Ensino de gestão em saúde nos cursos paranaenses de Odontologia

Najara Barbosa da Rocha, Ieda Harumi Higarashi

Resumo


Objetivou-se analisar o ensino da gestão na Odontologia das universidades do estado do Paraná. Trata-se de pesquisa descritiva, transversal, a partir de dados secundários, no ano de 2019. Foram coletadas informações das instituições de ensino superior, públicas e privadas, que ofereciam curso de Odontologia, tendo como referência a lista de cursos aprovados, iniciados e ativos do cadastro nacional de cursos de educação superior (Cadastro e-MEC). A síntese dos dados foi realizada em formulário padronizado no programa Microsoft Excel, que após a digitação, permitiu análise pelo programa EpiInfo (Versão 7.2) de forma descritiva, e apresentação por meio de frequências absoluta e relativa. Análises bivariadas foram realizadas pelo programa Bioestat utilizando o teste G e Exato de Fischer, ao nível de significância de 5%. No Paraná são ofertados 29 cursos de Odontologia, sendo 5 aprovados, porém ainda não iniciaram suas atividades. Dos cursos pesquisados, 21 são de natureza administrativa privada (particular), sete são públicos e apenas um é público, porém cobra mensalidade dos alunos da graduação. A maioria dos cursos (58,6%) tem disciplina específica de gestão, como componente curricular obrigatório (96,6%), ofertada predominantemente no último ano de graduação (55,2%), com carga horária variando entre 21 e 60 horas-aula (61.9%). A maioria (51,7%) dos cursos de graduação em Odontologia dedica apenas até 1% da carga horária para gestão em saúde. Os resultados mostraram que o ensino de gestão neste estado é pouco explorado, fazendo-se necessária inclusão de maior carga horária voltada para o tema nas matrizes curriculares, objetivando melhorar a formação do futuro cirurgião-dentista.


Palavras-chave


Educação Superior. Educação em Odontologia. Gestão em Saúde. Odontologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União 2002.

Ribas MA, Siqueira ES, Binotto E. O desafio da gestão para profissionais da Odontologia. Anais do XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção - ABEPRO, 2010. [Acesso em 14 fev. 2019]. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2010_TN_STO_130_833_15943.pdf.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O Quadrilátero da formação para a Área da Saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Rev Saúde Col, 2004; 14(1):41-65.

Brasil. Ministério da Educação. Cadastro E-MEC, regulamentado pela Portaria Normativa nº 21, de 21/12/2017.

Programa Epi Info. [Acesso em 14 fev. 2019]. Disponivel em: https://www.cdc.gov/ epiinfo/por/pt_pc.html.

Ayres M, Ayres M Jr, Ayres DL.; Santos, A. S. Programa BioEstat. Versão 5.0.3. [Acesso em 14 fev. 2019]. Disponível em: http://www.mamiraua.org.br/download/index.php?dirpath=./BioEstat%205%20Portugues&order=0&gt.

Limeira FIR, Rebouças PRM, Rocha EALS, Catão MHCV. O ensino de gestão nos cursos de graduação em Odontologia no Brasil. Rev ABENO. 2018;18(1):161-9.

Ceccim RB, Bilibio LFS. Observação da educação dos profissionais da saúde: evidências à articulação entre gestores, formadores e estudantes. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Observatório de recursos humanos em saúde no Brasil: estudos e análises. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002.

Conselho Federal de Odontologia. [Acesso em 14 fev. 2019]. Disponível em: http://cfo.org.br/website/profissionais-cadas trados/.

Okuyama HCHY, Aguilar-da-Silva RH. Gestão do cuidado em Odontologia: limites e potencialidades das ações na Estratégia Saúde da Família. Rev ABENO, 2017;17(4): 133-43.

Lorenzetti J, Lanzoni GMM, Assuiti LFC, Pires e Pires EDR, Souza FRS. Gestão em saúde no Brasil: diálogo com gestores públicos e privados. Texto Contexto Enferm. 2014; 23(2): 417-25.

Mathias MP, Casania E, Sagazb SM, Lucietto DA. Cirurgiões-dentistas e faculdades no Brasil: repercussões sobre a prática odontológica. J Oral Invest, 2015; 4(2):25-31.

Conselho Federal de Odontologia. Ofício CFO 1573/2017 que pede a proibição de abertura de novos cursos de Odontologia. 2017. [Acesso em 14 fev. 2019]. Disponível em: http://www.cfo.org.br.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i3.872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274