Realidade e esforços de cirurgiões-dentistas em Odontologia Comunitária

Murilo Galdino Reis de Souza, Paula Côrrea Souza, Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima

Resumo


Este artigo situa-se no contexto da Estratégia Saúde da Família (ESF) de um município catarinense de grande porte. Objetiva-se discutir aspectos da realidade do processo de trabalho em saúde bucal e do empenho de cirurgiões-dentistas para garantir práticas odontológicas integrais individuais e coletivas aos respectivos territórios de atuação. Caracteriza-se como estudo qualitativo, exploratório-descritivo, realizado com seis cirurgiões-dentistas por meio de entrevista semiestruturada e análise temática ajustada. Os resultados indicam um descompasso entre o número de equipes de saúde bucal, por população adstrita, ausência de parâmetros regulatórios e de metas para as distintas clínicas de base odontológica, e ausência de alinhamento estrutural entre as práticas desenvolvidas e a realidade sociocultural de cada território. Identificou-se um esforço substantivo do coletivo de profissionais para: a) se apropriar cotidianamente da filosofia da ESF e/ou expandi-la; b) reconhecer que é preciso disposição para apreender a dimensão pública da saúde bucal no ato de fazê-la, pois a graduação nem sempre é suficiente para garantir a apropriação das clínicas de saúde bucal individual e coletiva; c) reconhecer a importância de transformar-se em um  intelectual criativo e orgânico, que assume um protagonismo social; e d) superar os efeitos gerados nas práticas por ausência de representação política da saúde bucal da ESF. Considera-se que a garantia de práticas odontológicas integrais está no horizonte, à espera de condições de possibilidades para tornar real o que ainda se encontra no plano de esforços autônomos, do arcabouço institucional e de boas intenções.


Palavras-chave


Odontologia Comunitária. Estratégia Saúde da Família. Atenção Básica.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


(1) Cruz TO, Lima RCGS. Percepções de especialistas em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais sobre as motivações da escolha e a atuação profissional. Revista da ABENO. 2019; 19(4):22-33.

(2) Werneck MAF, Senna MIB, Drumond MM, Lucas SD. Nem tudo é estágio: contribuições para o debate. Ciênc Saúde Colet. 2010; 15 (1):221-31.

(3) Da Ros MA, Lima RCGS, Maximo CE. Fundamentos da promoção da saúde requerida pelo SUS. In: Farhat E, Dittrich MG, organizadores. Educação em Saúde: Políticas Públicas e Vivências Dialógicas. Itajaí: UNIVALI; 2016. p. 97-115.

(4) Universidade Federal do Rio Grande. Curso de Medicina. Projeto Pedagógico do Curso. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: https://medicina.furg.br/images/Normas_Academicas/PROJETO_PEDAGGICO_CURSO_MEDICINA.pdf.

(5) Universidade Federal do Oeste do Pará. Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Saúde Coletiva. 2018. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/media/file/site/ufopa/documentos/2018/7d4c0250c66bccb581e0096c3f360c84.pdf.

(6) Fundação Universidade Federal do Tocantins. Curso de Medicina. Projeto Pedagógico do Curso. 2008. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: https://docs.uft.edu.br/share/proxy/alfresconoauth/api/internal/shared/node/okWN9dpeSh6z8K3NlwE_kw/content/ppc_medicina_nov_2008_2187.pdf.

(7) Almeida Filho NM de. Contextos, impasses e desafios na formação de trabalhadores em Saúde Coletiva no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(6):1677-82.

(8) Costa HOG, Rangel ML. Desafios do Ensino da Saúde Coletiva

na Graduação dos Profissionais de Saúde. Ciênc Saúde Colet. 1997; 2(1-2):164-71.

(9) Lima RCGS. Reconhecendo o desafio latente na história: periodização contextualizada dos modelos de saúde bucal. Saúde Transform Soc. 2017; 8 (2):15-25.

(10) Silvestre JAC, Aguiar ASW de, Teixeira EH. Do Brasil sem Dentes ao Brasil Sorridente. Cadernos ESP. 2013;7(2):28-39.

(11) São Paulo. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Decreto n. 4.600, de 30 de maio de 1929. Regulamenta as leis 2.269, de 31 de dezembro de 1927, e 2.315, de 31 de dezembro de 1928, que reformaram a Instrucção Publica do Estado. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: https://www. al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1929/decreto-4600-30.05.1929.html.

(12) Brasil. Ministério da Saúde. Desenvolvimento de sistemas e serviços de saúde. Brasília: MS; 2006. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/regulacao_setor_saude_americas.pdf.

(13) Narvai PC, Frazão C. Políticas de Saúde Bucal no Brasil. In: Moysés TS, Kriger L, Moysés SJ, organizadores. Saúde Bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas; 2008. p. 1-20.

(14) Mendes EV. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Editora Hucitec; 1996.

(15) Junqueira SR, Frias AC, Zilbovicius C. Saúde bucal coletiva: quadros social, epidemiológico e político. In: Rode SM, Nunes SG, organizadores. Atualização clínica em odontologia. São Paulo: Artes Médicas; 2004. p. 591-604.

(16) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Memórias da Saúde da Família no Brasil. Brasília: MS; 2010. [Acesso em 23 jun. 2019]. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/memorias_saude_familia_brasil.pdf.

(17) Brasil. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. 2004. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://189.28. 128.100/dab/docs/publicacoes/geral/diretrizes_da_politica_nacional_de_saude_bucal.pdf.

(18) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Brasília: MS; 2000. [Acesso em 23 jun. 2019]. Disponível em: https://www.camara.leg.br/ proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=2855A1BDAAD7DEF4C17F7A7373C9E8D8.node1?codteor=142359&filename=LegislacaoCitada+-PL+1274/2003.

(19) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 673/GM, de 3 de junho de 2003. Atualiza e revê o incentivo financeiro às Ações de Saúde Bucal, no âmbito do Programa de Saúde da Família, parte integrante do Piso de Atenção Básica. Brasília: MS; 2003. [Acesso em 23 jun. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/prt0673_03_06_2003.html.

(20) Brasil. Portaria 648/GM/2006, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: MS; 2006. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/

docs/legislacao/portaria_648_28_03_2006.pdf.

(21) Brasil. Ministério da Saúde. Saúde bucal. Brasília: MS; 2006. (Cadernos de Atenção Básica, n. 17) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

(22) Pucca Junior G. A política nacional de saúde bucal como demanda social. Ciênc Saúde Colet. 2006; 11: 243-6.

(23) Baldani MH, Fadel CD, Passamai T, Queiroz MGS. A inclusão da

odontologia no Programa Saúde da Família no Estado do Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005; 21(4): 1026-35.

(24) Pereira CRS, Patricio AAR, Araújo FAC, Lucena EES, Lima KC, Roncalli AG. Impacto da Estratégia Saúde da Família com equipe de saúde bucal sobre a utilização de serviços odontológicos. Cad Saúde Pública. 2009; 25: 985-96.

(25) Bulgareli J, Cortellazi KL, Ambrosano GMB, Meneghim MC, Faria ET, Mialhe FL et al. A resolutividade em saúde bucal na atenção básica como instrumento para avaliação dos modelos de atenção. Ciênc Saúde Colet. 2014; 19 (2): 383-391.

(26) Brasil. Portaria n. 2488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: MS; 2011. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

(27) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2436/GM/MS, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: MS; 2017. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/comum/250584.html.

(28) Minayo MCS. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

(29) Aquilante A, Aciole GG. Construindo um “Brasil Sorridente”? Olhares sobre a implementação da Política Nacional de Saúde Bucal numa região de saúde do interior paulista. Cad Saúde Pública. 2015; 31 (1): 82-96.

(30) Luciana Jaccoud L, Vieira FS. Federalismo, Integralidade e Autonomia no SUS: desvinculação da aplicação de recursos federais e os desafios da coordenação. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Rio de Janeiro; 2018. [Acesso em 23 jun. 2019]. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov. br/bitstream/11058/8523/1/TD_2399.pdf.

(31) Scherer CI, Scherer MDA. Avanços e desafios da saúde bucal após uma década de Programa Brasil Sorridente. Rev Saúde Pública. 2015; 49(98): 1-12.

(32) Soares CLM, Paim JS, Chaves SCL, Rossi TRA, Barros SG, Cruz DN. O movimento da Saúde Bucal Coletiva no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22 (6):1805-16.

(33) Giovanella, L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública. 2018; 34 (8): e00029818.

(34) Arretche M. Democracia, federalismo e centralização no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; FGV; 2012.

(35) Brasil. Administração Pública. União, estados e municípios têm papéis diferentes na gestão do SUS. 2014. [Acesso em 23 mar. 2019]. Disponível em: http://www. brasil.gov.br/governo/2014/10/o-papel-de-cada-ente-da-federacao-na-gestao-da-saude-publica.

(36) Machado CV, Lima LD, Baptista TWF. Políticas de saúde no Brasil em tempos contraditórios: caminhos e tropeços na construção de um sistema universal. Cad Saúde Pública 2017; 33 Sup 2: e00129616.

(37) Tesser CD, Pezzato LM, Silva EM. Medicalização social e odontologia: possíveis aproximações. Saúde Soc. 2015; 24(4): 1349-61.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i2.906

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274