Maus-tratos infantis no currículo dos cursos de Odontologia do Rio de Janeiro

Alice Pinheiro Costa, Rachel Lima Ribeiro Tinoco

Resumo


Os maus-tratos infantis são vistos como um dos maiores problemas de saúde pública de acordo com a Organização Mundial da Saúde e, no âmbito odontológico, o cirurgião-dentista pode influenciar diretamente no diagnóstico e denúncia desses casos, desde que possua a percepção e as informações necessárias. O presente estudo teve por objetivo avaliar se o currículo dos cursos de Odontologia do Rio de Janeiro fornece conhecimento e preparo suficiente para os acadêmicos acerca dos maus-tratos infantis. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo com coleta de dados por meio da aplicação de um questionário semiestruturado em oito cursos de Odontologia do Rio de Janeiro abrangendo 200 estudantes do último ano da graduação.  Destes, 53 (26,5%) eram de instituições públicas e 147 (73,5%) de instituições particulares. Dentre os participantes, 74,5% disseram que a temática foi abordada no curso, principalmente nas disciplinas de Odontologia Legal e Odontopediatria. Todos afirmaram a importância do tema na graduação e apenas 29 (14,5%) não acreditam ser de responsabilidade do cirurgião-dentista diagnosticar esses casos. Quanto ao conhecimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, 129 (64,5%) estudantes afirmaram conhecer, entretanto 107 (53,5%) desconhecem as implicações legais para os cirurgiões-dentistas. Hematomas, retração da criança e medo foram os sinais e sintomas mais citados pelos estudantes. Quanto à conduta, a maioria afirmou que comunicaria ao Conselho Tutelar. Conclui-se que os acadêmicos de Odontologia da amostra possuem um conhecimento regular sobre o tema maus-tratos infantis.


Palavras-chave


Violência. Criança. Educação em Odontologia. Odontologia Legal. Estudantes de Odontologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: Orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência. Maus tratos contra crianças e adolescentes: proteção e prevenção. Guia de orientação para profissionais de saúde. 2nd ed. Rio de Janeiro: Petrópolis; 1997.

Gomes LS, Pinto TCA, Costa EMMB, Ferreira JMS, Cavalcanti SDLB, Granville-Garcia AF. Percepção de acadêmicos de odontologia sobre maus-tratos na infância. Odontol Clín-Cient. 2011;10(1):73–8.

Brasil. Código Penal Brasileiro. Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.

Serpa EM, Ramos AAS. Percepção dos maus tratos infantis pelos estudantes de odontologia da UFPB. Int J Dent. 2011;10(4):234-41.

Brasil. Ministério da Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde. Um passo a mais na cidadania em saúde. Série A. N. 167, Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Sousa GFP, Carvalho MMP, Garcia AFC, Gomes MNC, Ferreira JMS. Conhecimento de acadêmicos em odontologia sobre maus-tratos infantis. Odonto. 2012;20(40):109-17.

Matos FZ, Borges ÁH, Mamede Neto I, Rezende CD, Silva KL, Pedro FLM, et al. Avaliação do conhecimento dos alunos de graduação em Odontologia x cirurgião dentista no diagnóstico de maus-tratos a crianças. Rev Odontol Bras Central. 2013;22(63):153-7.

Biss SP, Duda JG, Tomazinho PH, Pizzatto E, Losso EM. Maus tratos infantis: avaliação do currículo dos cursos em odontologia. Rev ABENO. 2015;15(1): 55-62.

Universidade Positivo. Maus-tratos infantis. O papel dos Cirurgiões-Dentistas na proteção das crianças e adolescentes. Proteção e prevenção de maus-tratos infantis. Curtitiba: Universidade Positivo; 2015.

Cavalcanti AL. Abuso infantil: protocolo de atendimento odontológico. Rev Bras Odont. 2001;58(6):378-80.

Silva Júnior MF, Pagel MD, Campos DMKS, Miotto MHMB. Conhecimento dos acadêmicos de Odontologia sobre maus-tratos infantis. Arq Odontol. 2015;51(3):138-44.

Tornavoi DC, Galo R, Silva RH. Conhecimento dos profissionais de Odontologia sobre violência doméstica. RSBO. 2011;8(1):54-9.

Alves PM, Cavalcanti AL. Diagnóstico do abuso infantil no ambiente odontológico. Uma revisão de literatura. Publ UEPG Ci Biol Saúde. 2003;9(3/4):29-35.

Massoni AC LT, Ferreira ÂMB, Aragão AKR, Menezes VA, Colares V. Aspectos orofaciais dos maus-tratos infantis e da negligência odontológica. Ciênc Saúde Coletiva. 15(2):403-10.

Coelho FJ, Franzin LCS. Violência doméstica infanto-juvenil: importância deste conhecimento pelo profissional de saúde. Rev UNINGÁ. 2014; 20(2):104-8.

Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(3):871-80.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i2.825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274