A Iniciação Científica como estratégia pedagógica para integrar ensino e serviço no SUS

Mateus Rodrigues Cunha, Graciela Soares Fonsêca, Maria Ercilia de Araujo, Celso Zilbovicius

Resumo


As atividades extramuros, tais como estágios supervisionados, disciplinas e atividades de ensino-extensão-pesquisa têm sido consideradas importantes na formação do cirurgião-dentista. O objetivo deste estudo é avaliar a Iniciação Científica (IC) no Sistema Único de Saúde (SUS) como estratégia de aprendizado extramuros e integração ensino-serviço. Para isso, um aluno de IC realizou um estudo qualitativo por meio de entrevistas, que investigou a percepção do gestor, usuários e servidores a respeito do sistema de saúde bucal no município de Carapicuíba/SP. A partir deste material foram elaboradas duas análises. A primeira foi uma Análise de Conteúdo, segundo proposto por Bardin, das entrevistas realizadas com usuários, servidores e gestor. A segunda, sobre a percepção do aluno quanto à experiência do trabalho realizado sem a presença do orientador. O estudante concluiu que a IC no ambiente do SUS possibilitou um diálogo crítico entre a realidade e o conteúdo teórico das legislações, regulamentações e da gestão de um sistema municipal de saúde bucal. Portanto, a IC é uma ferramenta rica para o aprendizado do SUS e para o desenvolvimento de habilidades do aluno de graduação, contribuindo para a formação de profissionais qualificados para atuar no sistema.

Palavras-chave


Recursos Humanos em Saúde. Educação em Odontologia. Saúde Pública. Serviços de Integração Docente-Assistencial. Pesquisa sobre Serviços de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição 1988. Art. 198 da Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): Senado; 1988.

Morita MC, Haddad AE, Araújo ME. Perfil atual e tendências do cirurgião-dentista brasileiro. 1a ed. Maringá: Dental Press; 2010.

Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004;4(1):17-21.

Cardoso AC, Corralo DJ, Krahl M, Alves LP. O estimulo à prática da interdisciplinaridade e do multiprofis-sionalismo: a Extensão Universitária como uma estratégia para a educação interprofissional. Rev ABENO. 2015;15(2):12-9.

Rodrigues CAQ, Costa SM, Leite MT; Mendes DC, Neto JFR. A vivência dos estudantes de odontologia nas atividades de ensino-pesquisa-extensão do PET-Saúde. Rev ABENO. 2011;11(2):12-9.

Liberalino FN, de Andrade RCA, Araújo MD, Costa NDL, Almeida Jr JJ, Fernandes JD, et al PESC - projeto educação, saúde e cidadania: experiência extra-muros da UFRN, articulando e construindo saberes e ações entre academia, serviços de saúde e comunidade. PSICOLOGIA. 20:11 [Acesso em: 23/01/2015] Disponível em: www.prac.ufpb.br/anais/sempe/vsempeanais/Anais/saude/pesc.doc

Leme PAT, Pereira AC, Meneghim MC, Mialhe FL. Perspectivas de graduandos em odontologia acerca das experiências na atenção básica para sua formação em saúde. Cien Saude Colet. 2015;20(4) :1255-65.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação superior. Resolução CNE/CES Nº 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Brasil: CNE/CES; 2002.

Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás [homepage]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2015. Pedagogia - Iniciação científica e bolsa de iniciação científica. [Acesso em: 21/01/2015] Disponível em: https://www. fe.ufg.br/n/130-pedagogia-iniciacao-cien tifica-e-bolsa-de-iniciacao-cientifica.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3ª ed. Lisboa: Edições 70; 2004.

Spedo SM, Pinto NRS, Tanaka OY. O difícil acesso a serviços de média complexidade do SUS: o caso da cidade de São Paulo, Brasil. Physis. 2010;20(3):953-72.

Silva LJ. Da vacina à aspirina: considerações acerca das ações coletivas em saúde pública. Saúde Soc.1996;5(2)3-16.

Carvalho LAC, Scabar LF, Souza DS, Narvai PC. Procedimentos Coletivos de Saúde Bucal: gênese, apogeu e ocaso. Saúde Soc. 2009;18(3)490-9.

Brasil. Ministério da Saúde/ Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília, 2004. [Acesso em: 21/01/2015] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_ nacional_brasil_sorridente.pdf

Cecílio LCO, Andreazza R, de Souza LM, Lima AMR, Mercadante CEB, Pinto NRS, et al. O gestor municipal na atual etapa de implantação do SUS: características e desafios. RECIIS. 2007; 1(2):200-7.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico- CNPq. O CNPq. [Acesso em: 03/11/2015] Disponível em: http://www.cnpq.br/ cnpq/index.htm

Erdmann AL, Leite JL, Nascimento KC, Lanzoni GMM. Vislumbrando a iniciação científica a partir das orientadoras de bolsistas da Enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011;64(2)261-7.

Capozzolo AA, Casetto SJ, Henz AO. Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013. p.151-162.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v16i2.250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274