Escala de atitudes relacionadas às competências odontológicas: desenvolvimento e validação

Manoela Almeida Santos da Figueira, Paulo Sávio Angeiras de Góes, Monica Cristina Batista de Melo, Maria da Conceição do Nascimento, Silvia Regina Jamelli, Gustavo Pina Godoy

Resumo


O objetivo do presente estudo foi desenvolver e realizar a validação de conteúdo e de face de uma escala de atitudes relacionadas às competências odontológicas (EA-CO). Tratou-se de estudo de desenvolvimento metodológico envolvendo construção e validação de uma escala, com abordagem quanti e qualitativa. O referencial teórico para o construto da escala envolveu o conceito de atitude no campo da Psicologia Social, e o de competência, no campo da Educação, qualificada pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Odontologia, originando os indicadores: Empatia na relação profissional-paciente, Aprendizagem ao longo da vida, Disponibilidade para aprendizagem interprofissional, Proteção aos direitos do paciente, Responsabilidade social e Inteligência emocional. Dez especialistas participaram da validação de face da matriz de indicadores (Técnica do Grupo Nominal) e dos itens (Questionário) e a versão preliminar foi testada em piloto com 17 estudantes de Odontologia. Houve consenso para permanência dos indicadores, exceto para Inteligência emocional. A escala (tipo Likert, 5 pontos) resultou em 53 itens, sendo 13 alterados da versão original. A EA-CO foi desenvolvida e atendeu aos critérios de validação de conteúdo e de face utilizados no estudo.


Palavras-chave


Educação em Odontologia. Atitude do Pessoal de Saúde. Competência Profissional. Avaliação Educacional. Estudos de Validação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Myers, D G. Psicologia. Rio de Janeiro: LTC; 2012.

Brown G, Manogue M, Rohlin M. Assessing attitudes in dental education: is it worthwhile? Br Dent J. 2002;193(12):703-7.

Perrenoud P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed; 1999.

Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; 2000.

Lucchese, R, Barros,S. Pedagogia das competências - um referencial para a transição paradigmática no ensino de enfermagem – uma revisão da literatura. Acta Paul Enferm. 2006;19(1):92-9.

Merriënboer JJG, Kirschner PA. Ten Steps to Complex Learning. Reprinted (2009). New Jersey: Lawrence; 2007.

Brasil. Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 116 de 3 de abril de 2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União 2014; abr 3.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 569 de 8 de dezembro de 2017. Diário Oficial da União 2018; 26 fev.

Brasil. Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 3 de 19 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União 2002; 4 mar.

Field, JC, Cowpe, JG, Walmsley, AD. The Graduating European Dentist: A New Undergraduate Curriculum Framework. Eur J Dent Educ. 2017; 21(Suppl. 1):2-10.

American Dental Education Association (ADEA) House of Delegates. ADEA Competencies for the New General Dentist. J Dent Educ. 2011; 75(7): 932-5.

Ringsted C, Hodges B, Scherpbier A. 'The research compass': an introduction to research in medical education: AMEE Guide no. 56. Med Teach. 2011;33(9): 695-709.

Hojat M, Gonnella JS, Mangione1 S, Nasca TJ, Veloski JJ, Erdmann JB, Callahan CA, Magee M. Empathy in medical students as related to academic performance, clinical competence and gender. Med Educ. 2002; 36:522-7.

Nosow V, Püschel AVA. O ensino de conteúdos atitudinais na formação inicial do enfermeiro. Rev Esc Enf USP. 2009; 43(Esp2):1232-7.

Salgueira AP, Frada T, Aguiar P, Costa MJ. Aprendizagem ao longo da vida do médico: Tradução e Adaptação da Escala de Jefferson. Acta Med Port. 2009; 22:247-56.

Williams B, McCook F, Brown T, Palmero C, McKenna L, Boyle M et al. Are Undergraduate Health Care Students ‘Ready’ for Interprofessional Learning? A Cross-Sectional Attitudinal Study. IJAHSP. 2012;10(3):1-11.

Jahangiri L, Mucciolo TW, Choi M, Spielman AI. Assessment of teaching effectiveness in U.S. Dental schools and the value of triangulation. J Dent Educ. 2008;72(6): 707-18.

Colares MFA, Troncon LEA, Figueiredo JF, Cianflone ARL, Rodrigues MLV, Piocinato CE, et al. Construção de um instrumento para avaliação das atitudes de estudantes de Medicina frente a aspectos relevantes da prática médica. Rev Bras Educ Med. 2002;26(3):194-203.

Mascia AR, Silva FB, Lucchese AC, De Marco MA, Martins MCFN, Martins LAN. Atitudes frente a aspectos relevantes da prática médica: estudo transversal randomizado com alunos de segundo e sexto anos. Rev Bras Educ Med. 2009;33(1):41-8.

Miranda SM, Pires MMS, Nassar SM, Silva CAJ. Construção de uma escala para avaliar atitudes de estudantes de medicina. Rev Bras Educ Med. 2009;33(1)supl 1:104-10.

Andrade SC, Deus JA, Barbosa ECH, Trindade EMV. Avaliação do desenvolvimento de atitudes humanísticas na graduação médica. Rev Bras Educ Med. 2011;35(4): 517-25.

Paro HBMS, Daud-Gallotti, RM, Tibério IC, Pinto RMC, Martins

MA. Brazilian version of the Jefferson Scale of Empathy: psychometric properties and factor analysis. BMC Med Educ. 2012;12:73.

Aguilar-da-Silva RH, Scapin LT, Batista NA. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação (Campinas). 2011;16(1):165-84

Peduzzi M, Norman I, Coster S, Meireles E. Adaptação transcultural e validação da Readiness for Interprofessional Learning Scale no Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(2): 7-15.

Brasil. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Superior. Comissão Especial da Avaliação da Educação Superior (CEA). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES: Bases para uma Nova proposta da Educação Superior. Brasília: Ministério da Educação; 2003. [Acesso em 28/12/2013]. Disponível em: http://www.unifesp.br/reitoria/orgaos/comissoes/avaliacao/sinaes.pdf.

Góes PSA, Fernandes LMA, Lucena LBS. Validação de Instrumentos de Coleta de Dados. In: Antunes JLF, Peres MA (eds). Fundamentos de Odontologia - Epidemiologia da Saúde Bucal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 390-7.

Bezerra TCA, Falcão MLP, Goes PSA, Felisberto E. Avaliação de Programas de Formação Profissional em Saúde: construção e validação de indicadores. Trab Educ Saúde. 2016; 14(2): 445-72.

Jones J, Hunter D. Consensus methods for medical and health services research. BMJ. 1995; 311:376-80.

Streiner DL, Norman GR. Health Measurement Scales. 2 ed. New York: Oxford University Press; 1995.

Terwee CB, Bot SDM, Boer MR, van der Windt DAWM, Knol DL, Dekker J, Bouter LM, de Vet HCW. Quality criteria were proposed for measurement properties of health status questionnaires. J Clin Epidemiol. 2007;60(1): 34-42.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Finkler M, Caetano JC, Ramos FRS. A dimensão ética da formação profissional em saúde: estudo de caso com cursos de graduação em odontologia. Cienc Saude Coletiva. 2011;16(11):481-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. A aderência dos cursos de graduação em enfermagem, medicina e odontologia às diretrizes curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Morita MC, Kriger L, Carvalho ACP, Haddad AE. Implantação das diretrizes curriculares nacionais em odontologia. Maringá: Dental Press: ABENO: OPAS: MS: 2013.

Pasquali L. Testes referentes a construto: teoria e modelo de construção. In: Pasquali L, organizador. Instrumentação psicológica: fundamentos e prática. Porto Alegre: Artmed; 2010. p. 165-98

Mokkink A LB, Terwee CB, Patrick DL, Alonso J, Stratford PW, Knol DL, Bouoter LM, de Vet HCW. International consensus on taxonomy, terminology, and definitions of measurement properties: results of the COSMIN study. J Clin Epidemiol. 2010; 63:737-45.

Mokkink LB, Terwee CB, Patrick DL, Alonso J, Stratford PW, Knol DL, Bouter LM, de Vet HCW. The COSMIN checklist for assessing the methodological quality of studies measurement properties of health status measurement instruments: an international Delphi study. Qual Life Res. 2010;(19):539-49.

Nicol DJ, Macfarlane‐Dick D. Formative assessment and self‐regulated learning: a model and seven principles of good feedback practice. Stud High Educ. 2006;31(2):199-218.

Norcini J, Anderson B, Bollela V, Burch V, Costa MJ, Duvivier R, Galbraith R, Hays R, Kent A, Perrott V, Roberts T. Criteria for good assessment: consensus statement and recommendations from the Ottawa 2010 Conference. Med Teach. 2011;33:206-14.

Borges MC, Miranda CH, Santana RC, Bollela VR. Avaliação formativa e feedback Como ferramenta de aprendizado na formação de profissionais da saúde. Medicina (Ribeirão Preto). 2014;47(3): 324-31.

Morita MC, Scavuzzi AIF, Carcereri DL, Fontanella VRC. Documento orientador da ABENO para qualidade dos cursos de graduação em Odontologia. Rev ABENO. 2018; 18 (supl.2):1-38.

Alexandre NMC, Colusi MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16(7):3061-8.

Hojat M, Lanoue M. Exploration and confirmation of the latent variable structure of the Jefferson scale of empathy. Intern J Med Educ. 2014; 5:73-81.

Chiu C, Lu H, Arrigo LG, Wei CJ, Tsai D. A Professionalism Survey of Medical Students in Taiwan. J Exp Clin Med. 2010;2(1): 35-42.

Conselho Federal de Odontologia (CFO). Resolução n°. 118 de 11 maio de 2012. Código de Ética Odontológica. Rio de Janeiro: CFO; 2012.

Albino JEN, Young SK, Neumann LM, Kramer KA, Andrieu SC, Henson L et al. Assessing Dental Students’ Competence: Best Practice Recommendations in the Performance Assessment Literature and Investigation of Current Practices in Predoctoral Dental Education. J Dent Educ. 2008;72(12):1405-35.

Braccialli LAD, Oliveira II, MAC. Desafios na Formação Médica: a Contribuição da Avaliação. Rev Bras Educ Med. 2012; 36(2) :280-8.

Hojat M, Veloski J, Nasca TJ, Erdmann JB, Gonnella JS. Assessing Physicians’ Orientation Toward Lifelong Learning. JGIM. 2006:931-6.

World Health Organization (WHO). Health Professional Network Nursing and Midwifery. Department of Human Resources for Health. Framework for Action on Interprofessional Education & Collaborative Practice. Geneva: WHO/HRH/HPN/10.3; 2010.

Thannhauser J, Russell-Mayhew S, Scott C. Measures of interprofessional education and collaboration. J Interprof Care. 2010;24(4): 336-49.

Brasil. Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução Nº 7 de 18 de dezembro de 2018. Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira. Brasília: Ministério da Educação; 2018

Arora S, Ashrafian H, Davis R, Athanasiou T, Darzi A, Sevdalis N. Emotional intelligence in medicine: a systematic review through the context of the ACGME competencies. Med Educ. 2010;44:749-64.

Bueno JMH, Correia FMDL, Gomes MAYA, Júnior FSP. Competências emocionais: estudo de validação de um instrumento de medida. Aval Psicol. 2015; 14(1):153-63.

Fadel CB, Baldani MH. Percepções de formandos do curso de odontologia sobre as diretrizes curriculares nacionais. Trab Educ Saúde. 2013;11(2):339-54.

Pezzato LM, L’Abbate S. Uma Pesquisa-Ação-Intervenção em Saúde Bucal Coletiva: contribuindo para a produção de novas analyses. Saúde Soc. 2012; 21(2):386-98.

Ribeiro MMF, Krupat E, Amaral CFS. Brazilian medical students’ attitudes towards patient-centered care. Med Teach. 2007;29:(6):e204-8.

Mota LDQ, Santos TAD, Magalhães DBL. Humanização no atendimento odontológico: acolhimento da subjetividade dos pacientes atendidos por alunos de graduação nos campos de estágio. RBCS. 2012;16(4): 537-44.

Hojat M, Mangione S, Nasca TJ, Cohen MJM, Gonnella JS, Erdmann JB, et al. The Jefferson Scale of Physician Empathy: Development and preliminary psychometrics. Educ Psychol Meas. 2001;61:349-65.

Silverman J, Kurtz S, Draper J. Skills for Comunicating with Patients. Oxford: Radcliffe; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. Brasília: Ministério da Saúde [Série B. Textos Básicos de Saúde]; 2008.

Parsell J, Bligh G. The development of a questionnaire to assess the readiness of health care students for interprofessional learning (RIPLS). Med Educ. 1999; 33:95-100.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i1.943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274