Política de estímulo à iniciação científica: impacto no coeficiente de rendimento de graduandos em Odontologia

Elisa Fonseca Nardini, Cecilia Pedroso Turssi, Almenara de Souza Fonseca Silva, Flávia Martão Flório

Resumo


O presente estudo observacional do tipo caso-controle avaliou o impacto da participação no Programa de Iniciação Científica (PIC) no coeficiente de rendimento (CR) acadêmico de graduandos em Odontologia. Alunos de uma instituição de ensino superior (IES) particular localizada em Campinas (SP) foram divididos em dois grupos: caso (GCs; vinculados ao PIC 2013 a 2016) e controle (GCt estudantes matriculados e/ou egressos que se enquadraram aos critérios de inclusão). Calculou-se o CR dos participantes, ponderado pela carga horária das disciplinas, sendo para o GCs: nos semestres anteriores à participação no PIC e nos semestres letivos cursados em concomitância ou posteriormente à 1ª participação no programa. Para o GCt, considerou-se o CR dos semestres cursados. Vincularam-se ao PIC 58 estudantes, sendo 15,5% (9) na 1ª edição (2013-2014); 27,6% (16) na 2ª (2014-2015); 29,3% (17) na 3ª (2015-2016) e 27,6% (16) na 4ª edição (2016-2017). Dentre os aptos a participar do GCt, sorteou-se 60 estudantes. Verificou-se que houve um aumento significativo (p<0,0001, teste t pareado) nos CRs calculados para GCs antes do PIC (7,73±0,49) e depois do PIC (7,89±0,46). Estudantes GCs tiveram CR mais alto do que aqueles do GCt (7,45±0,56), tanto previamente quanto após sua participação no PIC (p< 0,0001, teste t para uma média). Conclui-se que o estímulo à iniciação científica por meio da institucionalização de programas acadêmicos diferencia o rendimento escolar dos participantes.


Palavras-chave


Avaliação Educacional. Pesquisa em Odontologia. Estudante de Odontologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Bastos F, Martins F, Alves M, Terra M, Lemos CS. A Importância da Iniciação Científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Novo Enfoque. 2010;11 (11):61-6.

Chisini LA, Silva HG, Nóbrega KHS, Conde MCM, Corrêa MB, Demarco FF. Análise descritiva dos trabalhos de conclusão de curso da Faculdade de Odontologia. Rev ABENO. 2017;17(1):8-15.

Fava de Morais F, Fava M. A iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspectiva. 2000; 14(1):73-7.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos- CGEE. A Formação de novos quadros para CT&I: avaliação do programa institucional de bolsas de iniciação científica (Pibic). Brasília, DF: 2017. 44p.

Massi LQ, Queiroz SLL. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Rev Eletr Cad Pesqui. 2010;40(139):173-97.

Humphrey P, Woods NF. Involving Undergraduate Students in

Faculty Research. J Nurs Educ.1980;19(5):4-6.

Pires RCM. Formação inicial do professor pesquisador através do programa PIBIC/CNPq: o que nos diz a prática profissional de egressos? Avaliação (Campinas). 2009;14(2), 487-514.

Nogueira MA, Canaan MG. Os “iniciados”: os bolsistas de iniciação científica e suas trajetórias acadêmicas. Rev TOMO. 2009; 15(42):41-70.

Bardagi MP, Hutz CS. Mercado de trabalho, desempenho acadêmico e o impacto sobre a satisfação universitária. Ciên Hum. 2012; 46(1):183-98.

Silva MGL, Martins AFP. Reflexões do PIBID - Química da UFRN: Para Além da Iniciação à Docência. Quím Nova Esc. 2014; 36(2):101-107.

Sousa JMT, Marques HVCF. Contribuições da iniciação científica no processo de ensino e aprendizagem de química. Cad Pesqui. 2011;18(3):31-39.

Bridi JCA. A Iniciação científica na formação do universitário. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas

Cunha MR, Fonsêca GS, de Araujo ME, Zilbovicius C. A Iniciação Científica como estratégia pedagógica para integrar ensino e serviço no SUS. Rev ABENO. 2016;16(2):33-44

Cavalcanti AL, Borja de Melo TRN, Barroso KMA, Cunha de Souza FE, Maia AMA, Silva ALO. Perfil da Pesquisa Científica em Odontologia Realizada no Brasil. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2004. 4(2): 99-104.

Machineski RS, Machado ACTA, Silva RTM. A importância do estágio e do programa de iniciação científica na formação profissional e científica. Enciclop Biosf. 2011;7(13):1562-74.

Santos AAA, Mognon, JF, Lima TH, Cunha NB. A relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Psicol Esc Educ. 2011;15(2):283-90.

Cunha SM, Carrillo DM. O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento acadêmico. Psicol Escolar Educ. 2005. 9(2): 215-24.

Fernandes VMP. Adaptação acadêmica e autoeficácia em estudantes universitários do 1º ciclo de estudos [Dissertação de Mestrado]. Porto: Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa, 2011.

Santos L, Almeida LS. Vivências acadêmicas e rendimento escolar: estudo com alunos universitários do 1.º ano. Análise Psicológica. 2001; 19(2):205-17

Igue EA, Bariani ICD, Milanesi PVB. Vivência acadêmica e expectativas de universitários ingressantes e concluintes. Psico-USF. 2008; 13(2) 155-64.

Basso C. Vivências acadêmicas e os fatores da permanência/evasão de estudantes no ensino superior. In: I Seminário Iberoamericano: as transições dos estudantes, um desafio para as universidades, 2013, Itajaí. I Seminário Iberoamericano: as transições dos estudantes, um desfaio para as universidades, 2013.

Britto LPL, Silva EO, Castilho KC, Abreu TM. Conhecimento e formação nas IES periféricas perfil do aluno "novo" da educação superior. Avaliação. 2008;13(3): 777-91.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i1.619

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274