Percepções de especialistas em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais sobre as motivações da escolha e a atuação profissional

Tirza de Oliveira Cruz, Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima

Resumo


O artigo analisa as motivações e veredas do processo de escolha pela Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais e da atuação profissional de especialistas na área, atuantes em um município catarinense. Estudo qualitativo, exploratório-descritivo, cujos dados foram coletados por entrevistas semiestruturadas com 05 cirurgiões-dentistas, analisados por meio da análise temática ajustada. Quando indagados sobre a motivação que os conduziu à escolha pela especialidade, os participantes revelaram: o caráter versátil da área, de natureza integrativa e não apenas reparadora; a cultura experimentada e produzida desde a tenra idade, identificação e preferência. As veredas percorridas no processo de escolha e na atuação profissional foram influenciadas pelo bom relacionamento com professores, concomitante a um bom embasamento teórico em cirurgia; participação em monitoria; atividade extracurricular (estágio); e, satisfação pessoal. No mix público-privado, depoimentos sinalizaram a ampliação da área, a tendência à saturação do mercado privado, o trânsito entre mercados, a formação de qualidade e o mérito de aproveitar o que é ofertado, além de apontamentos sobre a dificuldade em ingressar no setor público, ainda que a demanda seja realidade. O Centro de Especialidades Odontológicas do Sistema Único de Saúde foi apresentado como lócus de oferta promissora de trabalho e como estratégia para início de carreira. Novos estudos qualitativos de abordagem bioética são necessários e oportunos.


Palavras-chave


Especialização. Pesquisa Qualitativa. Recursos Humanos em Odontologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Moretto CF. Educação superior e atuação profissional: trabalho e emprego na percepção dos universitários gaúchos. Análise. 2006; 17:243-57.

Zanella AV. Atividade, significação e constituição do sujeito: considerações à luz da Psicologia Histórico-Cultural. Psicol Estud. 2004; 9 (1): 127-35.

Sousa IQ, Silva CP, Caldas CAM. Especialidade médica: escolhas e influências. Rev Bras Educ Med. 2014; (8) 1: 79-86.

Ono H. Who goes to college? Features of institutional tracking in japanese higher education. The European Institute of Japanese Studies, Stockholm: June; 2000.

Berger MC. Predicted future earnings and choice of college major. Ind Labor Relat Rev. 1988; 41 (3): 418-29.

Almeida MEGG, Magalhães AS. Escolha profissional na contemporaneidade: projeto individual e projeto familiar. Rev Bras Orient Prof. 2011; 12 (2): 205-14.

Pinto TMG, Castanho MIS. Sentidos da escolha e da orientação profissional: um estudo com universitários. Estud Psicol (Campinas). 2012; 29 (3): 395-413.

Ferreira RA, Perret Filho LA, Goulart EMA. O estudante de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais: perfil e tendências. Rev Assoc Med Bras. 2000; 46 (3): 224-31.

Costa SM, Durães SJA, Abreu MHNG, Bonan PRF, Vasconcelos M. Motivos de escolha da Odontologia: vocação, opção ou necessidade? Arq Cent Estud Curso Odontol. 2010; 46 (1): 28-37.

Brustolin J, Brustolin J, Toassi RFC, Kuhnen M. Perfil do acadêmico de odontologia da Universidade do Planalto Catarinense- Lages- SC, Brasil. Rev ABENO. 2006; 6 (1): 70-6.

Souza FA, Bottan ER, Uriarte Neto, M, Bueno RN. Por que escolher odontologia? E o que esperar da profissão? Estudo com acadêmicos do curso de Odontologia da Univali. Odontol Clín-Cient. 2012; 11 (1): 45-9.

Freire MCM, Jordão LMR, Ferreira NP, Nunes MF, Queiroz MG, Leles CR. Motivation towards career choice of Brazilian freshman students in a fifteen year-period. J Dent Educ. 2011; 75 (1): 115-21.

Santos BRM, Gonzales OS, Carrer FC, Araújo ME. Perfil e expectativas dos ingressantes da Faculdade de Odontologia da USP: uma visão integrada com as diretrizes curriculares nacionais e o sistema único de saúde. Rev ABENO. 2015; 15 (1): 28-37.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Bucal. [Acesso em 10 jun. 2018]. Disponível em: http:// dab.saude.gov.br/portaldab/ape_brasil_ sorridente.php?conteudo=ceo

Costa SM. Desigualdades na distribuição da cárie dentária no Brasil: uma abordagem bioética. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18 (2): 461-70.

Gomes D, Ramos FRS. A subjetividade do profissional da odontologia pós-reestruturação produtiva: ética e especialização. Trab Educ Saúde. 2015; 13 (2): 451-72.

Conselho Federal de Odontologia. Resolução CFO-185/93, de 26 de abril de 1993. [Acesso em 19 jun. 2018]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/ restauradora/etica/rcfo185_93.htm#t1cap8sec1

Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-faciais. O que é cirurgia buco-maxilo-facial. [Acesso em 19 jun. 2018]. Disponível em: http://www.bucomaxilo.org.br/

Baldin N, Munhoz EMB. Educação ambiental comunitária: uma experiência com a técnica de pesquisa snowball (bola de neve). Rev Eletr Mestr Educ Ambient. 2011; 27: 46-60.

Vinuto J. Amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas. 2014; 22 (44): 203-20.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. RPQ. 2017; 5 (7): 1-12.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Sennett R. A corrosão do caráter: As consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record; 2005.

Aranega AM, Bassi APF, Ponzoni D, Wayama MT, Esteves JC, Garcia Junior IR. Qual a importância da Odontologia Hospitalar? Rev Bras Odontol. 2012; 69 (1): 90-3.

Sell CE. Racionalidade e Racionalização em Max Weber. Rev Bras Ci Soc. 2012; 27(79): 153-233.

Ribeiro CTM, Ribeiro MG, Araújo AP, Mello LR, Rubim LC, Ferreira JES. O sistema público de saúde e as ações de reabilitação no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2010; 28 (1): 43-8.

Coelho AEBD, Lobo ST. Gestão participativa na organização de uma rede de reabilitação em saúde pública. Rev Virt Gestão Iniciat Soc. 2004; 1: 37-45.

Hossne WS, Segre M. Dos referenciais da Bioética – a Alteridade. Bioethikos. 2011; 5 (1): 35-40.

Sousa, JE, Maciel, LKB, Oliveira CASO, Zocratto KBF. Mercado de trabalho em Odontologia: perspectivas dos estudantes concluintes de faculdades privadas. Rev ABENO. 2017; 17 (1): 74-86.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Memórias da Saúde da Família no Brasil. Brasília: MS; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. [Publicado no Diário Oficial da República Federativa do Brasil;

; dez 29; n. 601; Seção 1:85].

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 673/GM, de 3 de junho de 2003. Atualiza e revê o incentivo financeiro às Ações de Saúde Bucal, no âmbito do Programa de Saúde da Família, parte integrante do Piso de Atenção Básica – PAB. [Publicado no Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 2003; jun 4; n. 106; Seção 1:44].

Mattos GCM, Ferreira EF, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na Estratégia Saúde da Família: entraves, avanços e desafios. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(2): 373-82.

Ferreira NP, Ferreira AP, Freire MCM. Mercado de trabalho na Odontologia: contextualização e perspectivas. Rev Odontol UNESP. 2013; 42 (4): 304-9.

Matos MS, Tenório RM. Expectativas de estudantes de Odontologia sobre o campo de trabalho odontológico e o exercício profissional. Rev Bras Pesq Saúde. 2011; 13 (4): 10-21.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i4.789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274