Formação em Odontologia: desafios para o desenvolvimento docente e efetiva inclusão do Sistema Único de Saúde

Talitha Rodrigues Ribeiro Fernandes Pessoa, Luiz Roberto Augusto Noro

Resumo


As dificuldades enfrentadas para a efetivação das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação de Odontologia são reflexos da dificuldade de operar mudanças num sistema educacional que permaneceu por décadas refém do currículo mínimo e com resistência ideológica em aderir a propostas que se baseiem na produção do cuidado. Visando enfrentar essas dificuldades, o presente estudo buscou verificar a aplicabilidade de critérios de avaliação da formação em Odontologia com foco na formação voltada para o Sistema Único de Saúde (SUS) e na abordagem pedagógica. Realizou-se estudo documental dos Projetos Pedagógicos dos Cursos, aplicação de matriz de critérios e entrevista com os coordenadores de quatro cursos de Odontologia de instituições públicas e privadas. A percepção dos coordenadores configurou-se espaço privilegiado para reflexão sobre os avanços e limitações do projeto pedagógico, servindo como processo de autoavaliação sobre os principais desafios a serem enfrentados. É nítida a necessidade de nova regulamentação prevendo a obrigatoriedade de vínculo formal com o SUS, em especial no estágio curricular, assim como estratégias que contribuam efetivamente para o desenvolvimento docente permanente, viabilizando a construção de currículos integrados e incorporação efetiva de metodologias ativas de aprendizagem.


Palavras-chave


Educação em Odontologia. Currículo. Aprendizagem. Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Casotti E, Ribeiro VMB, Gouvêa MV. Educação em odontologia no Brasil: produção do conhecimento no período 1995-2006. Hist Ciênc Saúde. 2009; 16(4):999-1010.

Correa GT, Ribeiro VMB.A formação pedagógica no ensino superior e o papel da pós-graduação stricto sensu. Educ Pesqui. 2013; 39(2):319-34.

Haddad AE, Pierantoni CR, Ristoff D, Xavier IM, Giolo J, Silva LB. A trajetória dos cursos de graduação na área da saúde: 1991-2004. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2006. 531 p

Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário Oficial da União. 15 Abr 2004.

Polidori MM, Marinho-Araújo CM, Barreyro GB. SINAES: perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2006; 14(53):425-36.

Lampert JB. Avaliação institucional nos cursos de graduação da área da saúde: avaliar o quê e para quê? Cadernos ABEM. 2009; 5:45-55.

Pessoa TRRF, Noro LRAN. Caminhos para a avaliação da formação em Odontologia: construção de modelo lógico e validação de critérios. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(7):2277-90.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

Forte FDS, Pessoa TRRF, Freitas CHSM, Pereira CAL, Carvalho Júnior PM. Reorientação na formação de cirurgiões-dentistas: o olhar dos preceptores sobre estágios supervisionados no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu). 2015; 19(suppl.1):831-43.

Toassi RFC, Davoglio RS, Lemos VMA. Integração ensino-serviço-comunidade: o estágio na atenção básica da graduação em Odontologia. Educ Rev. 2012; 28(4):223-42.

Klelba ME, Colliselli L, Dutra AT, Muller ES. Trilha interpretativa como estratégia de educação em saúde: potencial para o trabalho multiprofissional e intersetorial. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):217-26.

Rego, C, Batista SH. Desenvolvimento docente nos cursos de medicina: um campo fecundo. Rev Bras Educ Med. 2012; 36(3):317-24.

Munguba MCS. Educação na saúde: sobreposição de saberes ou interface? Rev Bras Prom Saúde. 2010; 23(4):295-96.

Freitas CM, Freitas CASL, Parente JRF, Vasconcelos MIO, Lima GK, Mesquita KO, Martins SC, Mendes JDR. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trab Educ Saúde. 2015; 13(suppl.2):117-30.

Pedrosa IL, Lira GA, Oliveira B, Silva MSML, Santos MB, Silva EA, Freire DMC. Uso de metodologias ativas na formação técnica do agente comunitário de saúde. Trab Educ Saúde. 2011; 9(2):319-32.

Franco LLMM, Soares EF, Martorell LB, Marcelo VC. O professor do curso de Odontologia: sua formação e os desafios frente às exigências atuais. Rev Prof Docente. 2009; 9(20):57-74.

Medina-Moya JL, Prado ML. El curriculum de enfermería como prototipo de tejné: racionalidad instrumental y tecnológica. Texto Contexto Enferm. 2009; 18(4):617-26.

Silva LHA, Ferreira FC. A importância da reflexão compartilhada no processo de evolução conceitual de professores de ciências sobre seu papel na mediação do conhecimento no contexto escolar. Ciênc Educ. (Bauru). 2013; 19(2):425-38.

Gatti BA. Avaliação e qualidade do desenvolvimento profissional docente. Avaliação (Campinas). 2014; 19(2):373-84.

Forte AM, Flores MA. Potenciar o desenvolvimento profissional e a colaboração docente na escola. Cad Pesqui. 2012; 42(147):900-19.

Chaves SE, Ceccim RB. Avaliação externa no Ensino Superior na área da saúde: inquietações e a dimensão das margens. Interface (Botucatu). 2015; 19(55):1233-42.

Guerra GKS, Machado LB. Representações sociais de avaliação processual construídas por professoras. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. [online]. 2011; 19(71):363-80.

Resolução CNE/CES no 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. 23 Jun 2014.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v20i1.850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274