Educação Interprofissional em Saúde: análise bibliométrica da produção científica nacional

Cibele Michel, Thais Ostroski Olsson, Ramona Fernanda Ceriotti Toassi

Resumo


Educação interprofissional (EIP) é uma abordagem pedagógica importante nos currículos da saúde por buscar preparar os estudantes para o cuidado em um ambiente de equipe colaborativa. Este artigo propôs-se a realizar uma análise bibliométrica da produção científica em relação à EIP em saúde no Brasil, de 2012 a 2017. A pesquisa foi realizada na base de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Como descritor controlado foi utilizado o termo ‘Relações interprofissionais/ Interprofessional Relations’ e como descritores não controlados ‘Educação Interprofissional/ Interprofessional Education’, ‘Aprendizado Colaborativo/ Collaborative Learning’ e ‘Trabalho em Equipe/  Teamwork'. Na busca, esses descritores foram combinados e acrescidos do operador boleano ‘AND’. Foram analisadas 46 publicações (37 artigos, 6 dissertações, 3 teses). Os primeiros autores eram brasileiros, vinculados a Instituições de Ensino Superior público (78,2%). Periódicos da Enfermagem, Saúde Pública e Educação, Qualis B, se destacaram entre os artigos analisados. Os estudos mais frequentes foram os de abordagem qualitativa (61%), realizados na região Sudeste (58,7%), cujos participantes foram profissionais da saúde (23,9%) e estudantes de graduação, atualização, especialização e residência (19,5%). A ‘associação de técnicas’ (24%), seguida pela entrevista semiestruturada (21,7%) foram as técnicas de coleta de dados mais observadas.  Análise de conteúdo foi citada em 41,3% das publicações como a forma de análise dos dados. Esses estudos tratavam de experiências de EIP voltadas ao ensino na saúde (45,6%), EIP nos serviços de Atenção Primária à Saúde (23,9%), e EIP nos espaços de ambulatório e hospital (15,1%). Seis publicações apresentaram fonte de financiamento. Pesquisas sobre EIP são incipientes no país, devendo ser ampliadas e qualificadas.


Palavras-chave


Relações Interprofissionais. Educação Superior. Currículo. Bibliometria.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Organização Mundial da Saúde. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. 2010. 64 p.

Costa MV. A educação interprofissional no contexto brasileiro: Algumas reflexões. Interface (Botucatu). 2016;20(56):197–8.

Peduzzi M. O SUS é interprofissional. Interface (Botucatu). 2016;20(56):199–201.

Batista NA. Educação Interprofissional em Saúde : Concepções e Práticas. Cad FNEPAS. 2012;2:25–8.

Peduzzi M, Norman IJ, Germani ACCG, Silva JAM, Souza GC. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):977–83.

Buring SM, Bhushan A, Broeseker A, Conway S, Duncan-hewitt W, Hansen L, et al. Interprofessional Education: definitions, student competencies, and guidelines for implementation. Am J Pharm Educ. 2009;73(4):1–8.

Reeves S, Perrier L, Goldman J, Freeth D, Zwarenstein M. Interprofessional education: effects on professional practice and healthcare outcomes (update). Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2013;3.47p. [Acesso em 10/10/ 2018]. Disponível em: http://www.ncbi. nlm.nih.gov/pubmed/23543515%5Cnhttp://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD002213.pub2/pdf/standard%5Cnhttp://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23543515

Costa T, Lopes S, Fernández-Limós F, Amante MJ, Lopes PF. A Bibliometria e a Avaliação da Produção Científica: indicadores e ferramentas. ACTAS - Congr Nac Bibl Arq e Doc 11. 2012;(11):1–7.

Oliveira CM, Batista NA, Batista SHSS, Uchôa-Figueiredo LR. A escrita de narrativas e o desenvolvimento de práticas colaborativas para o trabalho em equipe. Interface (Botucatu). 2016;20(59):1005–14.

Perego MG, Batista NA. Aprendizagens compartilhadas na Residência Multiprofissional em Saúde. Tempus. 2016; 10(4):39–51.

Souto S, Batista SH. A educação interprofissional na formação em psicologia: olhares de estudantes. Psicol Ciência e Profissão. 2014;34(1):32–45.

Casanova IA, Batista NA, Ruiz-Moreno L. Formação para o trabalho em equipe na residência multiprofissional em saúde. ABCS Heal Sci. 2015;40(3):229–33.

Santos GM, Batista SHSS. Monitoria acadêmica na formação em/para a saúde: desafios e possibilidades no âmbito de um currículo interprofissional em saúde. ABCS Heal Sci. 2015;40(3):203–7.

Costa MV, Patrício KP, Câmara AMCS, Azevedo GD, Batista SHS da S. Pró-Saúde e PET-Saúde como espaços de educação interprofissional. Interface (Botucatu). 2015;19(Supl. 1):709–20.

Ellery AEL. Interprofissionalidade na Estratégia Saúde da Família : condições de possibilidade para a integração de saberes e a colaboração interprofissional. 2012.

Ellery AEL, Pontes JRS, Loiola FA. Campo comum de atuação dos profissionais da Estratégia Saúde da Família no Brasil : um cenário em construção. Physis. 2013;23(2):415–37.

Barros ER, Ellery AEL. Inter-professional collaboration in an Intensive Care Unit : challenges and opportunities. Rev Rene. 2016;17(1):10–9.

Germani ACCG, Oliveira AA, Ferreira HP, Yano AC, Sancho GM. The use of information technology in the postgraduate course in the health. Rev Med (São Paulo). 2013;92(2):97–103.

Germani ACCG, Oliveira AAP, Chiesa AM, Ferreira Júnior M. Avaliação de tecnologias educacionais digitais para a formação de promotores de saúde em uma experiência interprofissional. J Bras Tele. 2014;3(1):200–

Souza GC, Peduzzi M, Silva JAM, Carvalho BG. Trabalho em equipe de enfermagem: circunscrito à profissão ou colaboração interprofissional ? Rev Esc Enferm USP. 2016;50(4):642–9.

Lima FS, Amestoy SC, Jacondino MB, Trindade LL, Silva CN, Fuculo Junior PRB. Exercício da liderança do enfermeiro na estratégia saúde da família. J Res Fundam Care Online. 2016;8(1):3893–906.

Fernandes HN, Thofehrn MB, Porto AR, Amestoy SC, Jacondino MB, Soares MR. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. J Res Fundam Care Online. 2015;7(1):1915–26.

Nuto SAS, Lima Júnior FCM, Camara AMCS, Gonçalves CBC. Avaliação da disponibilidade para aprendizagem interprofissional de estudantes de Ciências da Saúde. Rev Bras Educ Med. 2017;41(1):50–7.

Forte FDS, Morais HGF, Rodrigues SAG, Santos JS, Oliveira PFA, Morais MST, et al. Educação interprofissional e o programa de educação pelo trabalho para a saúde/Rede Cegonha: potencializando mudanças na formação acadêmica. Interface (Botucatu). 2016;20(58):787–96.

Araújo TAM, Vasconcelos ACCP, Pessoa TRRF, Forte FDS. Multiprofissionalidade e interprofissionalidade em uma residência hospitalar: o olhar de residentes e preceptores. Interface (Botucatu). 2017;21(62):601–13.

Câmara AMCS, Cyrino AP, Cyrino EGC, Azevedo GD, Costa MV, Bellini MIB, et al. Interprofessional education in Brazil: Building synergic networks of educational and healthcare processes. Interface (Botucatu) [Internet]. 2016;30(2):135–7.

Reeves S. Por que precisamos da educação interprofissional para um cuidado efetivo e seguro. Interface (Botucatu). 2016;20 (56):185–97.

Batista NA, Batista SHSDS. Educação interprofissional na formação em Saúde: Tecendo redes de práticas e saberes. Interface Commun Heal Educ. 2016;20(56):204–6.

Reeves S. Reply. Interface - Comun Saúde, Educ [Internet]. 2016;20(56):205–6. [Acesso em: 10 out. 2018]. Disponível em: http://www .scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832016000100205&lng=pt&nrm= iso&tlng=en

Costa MV, Vilar MJ, Azevedo GD, Reeves S. Interprofessional education as an approach for reforming health professions education in Brazil : Emerging findings Interprofessional education as an approach for reforming health professions education in Brazil: emerging findings. J Interprof Care. 2014;28(4):379–80.

Sidone G, Haddad EA, Mena-chalco JP. A ciência nas regiões brasileiras : evolução da produção e das redes de colaboração científica Science in Brazilian regions: evelopment of scholarly production and research. TransInformação. 2016;28(1):15–31.

Bosi MLM. Pesquisa qualitativa em saúde coletiva: panorama e desafios. Cien Saude Colet. 2012;17(3):575–86.

Minayo MCDS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Cien Saude Colet. 2012;17(3):621–6.

Pope C, Mays N. Métodos qualitativos na pesquisa em saúde. In: Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 11–21.

Frenk J, Chen L, Bhutta ZA, Cohen J, Crisp N, Evans T, et al. Health professionals for a new century: Ttransforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet. 2010;376(9756):1923–58.

Barr H. Competent to collaborate: Towards a comptence-based model for interprofessional education. J Interprof Care. 1998;12(2):181–8.

Barros AJD. Produção científica em saúde coletiva: perfil dos periódicos e avaliação pela Capes. Rev Saude Publica. 2006;40:43–9.

Elias FS, Souza L. Indicadores para monitoramento de pesquisa em saúde no Brasil. Ciência da Informação. 2006;35:218–26.

Batista NA, Batista SH, Rossit RAS, Gerab IF da S. A educação interprofissional na graduação em saúde: preparando profissionais para o trabalho em equipe e para a integralidade no cuidado. Atas do IX Encontro Nac Pesqui em Educ em Ciências – IX ENPEC. 2013;1–6.

Reeves S, Pelone F, Harrison R, Goldman J, Zwarenstein M. Interprofessional collaboration to improve professional practice and healthcare outcomes (Review). Cochrane Libr. 2017;(6):1–48.

Reeves S, Fletcher S, Barr H, Birch I, Boet S, Davies N, et al. A BEME systematic review of the effects of interprofessional education: BEME Guide No. 39. Med Teach. 2016;(39):1–27.




DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i4.781

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 1679-5954

ISSN Online: 2595-0274