Saúde Bucal Coletiva e pedagogia da sala de aula invertida: possibilidades e limites no ensino de graduação

Paulo Capel Narvai, Anderson Gomes Mota, Flávia Reis de Andrade, Paulo Frazão

Resumo


Trata-se de relato da experiência desenvolvida no âmbito da disciplina de graduação “Saúde Pública, Saúde Coletiva e Saúde Bucal Coletiva”, da Universidade de São Paulo, ministrada sob o referencial pedagógico da sala de aula invertida, com apoio de um Ambiente Virtual de Aprendizagem, construído especificamente para este fim na plataforma Moodle da USP. Em sala de aula os alunos elaboraram um Projeto Aplicativo (PA), o qual implicava caracterizar a atenção à saúde bucal em territórios específicos, identificando os problemas de saúde bucal, os recursos disponíveis para enfrentar os problemas e o modo como esses recursos vêm sendo empregados. O objetivo pedagógico do PA foi mobilizar e articular os principais aspectos teóricos da disciplina, possibilitando identificar características contrastantes entre os territórios e estimulando a análise comparativa. Textos desencadeadores de apoio foram disponibilizados e geraram elencos de questões e comentários analisados em sala de aula. Cada PA foi apresentado no último dia de aula. Os autores argumentam que é possível desenvolver, no ensino de graduação, práticas pedagógicas que ousem inverter o papel da sala de aula e colocar o estudante efetivamente no centro do processo ensino-aprendizagem. Paradoxalmente, porém, tais possibilidades de inovação pedagógica não vêm sendo relatadas na literatura sobre o ensino odontológico brasileiro, sequer em disciplinas do campo da saúde coletiva.


Palavras-chave


Saúde Coletiva. Ensino Odontológico. Pedagogia. Aprendizagem Ativa. Aprendizado a Distância.

Texto completo:

PDF

Referências


Narvai PC. Recursos humanos para promoção da saúde bucal: um olhar no início do século XXI. In: Kriger L (org). ABOPREV: promoção de saúde bucal. 3 ed. São Paulo: Artes Médicas; 2003.

Conferência Nacional de Saúde, 7ª. Brasília, DF, 1980. Anais. Brasília: Ministério da Saúde; 1980.

Narvai PC. Odontologia e Saúde Bucal Coletiva. São Paulo: Hucitec; 1994.

Soares CLM, Paim JS, Chaves SCL, Rossi TRA, Barros SG, Cruz DN. O movimento da Saúde Bucal Coletiva no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(6):1805-16.

Narvai PC. Saúde bucal coletiva: um conceito. Odontol Soc. 2001;3:47-52.

Campos GWS, Amaral MA. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(4):849-59.

Hayacibara MF, Lolli LF, Terada RS, Hidalgo MM, Bispo CGC, Terada HH et al. Experiência de Clínica Ampliada em Odontologia na Universidade Estadual de Maringá. RABEM. 2012;36(1 Supl. 2):178-83.

Conferência Nacional de Saúde Bucal, 3ª. Brasília, DF, 2004. Relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004;4(1):17-21.

Domingues GG, Fonseca GS, Zilbovicius C, Frias AC, Junqueira SR. Modalidades de ensinar e aprender: educação online no curso de graduação em Odontologia. Rev ABENO. 2016;16(1):61-72.

Ventura PCS. Por uma pedagogia de projetos: uma síntese introdutória. Educ Tecnol. 2002;7(1):36-41.

Arendt RJJ. Construtivismo ou construcionismo? Contribuições deste debate para a Psicologia Social. Estud Psicol. 2003;8(1):5-13.

Dougiamas M, Taylor P. Moodle: Using learning communities to create an open source course management system. Proceedings of the EDMEDIA 2003 Conference. Honolulu, Hawaii. [Acesso em 20 jul. 2017]. Disponível em: http://dougiamas.com/writing/edmedia2003/.

Siemens G. Connectivism: A learning theory for the digital age. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning. 2005. [Acesso em 20 jul. 2017]. Disponível em: http://er.dut.ac.za/handle/123456789/69.

Reidsema C, Kavanagh L, Hadgraft R, Smith N. The Flipped Classroom: practice and practices in higher education. New York: Springer; 2017.

Moffett J. Twelve tips for “flipping” the classroom. Med Teach. 2015;37(4):331-6.

Ramnanan CJ, Pound LD. Advances in medical education and practice: student perceptions of the flipped classroom. Adv Med Educ Pract. 2017;13(8):63-73.

Shatto B, L’Ecuyer K, Quinn J. Retention of content utilizing a flipped classroom approach. Nurs Educ Perspect. 2017;34(4):206-8.

Bergmann J, Sams A. Flip your classroom: reach every student in every class every day. New York: ASCD; 2012.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz & Terra; 1996.

Lemos CLS. A implantação das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação em Odontologia no Brasil: algumas reflexões. Rev. ABENO. 2005;5(1):80-5.

Noro LRA, Farias-Santos BCS, Sette-de-Souza PH, Pinheiro IAG, Borges REA, Nunes LMF, et al. O professor (ainda) no centro do processo ensino-aprendizagem em Odontologia. Rev ABENO. 2015;15(1):2-11.

Foresti A, Teixeira AC. Proposta de um conceito de aprendizagem para a era digital. Rev Latinoam Tecnol Educ. 2012;11(2):55-68.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i1.483

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274