Iniciação científica, vivências acadêmicas e rendimento de graduandos em Odontologia e Medicina

Clara Letícia da Costa Carvalho, Gabriela Victorelli, Rui Barbosa de Brito Junior, Almenara de Souza Fonseca Silva, Luciane Zanin, Flávia Martão Flório

Resumo


O Programa de Iniciação Cientifica (PIC) busca despertar a vocação e estimular o desenvolvimento do pensamento científico em graduandos, tendo sido identificado previamente que a participação no PIC institucional apresentou impacto positivo no coeficiente de rendimento (CR) de estudantes de Odontologia, o que não ocorreu com os de Medicina. Desta forma, desenvolveu-se o presente estudo observacional, que visa avaliar aspectos pessoais, contextuais e vocacionais das vivências acadêmicas que possam ter influenciado este achado. Participaram 123 alunos PIC, sendo 74 (60,2%) do curso de Odontologia (O) e 49 (39,9%) do curso de Medicina (M). A versão reduzida do Questionário de Vivências Acadêmicas (QVA-r com 54 questões e resposta em escala do tipo Likert) foi aplicada. Os dados foram tabulados e analisados utilizando-se o teste t de Student (α=5%). Os principais resultados apontaram que as dimensões carreira, estudo e institucional diferiram entre os grupos, com maiores pontuações médias para estudantes do curso de Medicina na dimensão carreira (M=4,1±0,6; O=3,8±0,4). Para os do curso de Odontologia, maiores pontuações médias foram observadas nas dimensões estudo (M=3,6±0,5; O=3,9±0,7) e institucional (M=3,7±0,2; O=4,1±0,2). Não houve diferença entre os cursos considerando as dimensões pessoal e interpessoal e o QVAr geral. Conclui-se que vivências acadêmicas diferenciadas podem ter influenciado o antagônico impacto do PIC no CR dos estudantes de Odontologia e Medicina.


Palavras-chave


Pesquisa Científica. Rendimento Escolar. Formação Profissional.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Massi LQ, Queiroz SLL. Studies on undergraduate research in Brazil: a review. Rev Eletr Cad Pesqui. 2010;40(139):173-97.

Gorgens JB. Avaliação da produção científica dos egressos, bolsistas e não bolsistas de iniciação científica, do curso de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, de 1994 a 1999, pelo currículo Lattes (tese) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2007.

Machineski RS, Machado ACTA, Silva RTM. A importância do estágio e do programa de iniciação científica na formação profissional e científica. Enciclop Biosf. 2011;7(13):1562-74.

Nardini EF, Turssi CP, Fonseca Silva AS, Flório FM. Política de estímulo à iniciação científica: impacto no coeficiente de rendimento de graduandos em Odontologia. Rev ABENO. 2019;19(1):33-9.

Nardini EF, Flório FM. Acompanhamento de ingressantes e egressos do programa de iniciação científica da Faculdade São Leopoldo Mandic. In: Seminário de Iniciação Científica; 2017 out 3; Campinas.

Cunha SM, Carrilho DM. O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento acadêmico. Psicol Esc Educ. 2005;9(2):215-24.

Soares AB, Francischetto V, Dutra BM, Miranda JM, Nogueira C, Leme VR, Araújo AM, Almeida LS. O impacto das expectativas na adaptação acadêmica dos estudantes no Ensino Superior. PsicoUSF. 2014; 19(1):49-60.

Monteiro MC, Soares AB. Adaptação acadêmica de estudantes cotistas e não cotistas. Rev Bras Orient Profiss. 2018 19(1):51-60.

Igue ÉA, Bariani ICD, Milanesi PVB. Vivência acadêmica e expectativas de universitários ingressantes e concluintes. PsicoUSF. 2008; 13(2):155-64.

Noronha APP, Martins DDF, Gurgel MGDA, Ambiel RAM. Estudo correlacional entre interesses profissionais e vivências acadêmicas no ensino superior. Psicol Esc Educ. 2009; 13(1):143-54.

Soares AB, dos Santos Mello TV, Baldez MDOM. Vivências acadêmicas em estudantes universitários do Estado do Rio de Janeiro. Interação Psicol. 2011;15(1):59-69.

Granado JIF, Santos AAA, Almeida LS, Soares AP, Guisande MA. Integração académica de estudantes universitários: contributos para a adaptação e validação do QVA-r no Brasil. Psicol Educ. 2005;4(2):31-41.

Bastos F, Martins F, Alves M, Terra M, Lemos CS. A Importância da Iniciação Científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Rev Eletr Novo Enfoque. 2010;11(11):61-6.

Boyle SE, Cotton SC, Myint PK, Hold GL. The influence of early research experience in medical school on the decision to intercalate and future career in clinical academia: a questionnaire study. BMC Med Educ. 2017;17(1):245.

Chisini LA, Silva HG, Nóbrega KHS, Conde MCM, Corrêa MB, Demarco FF. Análise descritiva dos trabalhos de conclusão de curso da Faculdade de Odontologia. Rev ABENO. 2017;17(1):8-15.

Almeida LS, Ferreira JÁ, Soares AP. Questionário de Vivências Académicas (QVA e QVA-r). In: MM Gonçalves, MR Simões, LS Almeida, Machado C. Avaliação psicológica: Instrumentos validados para a população portuguesa. 2003.

Polydoro SAJ, Azzi RG Autorregulação da aprendizagem na perspectiva da teoria sociocognitiva: introduzindo modelos de investigação e intervenção. Psic Educ. 2009. 29(2):75-94.

Fior CA, Mercuri E. Envolvimento acadêmico no ensino superior e características do estudante. Rev Bras Orient Profiss. 2018;19(1):85-95.

Ferreira NP, Ferreira AP, Freire MCM. Mercado de trabalho na odontologia: contextualização e perspectivas. Rev Odontol UNESP. 2013;42(4):304-9.

Tinto V. Through the eyes of students. J Coll Student Ret. 2017;19(3):254-69.

dos Anjos DRL, Aguilar-da-Silva RH. Questionário de Vivências Acadêmicas (QVA-R): avaliação de estudantes de medicina em um curso com currículo inovador. Avaliação. 2017;22(1):105-23.

San Martin A, Chisini L, Martelli S, Sartori L, Ramos E, Demarco F. Distribution of dental schools and dentists in Brazil: an overview of the labor market. Rev ABENO. 2018;18(1):63-73.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 267/GM, de 06 março de 2001. Define as Diretrizes e Normas da inclusão das ações de saúde bucal no PSF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2001 mar 7; Seção 1:67. [Acesso em 21/08/2018]. Disponível em: https://www. nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/

Silveira Filho AD. A Saúde Bucal no PSF: o desafio de mudar a prática. Rev Saúde Família. 2002; 6:36-43.

Silva CV, Spiger V, Amante CJ. Perfil e expectativas profissionais de concluintes do curso de graduação em Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev ABENO. 2018; 18(3):35-42.

Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 116/2014, de 20 de junho de 2014: diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Brasília: Ministério da Educação; 2014.

Hunt D, Migdal M, Waechter DM, Barzansky B, Sabalis RF. The variables that lead to severe action decisions by the liaison Committee on Medical Education. Acad Med. 2016;91(1):87-93.

SAEME. Sistema de Acreditação de Escolas Médicas. Instrumento de Avaliação do SAEME; 30 jun. 2015. [Acesso em 21/08/2018]. Disponível em: http://saeme.org.br/images/saeme_instrumento_final.pdf.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i4.837

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274