Formação humanizada em Odontologia: um olhar diferenciado para a subjetividade

Karlon Froes de Vargas, Ivani Cagliari Wuttke, Myrian Christina Corrêa da Camara Hewson Brew, Adair Luiz Stefanello Busato, Caren Serra Bavaresco, Flavio Renato Reis de Moura

Resumo


O objetivo do presente estudo foi avaliar os aspectos da formação do profissional de Odontologia, considerando a atenção à saúde de forma humanizada, centrada na promoção de saúde e com vistas ao mercado de trabalho. O estudo foi do tipo qualitativo, tendo como instrumento de coleta de dados uma entrevista semiestruturada realizada com 15 acadêmicos do nono semestre do curso de Odontologia da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus Canoas (RS), onde foram abordadas temáticas como: promoção da saúde, integralidade da atenção, formação humanizada, dicotomização em Odontologia e expectativas do mercado de trabalho do cirurgião-dentista. Todas as entrevistas foram gravadas e posteriormente transcritas e sistematizadas para análise de conteúdo pelo método de saturação. Como resultados, verificou-se que as ações pedagógicas do curso abordaram intensamente aspectos de atenção à saúde de forma humanizada, integralidade da atenção e experiências acadêmicas em cenários distintos para a formação do trabalhador em saúde. Conclui-se que, de acordo com os relatos de discentes relacionados à promoção de saúde, à integralidade da atenção e diferentes cenários de aprendizagem, o curso de Odontologia da ULBRA Canoas proporcionou formação acadêmica balizada pelos princípios da atenção à saúde, integrados aos princípios da humanização da saúde para atuação do profissional levando em consideração diferentes cenários como: públicos e privados para o exercício da profissão.


Palavras-chave


Educação Superior. Atenção Odontológica. Humanização da Assistência.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. HumanizaSUS: política nacional de humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização [Internet]. Ministério da Saúde. 2004. 49 p. [Acesso em 21/06/2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf.

Martins CP, Luzio CA, Martins CP, Luzio CA. Política HumanizaSUS: ancorar um navio no espaço. Interface - Comun Saúde Educ. 2017;21(60):13-22.

Brasil. Política Nacional de Atençao Básica. Ministério da Saúde. 2012;I:110. [Acesso em 21/06/2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Pucca Jr. GA, Costa JF, Chagas LD, Sivestre RM. Oral health policies in Brazil. Braz Oral Res. 2009;23 Suppl 1:9-16.

Morita MC, Kriger L, Carvalho ACP de, Haddad AE. Implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais em Odontologia. Maringá: Dental Press. 2007. 160 p.

Celeste RK, Moura FRR de. Programa de Saúde da Família em Cachoeira do Sul: A Inclusão de Acadêmicos de Odontologia. Odontol Soc. 2007;9(1):57-66.

Pucca GA, Costa JFR, Chagas LDD, Sivestre RM. Oral health policies. Pediatr Dent. 2009;23 Suppl 1(7 Suppl):16-61.

Cristina M, Lima R, Teresa M, Rodrigues B, Introdução R, Estratégia A, et al. Opinião dos graduandos em odontologia diante da Estratégia de Saúde da Família. Rev Bras Pesq Saúde. 2012;14(4):44-

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saude Publica. 2011;27(2):389-94.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes. 2001. 80p.

Minayo MCS. Amostragem e Saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesqui Qual. 2017;5(7):1-12.

Silva AH, Cunha DE, Gaspary E, Moura GL, Figueira KK, Hörbe TAN. Análise de conteúdo: fazemos o que dizemos? Um levantamento de estudos que dizem adotar a técnica. Conhecimento Interativo. 2017;11(1):168-84.

Flick U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3 ed. São Paulo: Artmed. 2009. 405 p.

Reis DM, Pitta DR, Ferreira HMB, Jesus MCP de, Moraes MEL, Soares MG. Educação em saúde como estratégia de promoção de saúde bucal em gestantes. Cien Saude Colet. 2010;15(1):269-76.

D’Avila OP, Wendland E, Hilgert JB, Padilha DMP, Hugo FN. Association between root caries and depressive symptoms among elders in Carlos Barbosa, RS, Brazil. Braz Dent J. 2017;28(2):234-40.

Cao ZK, Huang Y, Yu HJ, Yuan S, Tang BW, Li QX, et al. Association between obesity phenotypes and incident hypertension among Chinese adults: a prospective cohort study. Public Health. 2017;149:65-70.

Ortiz-Rodríguez MA, Yáñez-Velasco L, Carnevale A, Romero-Hidalgo S, Bernal D, Aguilar-Salinas C, et al. Prevalence of metabolic syndrome among elderly Mexicans. Arch Gerontol Geriatr. 2017;73(July):288-93.

Costa SDM, Jane S, Durães A, Henrique M, Guimarães N, Rogério P, et al. Motivos de escolha da Odontologia: vocação , opção ou necessidade ? Arq Odontol. 2010;46(46):28-37.

Granja GL, Santos JTL, Mariz RC, Araki ÂT, Souza SV, Nunes JMFF, et al. Perfil dos estudantes de graduação em Odontologia:motivações e expectativas da profissão. Rev ABENO. 2016;16(4):107-13.

Marques MD, Souza CA, Pazos CTC, Amaral DS, Vieira EG, Campos WCS, et al. Expectativas dos estudantes de Odontologia quanto ao futuro profissional. Rev ABENO. 2016;15(3):50-68.

Santos RNLC, Ribeiro KSQS, Anjos UU, Farias DN, Lucena EM de F. Integralidade e interdisciplinaridade na formação de estudantes de medicina. Rev Bras Educ Med. 2015;39(3):378-87.

Sabbag JC, Lacerda ABM. Rastreamento e monitoramento da triagem auditiva neonatal em Unidade de Estratégia de Saúde da Família: estudo-piloto. CoDAS. 2017;29(4):1-7.

Mafi A, Moretto C, Teixeira MFN, Saldanha OMFL, Rados ARV. A interdisciplinaridade e seus reflexos na formação do cirurgião-dentista. Rev ABENO. 2017;17(1):62-73.

Warmling CM, Rossoni E, Hugo FN, Fernanda R, Toassi C, Lemos VA, et al. Estágios curriculares no SUS : experiências da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Rev ABENO. 2011;11(2):63-70.

Silva Júnior OJ, De Moura FRR, Cruz RA, Brew MC, Bavaresco CS. Ensino em serviço na perspectiva da Clínica Ampliada: relato de experiência. Rev ABENO. 2017;17(4):153-9.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i1.869

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274