A importância da aula

Luiz Roberto Augusto Noro

Resumo


A aprendizagem confere aos seres humanos uma posição privilegiada na condução do mundo e da história, o que exige do professor uma postura adequada a essa demanda. Coerente com essa premissa foi objetivo do presente estudo refletir sobre a pertinência da aula como estratégia para professores desenvolverem a aprendizagem dos alunos. Aula foi entendida como momento temporal específico no qual são expostos determinados conteúdos previamente definidos por um professor, para uma turma de alunos, em estabelecimento de ensino. Para isso, optou-se metodologicamente pela investigação narrativa autobiográfica ao tomar-se como objeto de estudo experiências nas quais o próprio autor é o protagonista. Os relatos das vivências permitiram observar a limitação da aula como espaço de aprendizado, quer pelo excesso de autoritarismo empregado pelo professor na condição de grande protagonista do processo, quer pela falta de estímulo ao aluno em construir conhecimento nesse espaço pedagógico. É urgente, portanto, que as aulas sejam transformadas em espaços vivos, que provoquem a ansiedade positiva dos alunos, pensadas por professores que não simplesmente estejam na escola, mas que participem da vida do educando, contribuindo para a construção de uma esperança maior tanto nas conquistas como nas incertezas, buscando caminhos que respeitem o contraditório, compartilhando dúvidas e descobrindo possibilidades, somente possíveis para mentes humanas.

Palavras-chave


Aprendizagem. Docentes. Ensino. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


Bordenave JED, Pereira, AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 30 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

Larrosa J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. 4 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Amorim VM, Castanho ME. Da dimensão estética da aula ou do lugar da beleza na educação. Reflex. Ação. 2007;15(1):158-73.

Teixeira LC. Escrita autobiográfica e construção subjetiva. Psicol. USP2003;14(1):37-64.

Viñao A. Las autobiografías, memorias y diarios como fuente histórico-educativa: tipología y usos. Teias. 2000;1(1):82-97.

Lima MEC, Geraldi CMG, Geraldi JW. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educ Rev. 2015;31(1):17-44.

Cunha RC. A pesquisa narrativa: uma estratégia investigativa sobre o ser professor. Anais do 5o Encontro de Pesquisa em Educação da UFPI. Teresina: EDUFPI, 2009.

Ferrara LD. Olhar Periférico. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 1999.

Bakhtin MM. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos, SP: Pedro e João Editores, 2010.

Ginzburg C. Sinais. Raízes de um paradigma indiciário. In: Ginzburg C. Mitos, emblemas, sinais. São Paulo: Cia das Letras. 2011.

Cunha MI. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Rev Fac Educ. 1997;23:(1-2). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551997000100010

Souza EC. Histórias de vida e formação de professores. São Paulo: Quartet, 2008.

Kramer S. Leitura e escrita de professores em suas histórias de vida e formação. Cad Pesqui. 1999;106:129-57.

Gomes MLM. Escrita autobiográfica e história da educação matemá-tica. Bolema. 2012;26(42):105-38.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v15i4.229

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274