abordagem qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas, com 16 estudantes de todos os anos do curso, de todas as modalidades de cotas segundo a Lei 12.711/2012, escolhidos de forma aleatória. O tratamento dos dados baseou-se na modalidade temática da Análise de Conteúdo, de onde emergiram três categorias: “Inclusão”, “Exclusão” e “Discriminação”. O apoio da comunidade universitária, família e colegas figura como mecanismo de inclusão, por favorecer a permanência desses estudantes, assim como o programa de empréstimo de instrumental a estudantes de baixa renda dessa Universidade. Por outro lado, o programa também foi considerado fator de exclusão por não oferecer todo instrumental solicitado e alguns apresentarem baixa qualidade. Os entrevistados relataram sofrer discriminação, por pequena parte dos professores, e se sentirem excluídos quando utilizam instrumentos fora do padrão exigido. O desafio para a instituição pesquisada é garantir as adequadas condições materiais para o aprendizado desses estudantes, propor estratégias para a melhoria do programa de instrumental e implementar ações visando à capacitação docente.


Palavras-chave


Ação Afirmativa. Estudante de Odontologia. Odontologia. Política Pública. Universidades.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Dias Sobrinho J. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educ Soc. 2010; 31(113): 1223-45.

Souza AC, Brandalise MAT. Democratização, justiça social e igualdade na avaliação de uma política afirmativa: com a palavra, os estudantes. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2015; 23(86): 181-212.

Bezerra TOC, Gurgel CA. A política pública de cotas em Universidades, Desempenho Acadêmico e Inclusão Social. SBIJ. 2011; (9):1-22.

Brasil. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Lei de Cotas: dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Diário Oficial da União. 30 ago 2012; Seção 1. p 1-2.

Cunha EMP. Sistema universal e sistema de cotas para negros na universidade de Brasília: um estudo de desempenho [Tese]. Brasília: Universidade de Brasília - UNB; 2006.

Resende ACA, Queiroz EMO, Faria GGG. A dialética inclusão/exclusão na experiência do programa UFGInclui. Rev Bras Est Pedag. 2012 jan/abr; 93(23): 120-34.

Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantes (FONAPRACE). IV Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras. 2016 [acesso em 09 set 2019]. Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/ uploads/2017/11/Pesquisa-de-Perfil-dos-Graduanso-das-IFES_2014.pdf.

Lemos IB. Narrativas de cotistas raciais sobre suas experiências na universidade. Rev Bras Educ. 2017; 22(71):1-25.

Neves PSC, Faro A, Schmitz H. As ações afirmativas na Universidade Federal de Sergipe e o reconhecimento social: a face oculta das avaliações. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2016; 24(90):127-60.

Brasil. Decreto nº 7.234, de 19 de julho de 2010. Institui o Plano Nacional de Assistência Estudantil – Pnaes. Diário Oficial da União. 2010 jul 20; Seção 1. p. 1-2.

Minayo MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 1 ed rev e amp. São Paulo: Edições 70; 2016.

Moraes R. Análise de Conteúdo. Rev Educ. 1999; 22(37): 7-32.

Minayo MCS (org.), Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 34 ed. Petrópolis: Vozes; 2015.

Zunino LMR, Bastos JLD, Coelho IZ, Massignam FM. A discriminação no ambiente universitário: quem, onde e por quê? Sau & Transf Soc. 2016; 6(1): 13-30.

Toassi RFC, Souza JM, Rosing CK, Baumgarten, A. Perfil sociodemográfico e perspectivas em relação à profissão do estudante de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Facul Odontol Porto Alegre. 2011; 52(1/3):25-32.

Ristoff D. Perfil socioeconômico do estudante de graduação: uma análise de dois ciclos completos do Enade (2004 a 2009). Flacso Brasil, Cadernos do GEA 2013; (4): 1-32.

Universidade Federal do Pará [homepage na Internet]. [Acesso em 9 set 2019]. Disponível em: http://saest.ufpa.br/portal/.

Universidade Federal do Maranhão [homepage na Internet]. [Acesso em 9 set 2019]. Disponível em: http://portais.ufma. br/PortalProReitoria/proaes/paginas/pagina_estatica.jsf?id=942.

Universidade Federal de Uberlândia [homepage na Internet]. [Acesso em 9 set 2019]. Disponível em: http://www.ufu. br/assistencia-estudantil.

Mayorga C, Souza LM. Ação Afirmativa na Universidade: a permanência em foco. Ver Psicol Polit. 2012; 12(24):263-81.

Souza JM, Sousa MG, Toassi RFC. Democratização do acesso à educação superior pública a partir do REUNI: o curso noturno de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Criar Educação: Rev Program Pós-Grad em Educ – UNESC. 2015; 4(1): 1-21.

Latreille AC, Sobrinho SM, Warmling AMF, Ribeiro DM, Amante CJ. Perfil socioeconômico dos graduandos em Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev ABENO. 2015; 15(1): 86-96.

Santos BRM, Gonzales PS, Carrer FCA, Araújo ME. Perfil e expectativas dos ingressantes da Faculdade de Odontologia da USP: uma visão integrada com as diretrizes curriculares nacionais e o Sistema Único de Saúde. Rev ABENO. 2015; 15(1): 28-37.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.646, de 5 de agosto de 2014. Institui o componente GraduaCEO - BRASIL SORRIDENTE, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, que irá compor a Rede de Atenção à Saúde (RAS), e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2014 ago, 5.

Morita MC, Amante CJ, Tanaka EE, Porto NA, Hayassy A, Miguel LCM, et. al. Instrumentais Odontológicos essenciais para a graduação em Odontologia. Rev ABENO. 2016; 16(Supl1): 3-35.

Cruz GV, Pereira WR. Diferentes configurações da violência nas relações pedagógicas entre docentes e discentes do ensino superior. Rev Bras Enf. 2013; 66(2): 241-50.

Cavaca AG, Esposti CDD, Santos-Neto ET, Gomes MJ. Relação professor-aluno no ensino da odontologia na Universidade Federal do Espírito Santo. Trab Educ Saúde. 2010; 8(2): 305-318.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i3.763

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274