A sociologia na prática de estudantes de Odontologia: tribos urbanas e saúde bucal

Enzo Rosetti, Vera Lucia Ignacio Molina, Suely Carvalho Mutti Naressi

Resumo


Esta experiência de ensino-aprendizagem revela como os universitários de um curso de odontologia experimentaram a aplicação da sociologia na prática social, junto a tribos urbanas e seus respectivos membros. A aproximação com a realidade urbana contemporânea iniciou-se com os conceitos ministrados em sala de aula, tais como: comunidade, cultura, agrupamentos sociais, tribos urbanas, processos sociais, diferenciações sociais, econômicas e culturais e bucalidade. Os primeiros contatos com as realidades possibilitaram o conhecimento dos líderes das tribos e a obtenção de informações gerais e específicas. Numa segunda etapa um questionário desenvolvido pelo professor foi aplicado para o delineamento do perfil socioeconômico e cultural. Num terceiro momento foi realizado “Indice Gohai”. Os resultados indicaram que as equipes tiveram maior facilidade no entendimento dos conceitos e processos sociológicos e a prática social, da teoria da bucalidade; melhoraram as suas percepções dos conceitos de saúde coletiva através da vivência prática, tendo a tribo urbana como espaço de análise; delinearam o perfil socioeconômico da tribo urbana e determinaram o Índice de Gohai Geral que avalia a condição bucal e o grau de satisfação dos indivíduos das tribos com a mesma. Pela perspectiva didático-pedagógica este trabalho possibilitou aos alunos vivenciarem as interfaces entre os campos teórico e prático das Ciências Sociais. As exposições das experiências práticas demonstraram que os objetivos definidos para a disciplina foram alcançados.


Palavras-chave


Saúde coletiva. Processos sociais. Condição bucal

Texto completo:

PDF

Referências


Althaus MTM. Ação didática no ensino superior: a docência em discussão. Rev. Teoria e Prática da Educação. 2004;7(1):101-6.

Teixeira M. Prática docente e autonomia do aluno: uma relação a ser construída nos cursos de graduação. (Dissertação) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

Lucarelli E. Um desafio institucional: inovação e formação pedagógica do do-cente universitário. In: Castanho S, Cas-tanho MELM (Orgs.). O que há de novo na educação superior: do projeto peda-gógico à prática transformadora. Campi-nas, Papirus, 2000.

Pimenta SG. De professor e didática. Campinas: Papirus, 2002.

Pimenta SG. (org.). Saberes Pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Teixeira M. Prática docente e autonomia do aluno: uma relação a ser construída nos cursos de graduação. (Dissertação) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

Santos JAF. Uma classificação socioe-conômica para o Brasil. RBCS. 2005;20(58):27-46.

Maffesoli M. O tempo das tribos: o de-clínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Uni-versitária, 1998.

Maffesoli, M. Sobre nomadismo: vaga-bundagens pós-modernas. Rio de Janei-ro: Record, 2001.

Maffesoli, M. Notas sobre a pós-modernidade: o lugar faz o elo. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004.

Guzeldemir E, Toygar HU, Tasdelen B, Torun D. Oral health related quality of life and periodontal health status in pa-tients undergoing hemodialysis. J Am Dent Assoc. 2009;140:1283-93.

Silva SED, Padilha MI. O perfil de ado-lescentes das tribos urbanas/PA: implica-ções para as representações sociais. G&S. 2013;4:1894-910.

Barroso PF. Redes de solidariedade en-tre vendedores ambulantes da Rua Vo-luntários da Pátria, em Porto Alegre/RS. Iluminuras. 2012;13:236-59.

Silva VC, Couto ES. Interfaceamentos contemporâneos: tecnologias digitais e tribos urbanas no contexto escolar. Educ Rev. 2012;28(2):333-46.

Pais JM. Grupos e afiliações sociais. Re-vista Teias, 2011; 12(26):247-86.

Tessari O. Jovens buscam identidade. www.olgatessari.com.br. Acesso: 1 maio, 2010.

Botazzo C. Da Arte Dentária. São Paulo: Hucitec, 2000.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v15i1.149

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274