Estratégia educacional sobre anomalias craniofaciais para cirurgiões-dentistas da Atenção Primária à Saúde

fase de desenho do Modelo ADDIE

Autores

  • Edilma da Cruz Cavalcante Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)
  • Cínthia Ferreira Alves Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)
  • Erivelton Pinto Coutinho Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)
  • Liliane Elise Souza Neves Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP
  • Manoela Almeida Santos da Figueira Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP
  • Amanda Almeida de Oliveira Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP
  • Rui Manuel Rodrigues Pereira Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

DOI:

https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1003

Palavras-chave:

Estudos de Validação, Anomalias Craniofaciais, Educação Permanente, Currículo, Docentes de Odontologia.

Resumo

A formação dos profissionais para o Sistema Único de Saúde ainda é uma preocupação de gestores, instituições de ensino e profissionais, sendo as estratégias de Educação Permanente um recurso para aprimorar a prática profissional. Nesse contexto, o presente estudo teve como objetivo realizar a validação de conteúdos e competências na área de anomalias craniofaciais para o desenvolvimento de um curso no modelo ADDIE (análise, desenho, desenvolvimento, implementação e avaliação), na modalidade ensino a distância, para os cirurgiões-dentistas (CD) da Atenção Primária à Saúde (APS). A amostra foi composta por 16 especialistas da equipe multiprofissional de três centros de referência no tratamento das anomalias craniofaciais e utilizou-se o método Delphi para atingir o consenso entre eles. Na análise das respostas, utilizou-se a média, mínima e máxima, como também o percentual de concordância com base no agrupamento das respostas em escala Likert. Após a terceira rodada do Delphi, com 90 a 100% de concordância, os especialistas elencaram 10 conteúdos gerais e 6 específicos, 9 competências gerais e 9 específicas. O desenho do curso sobre anomalias craniofaciais para CD da APS foi obtido por meio da validação de conteúdos e competências por especialistas da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilma da Cruz Cavalcante, Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)

Cirurgiã-dentista e Residente em Odontologia em Saúde Coletiva pela SESAU - Recife

Cínthia Ferreira Alves, Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)

Cirurgiã-dentista e Residente em Odontologia em Saúde Coletiva pela SESAU - Recife

Erivelton Pinto Coutinho, Secretaria de Saúde do Recife (SESAU - Recife)

Cirurgião-dentista e Residente em Odontologia em Saúde Coletiva pela SESAU - Recife

Liliane Elise Souza Neves, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Fonoaudióloga do IMIP e Mestranda em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Manoela Almeida Santos da Figueira, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Cirurgiã-dentista ortodontista do IMIP e Doutora em Odontologia pela UFPE

Amanda Almeida de Oliveira, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Fonoaudióloga do IMIP e Doutora em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Rui Manuel Rodrigues Pereira, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Médico cirurgião plástico do IMIP e Doutor em Clínica Cirúrgica pela Universidade de São Paulo (USP)

Referências

(1) Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. A aderência dos cursos de graduação em Enfermagem, Medicina e Odontologia às Diretrizes curriculares Nacionais. 2006. [Acesso em: 10 out. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/publicacoes/dcn_livro.pdf.

(2) Toassi RFC, Baumgarten A, Warmling CM, Rossoni E, Rosa AR, Slavutzky SMB. O ensino nos serviços de Atenção Primária à Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) na formação de profissionais de saúde no Brasil. Interface Comun Saúde Educ. 2013; 17(45):385-92.

(3) Vasconcelos MFF, Nicolotti CA, Silva JFD, Pereira SMLDR. Entre políticas (EPS - Educação Permanente em Saúde e PNH - Política Nacional de Humanização): por um modo de formar no/para o Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu). 2016; 20(59):981-91.

(4) Neves LES, Oliveira AA, Silva BH, Melo DB, Couto JMLA, Barros NCG, Figueira MAA, Pereira RM. Use of media resources as educational strategy for the training of community health agents in craniofacial anomalies. Latin Am J Telehealth. 2018; 5(1):28-32.

(5) Batista JF, Fialho MCA, Santos PCM, Magalhães SR, Melgaço CA, Jorge KO. Tratamento odontológico em crianças com fissura labiopalatal: revisão de literatura. Interação. 2017; 19(2):105-19.

(6) Mendes M, Silveira MM, Costa FS, Schardosim RL Avaliação da percepção e da experiência dos cirurgiões-dentistas da rede municipal de Pelotas/RS no atendimento aos portadores de fissuras labiopalatais. RFO, 2012; 17(2); 196-200.

(7) Oliveira JM. Desenho de Cursos: Introdução ao Modelo ADDIE. Escola Nacional de Administração Pública. 2015.

(8) Antunes MM. Técnica Delphi: metodologia para pesquisas em educação no Brasil. Rev. Educ. PUC-Camp. 2014; 19(1):63-71.

(9) Pessoa TRRF, Noro LRA. Caminhos para a avaliação da formação em Odontologia: construção de modelo lógico e validação de critérios. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20(7): 2277-90.

(10) Marques JBV, Freitas D. Método DELPHI: caracterização e potencialidade na pesquisa em educação. Pro-Posições. 2018; 29(2):389-415.

(11) Coluci MZO, Alexandre NMC, Milani D. Construção de instrumentos de medida na área da saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20(3):925-36.

(12) Massaroli A, Martini JG, Lino MM, Spenassato D, Massaroli R. Método DELPHI como referencial metodológico para a pesquisa em enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2017; 26(4):e1110017.

(13) Constâncio FG, Nogreira DXP, Costa JPCL. Proposta de modelo Addie estendido com aplicação nos cursos autoinstrucionais mediados por tecnologias na escola nacional de administração pública. Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online. 2016; 5(1):6. [Acesso em: 21 jan. 2020.] Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/anais_linguagem_tecnologia/article/view/10506.

(14) World Health Organization (WHO). Global strategies to reduce the health-care burden of craniofacial anomalies. Geneva: WHO. 2002.

(15) Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2012; 17(8):2071-85.

(16) Chaves SCL, Silva LCM, Almeida AFL. Política de atenção à fissura labiopalatina: a emergência do Centrinho de Salvador, Bahia. Physis. 2016; 26(2):591-610.

(17) Fish JL. Developmental mechanisms underlying variation in craniofacial disease and evolution. Dev Biol. 2016; 415(2):188-97.

(18) Pedro RL, Tannure PN, Antunes LAA, Costa MC. Alterações do desenvolvimento dentário em pacientes portadores de fissuras de lábio e/ou palato: revisão de literatura. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. 2010; 22(1):65-9.

(19) Brasil. Portaria nº 718, de 20 de dezembro de 2010. [Acesso em: 21 jan. 2020.] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudele gis/sas/2010/prt0718_20_12_2010.html.

(20) Monlleó IL, Gil-da-Silva-Lopes VL. Anomalias craniofaciais: descrição e avaliação das características gerais da atenção no Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(5):913-22.

(21) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, DF: UNESCO: Ministério da Saúde, 2002.

(22) Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 20 set. 1990. [Acesso em: 11 nov. 2019.] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

(23) Almeida AMFL, Chaves SCL, Santos CML, Santana SF. Atenção à pessoa com fissura labiopalatina: proposta de modelização para avaliação de centros especializados, no Brasil. Saúde debate. 2017; 41(spe):156-66.

(24) Miccas FL, Batista SHSS. Educação permanente em saúde: metassíntese. Rev Saúde Pública. 2014; 48(1):170-85.

(25) Santos CM, Bulgarelli PT, Frichembruder K, Colvara BC, Hugo FN. Avaliação da qualidade de aprendizagem no ambiente virtual (Moodle) em saúde bucal, na perspectiva dos discentes. Rev ABENO. 2018; 18(1):116-23.

(26) Costa TL, Souza OMV, Carneiro HA, Netto CC, Pergoraro-Krook MI, Dutka JCR. Material multimídia para orientação dos cuidadores de bebês com fissura labiopalatina sobre velofaringe e palatoplastia primária. CoDAS (online). 2016; 28(1):10-6.

Publicado

28-07-2021

Como Citar

Cavalcante, E. da C., Alves, C. F., Coutinho, E. P., Neves, L. E. S., Figueira, M. A. S. da, Oliveira, A. A. de, & Pereira, R. M. R. (2021). Estratégia educacional sobre anomalias craniofaciais para cirurgiões-dentistas da Atenção Primária à Saúde: fase de desenho do Modelo ADDIE. Revista Da ABENO, 21(1), 1003. https://doi.org/10.30979/revabeno.v21i1.1003

Edição

Seção

Artigos