Biossegurança em Odontologia: conduta dos estudantes antes e após uma ação educativa

Amanda Lívia Lopes, Lorrany Gabriela Rodrigues, Lívia Guimarães Zina, Andréa Clemente Palmier, Fabiana Vargas-Ferreira, Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu, Mara Vasconcelos

Resumo


O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento e a adesão dos estudantes de graduação em Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais quanto às normas de biossegurança e controle da infecção. Trata-se de um estudo transversal descritivo realizado com alunos do 4° ao 10° período, matriculados no segundo semestre de 2017. Houve uma intervenção que buscou reforçar os conhecimentos de biossegurança por meio da distribuição de folhetos informativos aos estudantes e afixação de pôsteres em locais de maior circulação. Foram coletadas informações sociodemográficas e relativas à biossegurança antes e após a intervenção, por meio de um questionário validado. Foram realizadas análises descritivas e bivariada por meio do teste qui-quadrado. A amostra constituiu de 653 estudantes, a maioria do sexo feminino, cursando entre o 7° e o 10° períodos, com média de idade de 22,6 anos. Quanto à proteção mecânica dos instrumentos de trabalho, tanto antes quanto após a ação, mais de 80% responderam sempre utilizar barreiras. Houve redução das frequências de desinfecção do ambiente e uso de equipamentos de proteção individual. A frequência de lavagem dos instrumentais aumentou de 95,4% para 96,6% após a intervenção, enquanto a esterilização reduziu de 100% para 98,8%. Houve associação entre o uso de equipamentos de proteção individual com o sexo feminino e os períodos iniciais do curso (p<0,001). Conclui-se que os estudantes do sexo feminino e dos períodos iniciais aderem com maior frequência às normas de biossegurança. Os conhecimentos sobre biossegurança não foram satisfatórios para o controle da infecção, mesmo após a ação educativa.


Palavras-chave


Controle de Infecções. Contenção de Riscos Biológicos. Ensino. Esterilização. Equipamento de Proteção Individual.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Engelmann AI, Daí AA, Miura CSN, Bremm LL, Boleta-Ceranto DCF. Avaliação dos procedimentos realizados por cirurgiões-dentistas da região de Cascavel-PR visando ao controle da biossegurança. Odontol Clín-Cient. 2010;9(2):161-5.

Xerez JE, Neto HC, Júnior FL, Maia CA, Galvão HC, Górdon-Núñez MA. Perfil de Acadêmicos de Odontologia sobre Biossegurança. Rev Fac Odontol Porto Alegre. 2012;53(1):11-5.

Oliveira JS, Nery AA, Morais RLGL, Robazzi MLCC. Acidentes com perfurocortante entre trabalhadores de saúde. Rev APS. 2015;18(1):108-15.

Pimentel MJ, Filho MMVB, Santos JP, Rosa MRD. Biossegurança: comportamento dos alunos de Odontologia em relação ao controle de infecção cruzada. Cad Saúde Colet. 2012;20(4):525-32.

Gomes LC, Miguel YD, Rocha TC, Gomes EC. Biossegurança e resíduos de serviços de saúde no cotidiano acadêmico. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014;35(3):443-50.

Bezerra ALD, Sousa MNA, Feitosa ANA, Assis EV, Barros CMB, Carolino ECA. Biossegurança na odontologia. ABCS Health Sci. 2014;39(1):29-33.

Lima AA, Azevedo AC, Fonseca AGL, Silva JLM, Padilha WWN. Acidentes Ocupacionais: Conhecimento, Atitudes e Experiências de Estudantes de Odontologia da Universidade Federal da Paraíba. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2008;8(3):327-32.

Martins LS. Biossegurança: avaliação do conhecimento e aderência dos estudantes de odontologia da UFMG em relação ao controle de infecção [trabalho de conclusão de curso]. Belo Horizonte: Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais; 2016.

Schroeder MDS, Marin C, Miri F. Biossegurança: grau de importância na visão dos alunos do curso de graduação de Odontologia da Univille. RSBO. 2010;7(1):20-6.

Miotto MHMB, Rocha RM. Acidente ocupacional por material perfurocortante entre acadêmicos de odontologia. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(1):97-102.

Arantes DC, Hage CA, Nascimento LS, Pontes FSC. Biossegurança aplicada à Odontologia na Universidade Federal do Pará, Cidade de Belém, Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. 2015;6(1):11-8.

Diniz DN, Carvalho CM, Costa LJ, Pereira MSV, Albuquerque ACL, Silva DF. Conhecimento dos Alunos do Curso de Graduação em Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba sobre Hepatites Virais. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2011;11(1):117-21.

Lages SMR, Santos AFS, Silva Junior FF, Costa JG. Formação em Odontologia: O Papel das Instituições de Ensino na Prevenção do Acidente com Exposição a Material Biológico. Ciênc Trab. 2015;17(54):182-7.

Comissão de Biossegurança da Faculdade de Odontologia da UFMG: Controle de infecção em Odontologia: manual de normas e rotinas técnicas. COBIO; 2003.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária: Serviços Odontológicos: prevenção e controle de riscos. Brasília: ANVISA; 2006.

Wood AJ, Nadershashi NA, Fredekind RE, Cuny EJ, Chambers DW. Student occupational exposure incidence: perception versus reality. J Dent Educ. 2006;70 (10):1081-8.

Tura F, Alves CFS, Kirsten VR, Amaral CF, Dotto PP, Santos RCV. Avaliação da contaminação interna em canetas de alta rotação na prática clínica. Braz Dent Sci. 2011;14(3/4):18-26.

Russo EMA, Carvalho RCR, Lorenzo JL, Garone Netto N, Cardoso MV, Grossi E. Avaliação da intensidade de contaminação de pontas de seringa tríplice. Pesqui Odontol Bras. 2000;14(3):243-247.

Universidade de São Paulo; Faculdade de Odontologia de Bauru. Manual de Biossegurança. 2ª ed. Bauru:USP; 2015.

Silva GS, Almeida AJ, Paula VS, Villar LM. Conhecimento e utilização de medidas de precaução-padrão por profissionais de saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012;16(1):103-10.

Comissão de Biossegurança do Centro Universitário Cesmac: Manual de Biossegurança: Odontologia. CESMAC; 2015.

Souza FB, Lopes MGQ, Lima Filho RM. Redes sociais na aprendizagem em odontologia: opinião dos estudantes de uma universidade brasileira. Rev Cubana Estomatol. 2017;54(2).




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i2.811

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274