A extensão universitária na formação do cirurgião-dentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.974

Palavras-chave:

Extensão Comunitária, Odontologia Comunitária, Educação Continuada.

Resumo

As universidades têm se transformado ao longo dos tempos. O foco principal no ensino foi sendo ampliado com ações de pesquisa e de extensão. Esta vem ganhando cada vez mais espaço nas instituições de ensino superior, fazendo parte da tríade que sustenta a formação universitária. O objetivo desta revisão de literatura foi mostrar a importância da extensão universitária na formação profissional de cirurgiões-dentistas e para a sociedade. A estratégia de busca de artigos se deu por palavras-chave relacionadas à Odontologia e à extensão universitária em bases de dados eletrônicas, no período de agosto a outubro de 2019. A prática da extensão, em comunidades diversas, fortalece a compreensão dos estudantes quanto ao processo saúde-doença, permite conhecer a realidade econômica e social em diferentes cenários, permite vivenciar a rede de serviços públicos de saúde, assim como participar da prestação de serviços à população, tornando-os mais humanizados e capacitados a promover a saúde da comunidade em que estão inseridos. A extensão universitária tem um importante papel na formação profissional do cirurgião-dentista, colaborando para que atue de forma competente para contemplar as diversas necessidades da população, estimulando ações de promoção de saúde e informação à população em geral, que também se torna beneficiada com estas ações, e fortalecendo o compromisso da universidade com a sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Pizzolatto, Universidade de Passo Fundo

Acadêmica da Faculdade de Odontologia da Universidade de Passo Fundo, RS, aluna extensionista voluntaria do projeto Odontologia em Ambiente Hospitalar, aluna extensionista voluntaria do projeto Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, membro do grupo de pesquisa em Biomateriais e Biotecnologia do CNPq, bolsista de Iniciação Científica Pibic/CNPq, parte da Liga de Prevenção e Controle de Infecções (LPCI) do curso de Odontologia da Universidade de Passo Fundo.

Mateus José Dutra, Universidade de Passo Fundo

Acadêmico de Odontologia (bacharel) pela Faculdade de Odontologia da Universidade de Passo Fundo (UPF) - RS (2017). Pesquisador voluntário pelo programa PIVIC/UPF na área de biomateriais, pesquisador voluntário na área de microbiologia e controle de infecções, voluntário no projeto de extensão de Odontologia Hospitalar, aluno membro da Comissão de Prevenção e Controle de Infecções (CPCI FOUPF).

Daniela Jorge Corralo, Universidade de Passo Fundo

Graduação em Odontologia pela Universidade de Passo Fundo (1997), Mestrado em Clínica Odontológica - Cariologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003), Especialização em Odontologia em Saúde Coletiva pela Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic (2007). Doutorado em Clínica Odontológica - Cariologia/Dentística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018), tendo realizado estagio sanduíche na Universidade de Leeds, Reino Unido (2016), trabalhando na área de Metagenômica. Atua como docente (Adjunto II) na Faculdade de Odontologia da Universidade de Passo Fundo desde 2003, nas áreas de Microbiologia, Saúde Coletiva e Orientação Profissional.

 

Referências

(1) Coelho GC. O papel pedagógico da extensão universitária. Em Ext. 2014; 13,(2):11-24.

(2) Pivetta HFP, Backes DS, Carpes A, Battistel ALHT, Marchiori M. Ensino, pesquisa e extensão universitária: em busca de uma integração efetiva. Linhas Críticas. 2010; 16(31):377-90.

(3) Moimaz SAS, Gomes AMP, Bordin D, Garbin, CAS, Saliba NA. Extensão universitária como ferramenta geradora de ensino-aprendizagem e produtora de pesquisa. Revista Conexão UEPG. 2015; 11(2):140-149.

(4) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução no. 7, de 18 de dezembro de 2018. [Acesso em 24 jul. 2021. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ index.php?option=com_docman&view=download&alias=104251-rces007-18&catego ry_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192.

(5) Emmi DT, Silva DMC, Barroso RFF. Experiência do ensino integrado ao serviço para formação em Saúde: percepção de alunos e egressos de Odontologia. Interface. 2018; 22(64):223-36.

(6) Pereira SM, Mialhe FL, Pereira LJ, Soares MF, Tagliaferro PS, Meneghim MC, Pereira AC. Extensão universitária e trabalho voluntário na formação do acadêmico em Odontologia. Arq Odontol. 2011; 47(2): 95-103.

(7) Ponte CIRV, Torres MAR, Machado CLB, Manfroi WC. A extensão universitária na Famed/UFRGS: cenário de formação profissional. Rev Bras Educ Méd. 2009; 33(4):527-34.

(8) Biscarde DGS, Santos MP, Silva LB. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface. 2014; 18(48):177-86.

(9) Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras e pela Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação e do Desporto. Plano Nacional de Extensão Universitária. 2000-2001:17.

(10) Hennington ÉA. Acolhimento como prática interdisciplinar num programa de extensão universitária. Cad Saúde Pública. 2005; 21(1):256-65.

(11) Rodrigues ALL, Prata MS, Batalha TBS, Costa CLN, Neto IFP. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cad Grad Ciênc Hum Soc. 2013; 1(16):141-8.

(12) Borato A, Pereira MVS, Bordin D, Martins AS, Fadel CB. Valoração das práticas de ensino, pesquisa e extensão entre concluintes de Odontologia. Rev Abeno. 2018; 18(1):103-15.

(13) Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução no. 3, de 19 de fevereiro de 2002. [Acesso em 24 jul. 2021. Disponível em: http://portal.mec.gov.br /index.php?option=com_docman&view=download&alias=192671-rces003-02&catego ry_slug=junho-2021-pdf&Itemid=30192.

(14) Cruz BPA, Melo WS, Malafaia FCB, Tenório FG. Extensão universitária e responsabilidade social: 20 anos de experiência de uma instituição de ensino superior. RGSA, 2011; 5(3):3-16.

(15) Fadel CB, Bordin D, Kuhn E, Martins LD. O impacto da extensão universitária sobre a formação acadêmica em odontologia. Com Saúde Educ. 2013; 17(47):937-46.

(16) Falcão EF. Vivência em comunidade outra forma de ensino. Editora da UFPB, 2014. 208p. ISBN: 978-85-237-0856-6

(17) Weiler L, Haddock S, Zimmerman TS, Krafchick J, Henry K, Rudisill S. Benefits derived by college students from mentoring at-risk youth in a service-learning course. Am J Commun Psychol. 2013; 52(3-4):236-248.

(18) Araujo RM, Feitosa FA. Articulando o ensino de graduação em odontologia com a extensão universitária. Rev Ciênc Ext. 2013; 9(3):115-24.

(19) Toassi RFC, Baumgarten A, Warmling CM, Rossoni E, Rosa AR, Slavutzky SMB. Teaching at primary healthcare services within the Brazilian National Health System (SUS) in Brazilian healthcare professionals’ training. Interface. 2013; 17(45):385-92.

(20) Oliveira FLB, Almeida Júnior JJ, Silva MLP. Percepção dos acadêmicos em relação às dificuldades no desenvolvimento de projetos de extensão universitária. Rev Ciênc Ext. 2016; 12(2):18-25.

(21) Ribeiro RMC. A extensão universitária como indicativo de responsabilidade social. Diálogo. 2011; 15(1):81-8.

(22) Divino AEA, Costa CLNA, Oliveira CEL, Costa CAC, Neta HRS, Campos LS, et. al. A extensão universitária quebrando barreiras. Cad Grad Ciênc Hum Soc. 2013; 1(16):135-140.

Publicado

13-10-2021

Como Citar

Pizzolatto, G., Dutra, M. J., & Corralo, D. J. (2021). A extensão universitária na formação do cirurgião-dentista. Revista Da ABENO, 21(1), 974. https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.974

Edição

Seção

Artigos